Research | Pesquisar artigos de Belverede

Select the language

sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

EBD 2012 - As Bênçãos de Israel e o que cabe à Igreja

A lição nº 5 da revista Lições Bíblicas  A Verdadeira Prosperidade, a ser apresentada em Janeiro de 2012, tem como título As Bênçãos de Israel e o que cabe à Igreja, comentada por José Gonçalves.

Até o momento, considero que esta é a melhor matéria da série de doze lições, como também as anotações do autor na revista Ensinador Cristão, ano 13, nº 49, página 38.

Gonçalves transcorre sobre a ordem que Abraão recebeu de sair de Ur dos Caldeus - atualmente Mugheir - às margens do rio Eufrates, sem nenhuma expectativa de receber recompensas financeiras e nem ter o endereço para onde ir (Hebreus 11.8).

É importante considerar que descobertas arqueológicas de Ur dos Caldeus revelam que a região em que Abraão habitava era uma sociedade desenvolvida e próspera. Foram encontradas muitas habitações cheias de conforto. Foi em Ur dos Caldeus que surgiu os tijolos de alvenaria, usado em todo o mundo, até os de hoje. Lá, ao contrário do restante da Mesopotâmia, haviam construções arquitetônicas de três andares e muito luxuosas.  ¹  Era a capital dos simérios por volta de 3.500 a.C.. Segundo Sir Leonard  Wooley, arqueólogo, foi encontrado na cidade muitos vestígios de uma grande enchente, que continua ainda hoje a ser investigada. ² Abraão deixou isso para trás ao atender a voz de Deus. Essa atitude lhe foi imputada como justiça.

Abraão peregrinou em busca de um lugar aqui na terra, porém, o cristão tem dupla cidadania. É cidadão da terra e do céu. Vive neste mundo com a perspectiva de ir morar com o Senhor, pela fé é um peregrino em busca de uma posse espiritual.

Nesta manhã, tive a oportunidade de conversar com uma pessoa sobre interesses materiais e interesses espirituais. Eu lembrei da questão dos graus de importância entre a primeiro e a segundo interesse. E, em determinado momento nos ativemos em Hebreus 10.32-35, o período em que os servos de Deus que se curvaram ao senhorio de Cristo sofriam perseguição feroz, perdiam bens e até a própria vida por causa da confissão de fé. Eles sabiam priorizar muito bem entre os valores das esferas no âmbito do efêmero e do eterno.

Está escrito assim: "Lembrem do que aconteceu no passado. Naqueles dias, depois que a luz de Deus os iluminou, vocês sofreram muitas coisas, mas não foram vencidos na luta. Alguns foram insultados e maltratados publicamente, e em outras ocasiões vocês estavam prontos para tomar parte no sofrimento dos que foram tratados assim. Vocês participaram do sofrimento dos prisioneiros. E, quando tudo o que vocês tinham foi tirado, vocês suportaram isso com alegria porque sabiam que possuíam uma coisa muito melhor, que dura para sempre. Portanto, não percam a coragem, pois ela traz uma grande recompensa" (NTLH).

Pela tarde, um link publicado na minha rede no Facebook me levou ao blog do Pr. Ciro Zibordi. E lá, li uma parágrafo que se encaixou no que eu havia comentado pela manhã.

É o seguinte: "Concordo que todo o extremismo é perigoso, como disse Silas. Não é porque sou contrário à teologia da prosperidade que serei, por causa disso, favorável à teologia da miséria. Afinal, a Bíblia diz que devemos nos contentar com o que temos, e não nos conformar com o que temos (Fp 4.11-13; 1 Tm 6.8-10). Conformar-se é uma coisa. Contentar-se, outra. Posso estar contente com um carro velho, pois o contentamento vem do Senhor. Mas não preciso me conformar com isso, pois Deus pode me dar um carro melhor".  ³

Confira todas as abordagens sobre as matérias da revista no blog Belverede: EBD 2012 primeiro trimestre: Verdadeira prosperidade - vida cristã abundante.

E.A.G.

1 - Wikipedia http://pt.wikipedia.org/wiki/Ur_dos_Caldeus
2 - David Conrado Sabbag, Minidicionário Bíblico, Difusão Cultural do Livro
3 - Ciro Sanches Zibordi, Blog do Ciro, Considerações sobre Silas Malafaia e a Teologia da Prosperidade, http://cirozibordi.blogspot.com/2012/01/algumas-consideracoes-sobre-o-pastor.html

5 comentários:

FRANCISCA CARLA M. BARROS disse...

essa lições são uma benção,que o senhor abençoe ao irmão cada vez mas.

ROBSON SILVA disse...

Meu prezado amigo Eliseu,
Graça e Paz!

É possível que minhas palavras não caibam em um único comentário então vou divídí-lo.

Também sou pela moderação, pelo verdadeiro ensinamento bíblico – que é segundo a doutrina de Cristo, pela transparência na administração da "bolsa" e por uma homilética coerente e condizente com uma hermenêutica não viciada, não soberba, não interesseira, não fadada a defender um objetivo pessoal, não particular: “Sabendo primeiramente isto: que nenhuma profecia da Escritura é de particular interpretação.” (2Pe 1.20).

Mas fico a me perguntar:

1. Por que o evangelho de Cristo precisa ser anunciado sobre uma plataforma antropocêntrica e egoísta (RECEBER) e não cristocêntrica e altruísta (DAR)? (At 20.35)

2. Por que prosperam sobremaneira os defensores da chamada Teologia da Prosperidade a ponto auferirem para si fortunas incalculáveis, bens supérfluos e geradores de custos insuportáveis (imagina quanto custa manter uma aeronave particular, ou o IPVA de um SUV blindado), sabidamente às custas de DOAÇÕES de fiéis seguidores de suas doutrinas? (Is 55.2; At 8.20)

3. Por que a Teologia da Prosperidade não funciona como uma “montanha russa”, com seus disseminadores abrindo mão vez ou outra de TUDO O QUE TÊM em favor dos pobres – como os vistos no referido vídeo do You Tube – a fim de MATAR a fome dos que MORREM por causa dela? Será que DEUS não os RESTITUIRIA, cem vezes mais? (Mc 10.21)

segue...

ROBSON SILVA disse...

cont...


4. Por que a LEI MAIOR da Teologia da Prosperidade, a da SEMADURA, não se aplica da mesma forma aos disseminadores da doutrina? Não deveriam eles também SEMEAR proporcionalmente àquilo que colhem, preferencialmente nas vidas dos fiéis e não nos próprios bolsos ou de seus parceiros ministeriais? (Ef 4.28)

5. É lícito, justo e ético barganharmos com DEUS a oferta ou a contribuição espontânea em favor de Seu Reino (leia-se Igrejas) na Terra, mas não em favor dos pobres miseráveis que diuturnamente morrem de fome na África, Ásia, Oriente Médio e outros rincões a fora? Não deveriam os defensores da TP organizar campanhas contra a fome, a pobreza a falta de abrigo o desemprego, ao invés de Campanhas vultuosas de R$1.000,00, R$911,00, R$900,00, R$600,00 + uma Bíblia capaz de extirpar a pobreza da vida dos fiéis? (1Tm 6.18)

Muitas outras questões poderiam ser formuladas para refutar a Teologia da Prosperidade (não da verdadeira prosperidade à luz da Bíblia) tal como ela é apresentada e aplicada por seus defensores. No entanto, para não tornar cansativa e enfadonha a leitura vou me ater a essas somente.

Sabedor que sou do equilíbrio e bom senso com que debates temas tão ácidos, e da tua simpatia pelo Pr. Silas Malafaia, me antecipo em dizer que as questões acima não dizem respeito exclusivamente às suas doutrinas, mas a de todo aquele que de alguma forma defende ou pratica a TP em substituição à cruz de Cristo.

“Porque para mim tenho por certo que as aflições deste tempo presente não são para comparar com a glória que em nós há de ser revelada.” (Rm 8.18)

Eliseu Antonio Gomes disse...

Francisca.

Obrigado pela visita. É sempre bem-vinda.

Deus te abençoe.

Eliseu Antonio Gomes disse...

Caro amigo e irmão.

As respostas para suas argumentações estão publicas em formato de postagem:

Prossigo Para o Alvo: Robson Silva pergunta

É isso.

Volte sempre.

Na paz dO Senhor.

As 7 postagens mais acessadas na semana

As 7 postagens mais acessadas nos últimos 30 dias

As 7 postagens mais populares (geral - desde 12 de junho de 2007)

▲ Clique na imagem para retornar ao topo do blog.

Bola colorida na areia da praia. By Eliseu Antonio Gomes

Bola colorida na areia da praia. By Eliseu Antonio Gomes
Cidade Ocean - Praia Grande - São Paulo/SP - Brasil.