Research | Pesquisar artigos de Belverede

Select the language

domingo, 19 de novembro de 2017

O preço da graça da Deus


Por Eliseu Antonio Gomes
Transcrição

De que modo uma pessoa é salva? É por benemerência dela? É pelas façanhas que ela produz? É pela penitência que ela pratica? Açoitando o corpo, indo viver dentro do convento, fazendo sacrifício numa vida de ascetismo? Não é nada disso, pois a salvação é um presente de Deus, é uma dádiva; a salvação chega até nós por meio da graça divina, é um favor do Senhor que não merecemos.

Por mais religiosa que a pessoa seja, ela nunca alcançará a salvação por mérito próprio. Mesmo que possua boas intenções é reprovada ao passar pelo exame justo do Senhor. Então, Deus em seu imenso amor nos oferece a maravilhosa graça, para que não pereçamos.

Graça é aquilo que não somos dignos de ganhar e necessitamos, não merecemos a salvação e, no entanto, precisamos dela. A graça é um favor imerecido que Deus oferece aos homens. Ninguém será salvo por mérito próprio, porque o modelo de vida para ser salvo é viver sem pecar. O homem não é perfeito, mesmo que se esforce para cumprir a Lei de Deus, tropeça em diversos pontos e é culpado da Lei em sua íntegra. O ser humano é incapaz de ser perfeito quanto às obras, pois tropeça em suas obras, falha quando fala e falha ao pensar.

O termo "graça" traz a ideia errada de coisa gratuita, o que leva a pensar que é coisa insignificante e sem valor. Mas, mesmo oferecida ao ser humana sem a cobrança de preço algum, ela custou muito caro para Deus e para Jesus Cristo. Como o ser humano é incapaz de salvar a si mesmo, por Deus não deixar passar desapercebida à quebra da sua lei e à violação da sua justiça, enviou o seu Filho único, que jamais pecou, para morrer no lugar de todos os pecadores. Deus lançou sobre Jesus os nossos pecados, e Jesus levou os nossos pecados até a cruz e lá na cruz Jesus rasgou o escrito das nossas dívidas e as pagou – morrendo em lugar de toda a humanidade pecadora. E assim Jesus pôde bradar: “está consumado”, isto é, a dívida está paga. Desta maneira, o ser humano alcança a graça, que não foi gratuita para Deus e nem para Cristo, custou um preço muito caro , custou o derramamento do sangue de Jesus Cristo na cruz, como o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo.

Pense nisso.

E.A.G.

Nota:
Postagem publicada originalmente em meu perfil no Facebook, em 22 de outubro de 2017 às 03h37. O conteúdo é resultado de uma transcrição - realizada de maneira livre, não palavra por palavra - de uma breve preleção do Pastor Hernandes Dias Lopes, apresentada no programa de televisão Verdade e Vida, produção da Igreja Presbiteriana do Brasil, veiculado numa manhã de sábado do mês de outubro do corrente ano. Link: goo.gl/KtERqD

Imagem: Lu Benone - https:// www. facebook. com/ lubonome

sábado, 18 de novembro de 2017

A utilidade da Escritura Sagrada

Por Eliseu Antonio Gomes

"Toda a Escritura é inspirada por Deus e útil para o ensino, para a repreensão, para a correção, para a educação na justiça, a fim de que o servo de Deus seja perfeito e perfeitamente habilitado para toda boa obra" - 2 Timóteo 3.16-17.

A Bíblia Sagrada é uma biblioteca em nossas mãos. Porém, é mais do que uma seleção de sessenta e seis obras antológicas agrupadas em um só livro. É uma coletânea de escritos contendo história, poesia, parábolas, códigos de lei, provérbios e dizeres, hinos, cartas e profecias. Seu conteúdo influenciou a arte, a política, as leis e escritores ao redor do mundo, muito mais do que qualquer outra literatura publicada em todos os tempos. Ela trata das grandes questões fundamentais da vida: responde sobre a razão de estarmos aqui; o que devemos fazer e priorizar. As pessoas que escreveram a Bíblia  transmitiram mensagens de Deus, inspiradas pelo Espírito Santo.

Seu sistema de capítulos e divisões de versículos não existiam no original, foram introduzidos nos séculos 13 e 16, respectivamente; servem de auxílio para encontrar com facilidade todos os trechos escritos.

A Escritura é produto da mente do Criador. Através dela Deus fala conosco, pois ela foi inteiramente dada por inspiração de Deus. Ela é proveitosa para doutrinar, para reprovar, para corrigir todos os erros em julgamento e em prática, e para instruir em justiça.

O mesmo Espírito que assopra o raciocínio sobre nós, assopra a revelação entre nós. A Escritura nos serve para inumeráveis usos aproveitáveis. Ela nos ensina quanto ao que é verdadeiro, reprova-nos no que estamos falhando, dirige-nos naquilo que é bom. É uma revelação divina da qual podemos depender como uma verdade infalível; é uma regra perfeita de fé e prática.

Ensino (Salmos 119.98-101). 

Como qualquer outra pessoa, o cristão cumpre suas obrigações de cidadão neste mundo. Ao exercer suas atividades, todo aquele que de fato ama a Palavra de Deus carrega a Bíblia Sagrada consigo, se não em suas mãos, na cabeça e no coração, pois sabe que ela o torna sábio. 

O observador da Palavra sofre tentações, porém é capaz de desviar-se de todo caminho mau para manter-se fiel às orientações do Senhor. Ele prefere interagir com a Palavra de Deus como sua diretriz, pois a recebe como alimento ricamente nutritivo e delicioso ao paladar. Por meio das instruções das Escrituras, no decorrer de sua vida adquiri conhecimento para discernir entre o autêntico e o falsificado, o bem e o mal, e torna-se capaz de aconselhar aos que estão confundidos.

Nosso amor pela Palavra de Deus deve ser inenarrável, devemos amar não apenas os textos que contém promessas, mas também apreciar profundamente a Lei de Cristo e se comprazer em meditar em todo o conteúdo bíblico, pois ela resplandece como as lâmpadas, é a luz para os nossos olhos, no sentido de nos favorecer em nosso procedimento à escolha geral da nossa trajetória e na escolha particular de nossas atitudes. 

Repreensão (João 15.1-2). 

O gracioso dom de Cristo à Igreja é o ministério da paz e reconciliação com Deus. Vivendo em Cristo, honramos a Deus praticando o bem e somos capacitados a fazer veemente oposição ao fingimento e à mentira.

Jesus é a videira verdadeira e os cristãos são os ramos. Assim como de uma vinha esperamos uvas, do cristão Deus espera ações compatíveis com o cristianismo. Os cristãos são como os ramos de uma árvore em que Cristo é o tronco. Os ramos não podem dar frutos se não estiverem conectados ao tronco. Estar separados implica em sermos inúteis, pelo que seremos descartados. Estar juntos a Cristo significa produzir frutos. Frutifiquemos, que a nossa conduta seja composta com temperamento equilibrado e boa disposição em discurso e prática. Ao dar fruto, o crente glorifica a Deus e demonstra ser um autêntico cristão.

Até os ramos mais frutíferos precisam de poda, porque até a melhor pessoa nasce no estado deslocado e desajustado pelo pecado, tem conceitos, paixões e temperamentos que precisam ser removidos, com a finalidade de se tornarem mais fecundos.

Correção (Efésios  4.11-13).

Jesus enviou os doze discípulos para evangelizar, mas confirmou o ministério de cada um deles apenas quando derramou o Espírito Santo de maneira extraordinária sobre eles (Mateus 10.1-5).

Cristo deu dons ministeriais à Igreja - que é o seu Corpo místico - para que a liderança, através da difusão e prática das Escrituras Sagradas proporcione o aperfeiçoamento e edificação dos crentes, e estes estejam preparados para se transformarem em cidadãos do céu. Os dons conferem força e maturidade ao crente, evitando que seja confundido; além disso, provocam o crescimento da igreja como um só organismo. Se a liderança estiver dotada de dons, a mensagem da Bíblia será ministrada com eficácia no que tange ao aperfeiçoamento da produtividade espiritual da congregação.

Educação na justiça (1 Timóteo 4.6).

Todos os cristãos têm necessidade de crescer e aperfeiçoar no conhecimento de Cristo e sua doutrina; alimentar-se das palavras de fé. A melhor maneira de os cristãos crescerem em conhecimento e fé é lendo a Bíblia e trazendo a leitura à lembrança. Através da consciência avivada quanto ao que o Senhor espera de cada um de nós, adquirimos condição de refutar os ensinamentos que conflitam com a vontade do Senhor, eliminar hábitos que não são produtivos.

Advertência (Hebreus 4.12, 13).

A Palavra de Deus é de grande ajuda, fortalece a nossa fé, dá ânimo para sermos diligentes e em nossa diligência alcançamos descanso.

1. Ela é viva e ativa, fortalece o coração, é confortante e cura a alma ferida.
2.  É eficaz, convence, converte, consola, estimula e poderosamente destrói fortalezas para ressuscitar os mortos, fazer o surdo ouvir, o cego enxergar, o mudo falar e o aleijado caminhar (2 Coríntios 10.4-5). Desfaz o reino de Satanás e estabelece o reino de Cristo.
3. É espada de dois gumes, penetra onde nenhuma outra espada consegue entrar e pode dissecar mais profundamente. Corta dos dois lados; é a espada do Espírito. É cortante tanto para quem a maneja quanto ao que está diante dela (Efésios 6.17). Sai da boca de Cristo (Apocalipse 1.16).
4. Provoca a divisão da alma e do espírito. Ela faz com que a alma orgulhosa se torne humilde, e a perversa obediente ao Senhor. Ninguém é capaz de se esconder de Deus, o Criador, e inspirador da Escritura por meio do Espírito Santo. Não há quem possa se ocultar de Cristo, o Verbo divino que sonda os rins e o coração (João 1.14; Apocalipse 2.23). Teremos de responder a Jesus , que determinará o destino eterno de toda a humanidade
5. Figurativamente, alcança juntas e medulas, isto é, as partes mais íntimas do ser humano, transforma os pensamentos e o coração, corta os desejos desenfreados da carne e da mente, fazendo morrer a força aguda que induz ao pecado.
Conclusão.

Existem diversas traduções modernas da Bíblia. É importante lê-la de maneira sistemática e devocional.

Na Escritura Sagrada não existe falhas, erros e nem mentira alguma, seu conteúdo nos guia pelo caminho da verdade. Qualquer outro escrito torna-se obsoleto e expira com o passar do tempo, mas a Palavra de Deus não muda porque é duradoura e fonte segura de todo conhecimento útil (Salmos 119.140; Lucas 21.33; 2 Pedro 1.19).

E.A.G.
    
Compilação:
A Bíblia de Maneira Simples, Nick Page, páginas 4 e 5, 1ª edição 2014, Barueri/SP (SBB).
Bíblia de Estudo Mattew Henry, páginas 917, 1678, 1679, 2020; edição 2014; Rio de Janeiro/RJ (Central Gospel).
Bíblia do Pescador, Luis Àngel Díaz-Pabón; páginas 658, 1104, 1349; 1ª edição 2014; Rio de Janeiro-RJ (CPAD).

sexta-feira, 17 de novembro de 2017

O nome de Deus



Quando Deus se revelou a Moisés, apresentou a identificação EU SOU (Êxodo 3.1-6, 14). Hebraístas declaram que a sonoridade seria “iodevave”.

As transcrições do nome de Deus que encontramos nas traduções da Bíblia Sagrada, vertida ao idioma português, usam as formas latinas. E, o nome de Deus na época do Antigo Testamento não era pronunciado pelos judeus; escrevia-se o tetragrama YHWH. Os tradutores convencionaram trocar as quatro letras por SENHOR (em maiúsculas) onde os judeus têm ADONAI (que é "o Senhor" em hebraico).

A cura realizada pelo Abba Pai
A Ciência confirma a Bíblia Sagrada
Escrever Deus usando consoante d em forma minúscula. Irreverência? ...
Inspiração divina e autoridade da Bíblia
Não tomarás o nome de Deus em vão
E.A.G.

quarta-feira, 15 de novembro de 2017

Salvação e Livre-Arbítrio

Por Eliseu Antonio Gomes

INTRODUÇÃO

O principal plano de Deus foi salvar a humanidade, porém, em concordância com sua sabedoria, deu o livre-arbítrio ao homem.

I. A ELEIÇÃO BÍBLICA É SEGUNDO A PRESCIÊNCIA DIVINA

1. A eleição de Israel.

Qualquer estudo sobre a eleição deve começar por Jesus. Toda conclusão teológica que não fizer referência à doutrina de Cristo seja posta como ação suspeita, pois em Jesus encontramos o amor de Deus.

A eleição de Israel foi ímpar e pontual. Deus tinha o objetivo de enviar o Salvador ao mundo através da nação hebreia. Cristo reflete o Deus que elege. sem fazer acepção de pessoas. Por este motivo o apóstolo Paulo vinculou o amor à eleição ou predestinação.
a. "Antes da fundação do mundo, Deus nos escolheu, nele, para sermos santos e irrepreensíveis diante dele. Em amor  nos predestinou para ele, para sermos adotados como seus filhos, por meio de Jesus Cristo, segundo o propósito de sua vontade" - Efésios 1.4-5.
b. "Portanto, como eleitos de Deus, santos e amados, revistam-se de profunda compaixão, de bondade, de humildade, de mansidão, de paciência" - Colossenses 3.12; 
c. "Sabemos, irmãos amados por Deus, que ele os escolheu" - 1 Tessalonicenses 1.4;
d. "Mas devemos sempre dar graças a Deus por vocês, irmãos amados pelo Senhor, porque Deus os escolheu desde o princípio para a salvação, pela santificação do Espírito e fé na verdade" - .2 Tessalonicenses 2.13.
O Deus que elege é o Deus que ama o mundo inteiro de maneira tal, com um amor indescritível. Por isso não é aceitável a afirmação que Ele escolhe alguns para a salvação eterna e envia outros para a perdição sem-fim.

2. A eleição para a salvação.

A eleição divina é o ato pelo qual Deus chama os pecadores para a salvação em Cristo e torna-os santos. Essa eleição é proclamada através da pregação do Evangelho, e Deus deseja que todos sejam salvos e respondam afirmativamente ao chamado para a salvação. Romanos 8.29-30; João 1.11; Atos 13.46; 1 Corintios 1.9; Atos 2.37; 1 Timóteo 2.4; 2 Pedro 3.9.

A eleição é segundo a presciência de Deus.

3. A presciência divina.

A presciência é a capacidade de Deus saber todas as coisas de antemão e interferir na história humana (Atos 22.14; Romanos 9.23; Neemias 9.21; Salmos 3.5; 9.4; Hebreus 1.3).

Estamos sob os cuidados e a presciência de Deus, mas também desfrutamos paradoxalmente da liberdade do livre-arbítrio dado por Ele, situação que aumenta a responsabilidade humana em obedecer aos seus mandamentos (Hebreus 10.38; Apocalipse 3.20).

II. ARMÍNIO E O LIVRE-ARBÍTRIO

1. Breve histórico de Jacó Armínio (Jakob Hermanzoon)

Armínio, teólogo e reformador, nasceu na Holanda em 1560, foi pastor em uma igreja em Amsterdã, recebeu o título de doutor em teologia pela Universidade de Leiden. Suma mais enfática defesa é o livre-arbítrio humano. Por este posicionamento, enfrentou oposição, falsas acusações por parte dos calvinistas, porém manteve-se sempre manteve postura não combativa, embora firme em suas convicções. Armínio morreu no auge da controvérsia teológica na Holanda, em 1609.

Não trouxe nenhuma novidade à teologia cristã no sentido doutrinário. Para embasar seu parecer, usou em seu método os pais da Igreja, escritos medievais e muitos outros protestantes que lhe antecederam. Assim, refutou duramente algumas doutrinas de linha calvinista, com o objetivo de enfatizar o caráter bondoso, amoroso e justo de Deus.

Nomes arrolados ao lado de Armínio:
Melanchton, líder luterano;
Erasmo, reformador católico;
Balthasar Hubmaier líder anabatista do século XVI;
Menno Simons, líder anabatista contemporâneo de Hubmaster.
Segundo a doutrina arminiana, não apenas a cruz de Cristo é necessária para solicitar e obter a salvação, a fé no sacrifício realizado por Cristo na cruz também é necessária para obter a redenção. Deus elegeu e destinou todos para a salvação (João 3.14-16; 1 Pedro 2.9).

A principal característica do arminianismo é o livre-arbítrio. Os pontos básicos desta doutrina, são:
a. A predestinação depende da maneira de o pecador corresponder ao chamado da salvação. Assim, a salvação está fundamentada na presciência divina; não é um ato que segue única e exclusivamente a vontade de Deus;
b. Cristo morreu, indistintamente, por toda a humanidade, porém somente serão salvos os que crerem;
c. Como o ser humano não tem a capacidade de crer, necessita do auxílio da graça divina;
d. Apesar de não ter fim, a graça pode ser resistida;
e. Nem todos os que aceitaram a Cristo perseverarão.
Antes de existirem tradicionais-históricos, pentecostais e outros, já haviam milhares de cristãos fiéis ao Senhor. . Isso significa que a história da Igreja não teve seu início com uma pessoa ou uma só denominação. Por isso não se justifica guerras teológicas, brigas denominacionais e rompimentos de amizades. A Palavra de Deus não existe para trazer contendas e rivalidades. A diferença teológica não deve servir de motivação para erguer muros de inimizades entre irmãos. Não convém debater sobre o assunto em foco, oremos e nos esforcemos para que não haja ânimos exaltados por causa de linhas doutrinárias diferentes. Antes de Armínio e Calvino, tenhamos em alta consideração Jesus, que é o nosso Salvador. Vivamos nossa fé em Cristo fazendo uso do amor cristão uns pelos outros.

2. O livre-arbítrio.

O Criador fez o homem livre e independente, inteligente e permite que cada indivíduo escolha entre o bem e o mal. Deus quer que todo ser humano, livre e espontaneamente, o ame de todo o coração e mente. Então, em sua bondade, deu para seus filhos a possibilidade de escolha. Ele proveu a salvação para todos, mas nem todos atendem ao seu convite. Assim, Deus cortou Israel por escolha de Israel e enxertou pessoas de outras nações, que creram em Cristo como Salvador e o receberam como Senhor, em seu lugar e foram esses salvos que se tornaram o Israel de Deus (Mateus 21.43; Romanos 11.17-24).

Deus é soberano, amoroso e quer salvar a todos, mas isso não anula o direito de escolha do ser humano. Na Bíblia temos tanto a predestinação divina como a livre escolha humana, em relação à salvação, porém não uma predestinação em que uns são destinados à vida eterna e outros à perdição eterna. O que coube a Deus realizar no plano perfeito da salvação, está feito; mas a parte do ser humano, que é crer e aceitar o sacrifício de Jesus, o homem precisa fazer.

Aqueles que crerem serão salvos; os que não crerem, porém, serão condenados. Alguns, ao ouvirem o Evangelho, se endurecem ainda mais em seus pecados e perdem a oportunidade de salvação (Marcos 16.16; João 1.11; Atos 17.32).

3. O livre-arbítrio na Bíblia.

De acordo com sua soberania, Deus concedeu o livre-arbítrio ao homem. O livre-arbítrio é a possibilidade que os seres humanos possuem de fazer escolhas e tomar decisões  que afetam seu destino eterno, especificamente se tratando da salvação.

A ênfase inconsequente à livre vontade do homem conduz ao engano de uma salvação dependente de obras, conduta e obediência humanas.

III. ELEIÇÃO DIVINA E LIVRE-ARBÍTRIO

1. A eleição divina.

Eleição é a escolha que Deus faz para com grupos e indivíduos com finalidade específica determinada por Ele - no caso do presente assunto abordado, a salvação. Mas a eleição é condicionada à vontade humana. Essa vontade não prejudica em nada a vontade de Deus, pois prevê tudo antecipadamente.

Uma das palavras hebraicas para eleição é "yãdha". Este termo expressa sentido de amorosidade, carrega a ideia de que Deus escolhe porque seus afetos o levam a escolher as pessoas para a salvação.

No texto bíblico capitulado em Romanos 8.29, encontramos o vocábulo grego "proginõskõ", cujo significado remete à eleição amorosa, ao fato de que Deus amou a todos previamente.

2. Escolha humana e fatalismo.

"Portanto, assim como, por uma só ofensa, veio o juízo sobre todos os seres humanos para condenação, assim também, por um só ato de justiça, veio a graça sobre todos para a justificação que dá vida" - Romanos 5.18.

A graça divina é estendida a todos os seres humanos, abre a cada indivíduo a oportunidade de crer no Evangelho, o que descarta a possibilidade de a eleição ser uma ação fatalista de Deus. Por fatalismo, entenda-se acontecimentos que operam independentemente da nossa vontade e dos quais não é possível evitar.

3. A possibilidade da escolha humana.

Uma das informações admiráveis da Palavra de Deus é a que nos faz saber que embora Deus seja o Altíssimo, o Soberano Senhor dos senhores, Ele criou os seres humanos livres, dando-lhes a possibilidade de relacionar-se de maneira espontânea e livre, amando-o de todo o coração.

 Há vários textos bíblicos que apontam para o fato de o ser humano ser livre para escolher:

"Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo o que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna" - João 3.16..

"Todo aquele que o Pai me dá, esse virá a mim; e o que vem a mim, de modo nenhum o lançarei fora" - João 6.37.

" Porque: 'Todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo' ” - Romanos 10.13.

CONCLUSÃO

O Evangelho é uma dádiva maravilhosamente indescritível entregada a todas as pessoas, independente de merecimentos pessoais. Deus, em sua infinta misericórdia, nos chama para vivê-lo, diariamente: "Venham a mim todos vocês que estão cansados e sobrecarregados, e eu os aliviarei" - Mateus 11.28. Os que aceitam o convite estão predestinados a "serem conforme a imagem de seu filho Jesus (Romanos 8.29).

E.A.G.

As citações bíblicas expostas por extenso são extraídas da Nova Almeida Atualizada (NAA), tradução publicada pela Sociedade Bíblica do Brasil.

Compilação:
A Obra da Salvação. Jesus Cristo é o Caminho, a Verdade e a Vida; Claiton Ivan Pommerening; páginas 85 a 89; 2ª impressão 2017; Bangu/RJ (CPAD);
Ensinador Cristão; ano 18; número 72; página 40; 4º trimestre de 2017; Bangu/RJ (CPAD);
Lições Bíblicas / Professor. A Obra da Salvação - Jesus Cristo é o Caminho, a Verdade e a Vida; Claiton Ivan Pommerening; 4º trimestre de 2017; páginas 54 a 60; Bangu/RJ (CPAD).

As 7 postagens mais acessadas na semana

As 7 postagens mais acessadas nos últimos 30 dias

As 7 postagens mais populares (geral - desde 12 de junho de 2007)

▲ Clique na imagem para retornar ao topo do blog.

Bola colorida na areia da praia. By Eliseu Antonio Gomes

Bola colorida na areia da praia. By Eliseu Antonio Gomes
Cidade Ocean - Praia Grande - São Paulo/SP - Brasil.