Research | Pesquisar artigos de Belverede

Select the language

quarta-feira, 13 de dezembro de 2017

Os cinco pontos do arminianismo (parte 2 de 5 postagens)


Que aqueles que são enxertados em Cristo por uma verdadeira fé, e que assim foram feitos participantes de seu vivificante Espírito, são abundantemente dotados de poder para lutar contra Satã, o pecado, o mundo e sua própria carne, e de ganhar a vitória; sempre - bem entendido - com o auxílio da graça do Espírito Santo, com a assistência de Jesus Cristo em todas as suas tentações, através de seu Espírito; o qual estende para eles suas mãos e (tão somente sob a condição de que eles estejam preparados para a luta, que peçam seu auxílio e não deixar de ajudar-se a si mesmos) os impele e sustenta, de modo que, por nenhum engano ou violência de Satã, seja, transviados ou tirados das mãos de Cristo (João 10.28). Mas quanto à questão se eles não são capazes de, por preguiça e negligência, esquecer o início de sua vida em Cristo e de novamente abraçar o presente mundo, de modo a se afastarem da santa doutrina que uma vez lhes foi entregue, de perder a sua boa consciência e de negligenciar a graça - isto deve ser assunto de uma pesquisa mais acurada nas Santas Escrituras antes que possamos ensiná-lo com inteira segurança.

III - O caráter de Deus revelado nas Escrituras e as implicações com a doutrina da salvação 

Antes de discorrer sobre o arminianismo, ou sobre a remonstrância, desejamos resumir sobre a revelação das Escrituras quanto ao caráter de Deus e seus atributos divinos, chamados de atributos morais. Ter em mente esses atributos de Deus é fundamental para a análise crítica sobre quaisquer formulações teológicas sobre a salvação do homem.

1) A Santidade de Deus. Deus é absolutamente Santo. Bancrof [5] diz que "a santidade de Deus é seu atributo mais exaltado e destacado, pois expressa a majestade de sua natureza e caráter morais". No aspecto negativo, a santidade de Deus significa que Ele é separado de tudo o que é pecaminoso. No sentido positivo, entende-se "a absoluta perfeição, a pureza e integridade de sua natureza e seu caráter" (ibidem, p. 66) [...] "Esta santidade ética de Deus pode ser definida como a perfeição de Deus, em virtude da qual Ele eternamente quer manter e mantém a sua excelência moral, aborrece o pecado, e exige pureza moral em suas criaturas".

Desse modo, a santidade de Deus não permite que ele cometa pecado ou seja injusto, pois Ele é o modelo, o padrão e o exemplo perfeito para suas criaturas. Por causa de sua santidade, Deus não pode mentir (conferir Tito 1.2). Deus disse a Jeremias: "O SENHOR me disse: 'Você viu bem, porque eu estou vigiando para que a minha palavra se cumpra'" (Jeremias 1.12). Jesus disse: "Passará o céu e a terra, porém as minhas palavras não passarão" (Mateus 24.35). Deus não pode dizer algo em sua palavra e mudar em sua aplicação no relacionamento com o homem. Ele se limita em si mesmo para que não se contradiga perante ninguém, sendo o fiador da sua Palavra.

2. O amor de Deus. Deus é Deus de amor. Ele próprio é amor: "E nós conhecemos o amor e cremos neste amor que Deus tem por nós. Deus é amor' [o amor na prática], 'e aquele que permanece no amor permanece em Deus, e Deus permanece nele" (1 João 4.16).

Chaffer [6] afirma que "Deus não obteve o amor, nel Ele por qualquer esforço mantém o amor; o amor é a estrutura do seu ser. Deus é a fonte inesgotável do amor [...] Como nenhuma outra virtude, o amor é a motivação primária  em Deus, e para satisfazer o seu amor, toda a criação foi formada". Diz ainda: "que o amor divino não começou a existir somente quando suas criaturas foram criadas, mas que Ele já previra em si o seu amor para com elas. Porém, quando o mal sobreveio à criação de Deus, houve um conflito "dentro dos atributos de Deus". "A santidade condena o pecado enquanto o amor de Deus procura salvar o pecador" (ibidem, p. 230). Deus nos ressuscitou porque estávamos mortos espiritualmente. "Mas Deus, sendo rico em misericórdia, por causa do grande amor com que nos amou, e estando nós mortos em nossas transgressões, nos deu vida juntamente com Cristo — pela graça vocês são salvos" (Efésios 2.4,5). Por causa do seu Amor, Deus não pode agir de modo injusto e contra a sua bondade.

3. A bondade de Deus. Segundo Strong, "bondade é o princípio eterno da natureza de Deus, que o leva a comunicar sua própria vida e bênção aos que são semelhantes a ele no caráter moral. Bondade, portanto, é quase idêntica ao amor da complacência; misericórdia ao amor da benevolência". [7]

Deus é bom, no sentido absoluto. Diz a Bíblia: "De fato, Deus é bom para com Israel, para com os de coração limpo" (Salmos 73.1); "Saindo dali, Jesus foi para o território da Judeia e para além do Jordão. E outra vez as multidões se reuniram junto a ele, e, de novo, ele as ensinava, segundo o seu costume" (Marcos 10.1). Sua bondade anda lado a lado com o seu amor e a  sua justiça. Admitir a predestinação, desde o ventre, não condiz com seu amor e sua justiça.

4. A justiça e retidão de Deus. Há teólogos como Bancroft [8] que consideram a justiça e a retidão como aspectos da santidade de Deus. Aqui, preferimos tratá-las como atributos distintos, embora intimamente ligados à santidade, como a outros atributos. "A retidão de Deus é a imposição de leis e exigências retas; podemos chamá-las de santidade legislativa. Nesse atributo, vemos revelado o empenho de Deus pela santidade que sempre o impele a fazer e a exigir o que é reto" (ibdem, p. 69). Segundo Joyner, "a retidão de Deus é tanto o seu caráter quanto o modo que ele opta por agir. Deus é ético no seu caráter ético e moral e, portanto, serve como padrão para determinar qual a nossa posição em relação a Ele" [9].

Por ser justo, não pode agir contra seu amor e sua bondade. Não se pode sequer imaginar Deus contrariando o seu caráter divino, como revelado nas Escrituras, fazer acepção de pessoas, a tal ponto de Ele dizer que não tem prazer na morte do ímpio, e, ao mesmo tempo, decretar, a priori, sua condenação inexorável ao inferno seria uma contradição jamais justificável diante do caráter do Deus bom e justo.
_______

5. E.H. BANCROFT, Teologia Elementar, p. 63-64;
6. Lewis Sperry CHAFFER, Teologia Sistemática, p. 229-30;
7. Augustus H. STRONG, Teologia Sistemática, p.432;
8. E.H. BANCROFT, Teologia Sistemática, p. 69;
9. RUSSEL, E. Joyner. Apud Horson, Stanley M. Teologia Sistemática, p. 140.

Fonte: revista Obreiro Aprovado, ano 38, número 75, 4º trimestre 2016, páginas 68, 69, 70, 77, Bangu, Rio de Janeiro/RJ (CPAD).

[ Em breve este artigo continuará em outra postagem. Agradecemos por sua opção de leitura neste blog: http://belverede.blogspot.com.br

A Supremacia de Cristo - Fé, Esperança e ânimo na Carta aos Hebreus


Lições Bíblicas

Lições do 1º trimestre de 2018 - Comentarista: José Gonçalves.

Sumário

Tema: A Supremacia de Cristo. Fé, esperança e ânimo na Carta aos Hebreus.

Lição 1
A Carta aos Hebreus e a Excelência de Cristo

Lição 2
Uma Salvação Grandiosa

Lição 3
A superioridade de Jesus em relação a Moisés

Lição 4
Jesus é superior a Josué - O meio de entrar no repouso de Deus

Lição 5
Cristo é Superior a Arão e à Ordem Levítica

Lição 6
Perseverança e fé em tempos de apostasia

Lição 7
Jesus - Sumo Sacerdote de uma Ordem Superior

Lição 8
Uma aliança superior

Lição 9
Contrastes na Adoração da Antiga e Nova Aliança

Lição 10
Dádiva, privilégios e responsabilidades na Nova Aliança

Lição 11
Os Gigantes da Fé e o seu legado para a Igreja

Lição 12
Exortações finais na Grande Maratona da Fé

José Gonçalves, comentarista das doze lições apresentadas ao 1º trimestre de 2018, é comentarista das Lições Bíblicas Adultos da Casa Publicadora das Assembleias de Deus (CPAD). Também é escritor, conferencista, membro da Comissão de Apologética da Convenção Geral das Assembleias de Deus no Brasil (CGADB) e líder da Assembleia de Deus em Água Branca - PI. Estudou Filosofia e Ética na Universidade Federal do Piaui (UFPI).

segunda-feira, 11 de dezembro de 2017

Perseverando na fé

Eliseu Antonio Gomes

INTRODUÇÃO

A perseverança dos salvos é uma doutrina que está presente em vários textos bíblicos e torna-se o repouso para a alma de todo crente enquanto sua salvação eterna não está completa, pois, enquanto se desfruta a salvação presente no mundo, vive-se na gloriosa esperança da salvação futura, quer na vinda de Cristo ou pela morte do crente, ser concretizada definitivamente.

I - A PERSEVERANÇA BÍBLICA

1. Conceito bíblico de perseverança.

A perseverança traz embutida a ideia de que o salvo deve esforçar-se para não se deixar seduzir pelos encantamentos do mundo e assim perder a sua salvação. Por isso a Bíblia, solenemente expressa o aviso para que o crente esteja sempre de prontidão para ir morar no céu. A Palavra de Deus afirma: “Eis que venho como vem o ladrão. Bem-aventurado aquele que vigia e guarda as suas vestes, para que não ande nu, e não se veja a sua vergonha" - Apocalipse 16.15.

Perseverança provém da palavra grega "proskarteresis" e tem a ideia de constância, paciência e persistência cristã em tempos de tentação, aflição, angústia, provação e provocação e, mesmo assim, continuar inflexível e firme na fé em Cristo, esperando e dependendo pacientemente dEle em tudo e para tudo. Outra palavra empregada é "plerophoria", que significa "plenitude de convicção e confiança".

A sentença "uma vez salvo, salvo para sempre" não tem apoio fundamentado nas Escrituras Sagradas. Caso fosse desse modo, não precisaria haver nenhum esforço para a pureza e santidade, e isso deporia em oposição a bondade de Deus de conceder o livre-arbítrio aos seres humanos (Salmos 25.12; Provérbios 3.31; Marcos 13.22).

Em Efésios 6.10, encontramos o início da lição de Paulo sobre a armadura divina. A  chave para sua interpretação está em analisar toda a sua extensão, que termina no versículo 20, e sua fundamentação, que é Isaías, capítulos 11, 52 e 59. Nesta passagem bíblica, o apóstolo usa a analogia da indumentária de um guerreiro preparado à batalha campal para tipificar as armas de ataque e defesa de que o cristão necessita para combater as forças espirituais do mal. Trata-se de uma capacitação divina para resistir às adversidades.

Tal armadura tem a seguinte composição analógica:
cinto: representa a verdade;
couraça: representa a justiça;
sapatos: Evangelho da paz;
escudo: fé;
capacete: salvação;
espada: palavra.
Tais apetrechos são as "armas" necessárias para o crente usar, na posição de membro da Igreja de Cristo, por meio da oração, não apenas nas batalhas pessoais contra as tentações diabólicas, mas para também estar engajado na missão que Deus lhe chamou, que é propagar ao mundo as Boas Novas de salvação. O termo "palavra" nesta passagem, não se refere ao conteúdo das Escrituras ("logos tou theou"; Hebreus 4.12), mas a exposição inspirada por Deus  ("rema tou theou") e pelo seu Espírito, essencial para a evangelização eficaz.

É importante não desanimar, resistir, lutar e vencer (6.10-13). Isto é viabilizado através do zelo pela unidade e amor entre os irmãos, entendendo que lutas e dificuldades no relacionamento entre pessoas são ciladas construídas pelas forças satânicas nos lugares celestiais e não devem acontecer (6.12).

Este ensinamento tem origem no Espírito Santo, são diretrizes do Evangelho de Cristo. Para entender mais sobre a armadura divina, veja mais a respeito lendo o que Paulo fala a respeito do assunto. Compare:
verdade (6.14): compare com Efésios 1.13; e 4.15, 21, 25; e 5.9; Isaías 59.3-4, 15;
justiça (6.14): compare com  Efésios 1.4; e 4.24; Isaías 11.5; e 59.8-17;
Evangelho da paz (6.15): compare Efésios 2.14-17; e 3.6, 8; Isaías 11.6-10; 52.7
escudo da fé (6.16): compare com  Efésios 1.13, 19; e 2.8, 9; Isaías 11.4; 59.18;•
capacete da salvação (6.17): 1 Tessalonicenses 5.8; Isaías 59.17;
espada do Espírito (6.17): Efésios 3. 7-10; 4.29 e Isaías 49.2; 11.2; 59.21.
2. Provisão divina e cooperação humana.

A perseverança é iniciada e garantida por Cristo até o dia final e conquistada pelo crente em cooperação e sujeição a Ele (Filipenses 1.6; 2 Pedro 1.10). Aos crentes que perseveram há a promessa e a esperança de serem conservados até o fim (1 Coríntios 1.8).

Embora o crente conte com a ajuda do Espírito Santo para perseverar na fé, algumas providências precisam ser tomadas para que essa ajuda seja efetiva na vida. São elas:
Cultivar o hábito da oração diária, apresentando a Cristo todas as tentações e aflições, buscando nEle a ajuda necessária para vencer (Efésios 6.18; Mateus 26.4);
Manter o coração e a mente sob o escudo da fé, que desfaz as investidas de Satanás (Efésios 6.16);
Desenvolver uma dependência de Deus em todas as situações, quer favoráveis ou não. A consciência de que precisamos de Deus mantém a humildade, que nos livra da queda e do tropeço (1 Tessalonicenses 5.18; Provérbios 29.23).
Cultivar a esperança, que mantém os nossos olhos em Cristo e na eternidade (1 Coríntios 13.13).

II - O PERIGO DA APOSTASIA

1. Conceituando apostasia.

A Bíblia ensina que a apostasia tem sua origem na obediência a espíritos enganadores e a doutrinas de demônios, bem como na introdução furtiva de homens que torcem o conteúdo bíblico e, de alguma forma, negam a pessoa ou obra de Cristo (1 Timóteo 4.1; 2 Coríntios 11.13-14; 2 Pedro 2.1).

Apostasia é dar às costas àquilo em que se creu um dia em relação ao que a Bíblia ensina; renunciar e distorcer propositalmente o ensino bíblico de forma a colocar e mesmo ensinar algo contrário em seu lugar. Ela pode acontecer parcialmente quando se renunciam algumas ideias ou doutrinas, ou, então, totalmente, quando se renega todo o conteúdo bíblico e a fé cristã. A apostasia sempre estará relacionada com a rebelião contra Deus.

A apostasia é o abandono da fé. A Bíblia não apresenta nenhum relato de apóstata que tenha se arrependido de seus erros; pelo contrário, afirma o seguinte: "Porque, se continuarmos a pecar de propósito, depois de termos recebido o conhecimento da verdade, já não resta sacrifício pelos pecados" - Hebreus 10.26.

A apostasia não pode ser confundida com heresia. A heresia é caracterizada pelo desvio, ainda que sutil, de uma crença aceita como doutrina, enquanto que apostatar é o mesmo que retraimento ou renúncia renúncia do exercício da fé.

2. A prática da apostasia.

A apostasia é permitida diante do livre-arbítrio, das possibilidades de escolhas do ser humano. Os crentes não estão impedidos de apostatarem da fé, ou ainda de serem tentados e pecarem, e de sofrerem as consequências do pecado e da perdição eterna.

Dispor-se à viver em Cristo não isenta o cristão a experimentar dificuldades, ser pressionado a descreditar das promessas de Deus e com isso ser induzido a desprezar o senhorio de Jesus em sua vida. O espírito humano está preparado para obedecer ao Senhor, porém a natureza humana é frágil e nem sempre está disposta a viver em fervor devocional. Portanto, o cristão deve orar para não cair em tentação; para manter-se firme na fé e confiar na força do Espírito Santo, que lhe capacita a perseverar. É obrigação do crente repudiar o mal em sua vida, fazer morrer a natureza pecaminosa (Mateus 26.41; Romanos 8.11).

O crente peca por ignorância, negligência, fraqueza e malícia. Esta última é o pior dos quatro motivos da prática do pecado, pois pode levar à perda da salvação e significa falta de fé e ofende a pessoa de Cristo e é indício de apostasia.

III. SEGUROS EM CRISTO

1. Cristo garante a salvação.

As tentações jamais serão maiores do que nós. Deus não deixa de mostrar o caminho da salvação ao pecador. E a Escritura Sagrada garante que jamais seremos tentados além de nossas forças. A fidelidade de Deus ajusta a nossa carga de acordo com a nossa força. Ele sabe o que podemos suportar e o que podemos enfrentar e sabiamente providencia ajustes às nossas tentações para que estejam niveladas à nossa capacidade de enfrentamento.  Ele cuida para que não sejamos derrotados. Se confiamos nEle e resolvemos perseverar, Ele dá o escape da tentação ou dos danos provocados por ela. Nós sempre teremos o resgate do Senhor, para que possamos ter condição de perseverar até o fim.

Há sempre solução em Cristo: "Não sobreveio a vocês nenhuma tentação que não fosse humana; mas Deus é fiel e não permitirá que vocês sejam tentados além do que podem suportar; pelo contrário, juntamente com a tentação proverá livramento, para que vocês a possam suportar" - 1 Coríntios 10.13.

2. A alegria da salvação.

Se vivemos guiados pelo Espírito, vivemos em santificação e o Espírito testifica com o nosso espírito que somos filhos de Deus. O testemunho do Espírito é expresso em plena concordância com o conteúdo bíblico. A Bíblia nos garante a salvação em Cristo e a certeza da salvação através do testemunho interior do Espírito Santo. Como consequência, pode-se desfrutar da imensa alegria que os salvos têm enquanto peregrinam nesta vida. Mas convém estarmos alerta porque a salvação pode ser perdida em casos de apostasia e afastamento da fé em Cristo.

Embora os crentes possam apostatar da fé, isso não significa que estarão condenados para sempre, pois isso atestaria contra a bondade e a misericórdia de Deus. Caso se arrependam e abandonem a prática, podem se juntar novamente ao povo de Deus, embora dificilmente um apóstata venha a se arrepender.

3. A certeza da vida eterna.

Uma vez que a pessoa confessa a Cristo como seu Salvador, seu intelecto compreende, e o Espírito confirma em seu âmago que ele é filho de Deus, gerando nele a certeza da salvação, que é como um testemunho interior, a qual manifesta a segurança da salvação, garantida por fé na graça de Cristo. Além disso, o Espírito nos faz saber que pertencemos a um Pai celeste que cuida de nós com presteza e carinho, e que com Ele podemos ter um relacionamento muito íntimo (Romanos 8.16). 

A segurança da salvação é concebida na mente do crente, exclusivamente, através da experiência da salvação. É uma experiência espiritual e emocional, e com essas características gera a certeza incontestável de que haveremos de herdar a vida eterna.

CONCLUSÃO

O sofrimento de Paulo não o fez desanimar na fé. Ele testemunhou o seguinte: "Para este evangelho eu fui designado pregador, apóstolo e mestre e, por isso, estou sofrendo estas coisas. Mas não me envergonho, porque sei em quem tenho crido e estou certo de que ele é poderoso para guardar aquilo que me foi confiado até aquele Dia" - 2 Timóteo 1-11-12. Neste texto, o verbo que o apóstolo usa está no tempo pretérito perfeito composto, indicando uma ação de continuidade, a fé exercida no início, mas mantida firme durante as duras provações e dúvidas ligadas à vida cristã.

O "Dia" final de Paulo é o momento em que a esperança e a fé fundir-se-ão no horizonte eterno e alcançarão sua concretização final para a alegria de multidões de salvos que estarão diante do Trono do Cordeiro, porque creram na esperança da salvação que se tornou que se tornou real.

"Porque na esperança fomos salvos. Ora, esperança que se vê não é esperança. Pois quem espera o que está vendo? Mas, se esperamos o que não vemos, com paciência o aguardamos" - Romanos 8.24-25.

E.A.G.

Compilação
A Obra da Salvação. Jesus Cristo é o Caminho, a Verdade e a Vida; Claiton Ivan Pommerening; página 128 a 136; 2ª impressão 2017; Bangu, Rio de Janeiro/RJ (CPAD).
Bíblia Missionária de Estudo, páginas 1227, 1228, 1147, 1148, 1182, edição 2014, Barueri, São Paulo/SP (SBB).

As 7 postagens mais acessadas na semana

As 7 postagens mais acessadas nos últimos 30 dias

As 7 postagens mais populares (geral - desde 12 de junho de 2007)

▲ Clique na imagem para retornar ao topo do blog.

Bola colorida na areia da praia. By Eliseu Antonio Gomes

Bola colorida na areia da praia. By Eliseu Antonio Gomes
Cidade Ocean - Praia Grande - São Paulo/SP - Brasil.