Research | Pesquisar artigos de Belverede

Select the language

segunda-feira, 2 de julho de 2018

Por que alguém negaria a existência de Deus?


Por que algumas pessoas negam que Deus existe? Sabemos que conhecer o Deus invisível é um grande desafio para a mente humana. Porém, seria muito mais racional acreditar que não houve ninguém por trás da criação desta página, que você lê neste momento, do que acreditar que Deus não exista. Em sã consciência, quem acreditaria que as palavras reunidas nesta postagem vieram do nada, vieram a existir por obra do acaso, não foram pensadas por alguém e que não houve o processo da digitação e publicação neste blog? O fato de existir um computador plugado à internet e alguém a digitar o texto são circunstâncias evidentes. Pela mesma obviedade, a Bíblia não discute a existência de Deus.

A Bíblia não reconhece nenhum ser humano como "ateu"; as Escrituras declaram o indivíduo que nega a existência de Deus como uma pessoa tola. Ninguém quer ser visto como um idiota. Ninguém quer ser um tolo pois o sujeito imbecil é alguém que dificulta a sua própria pessoa com opiniões e raciocínios falhos, posicionamentos e atitudes irrefletidas; aquele ou aquela que se machuca incontáveis números de vezes, sem jamais aceitar quem o ajude a mudar tal estilo de vida sofrida.

Você conhece alguém que se tornou ateu por causa de uma grande decepção? Como um bobalhão começa a ser um bobalhão? Negando a Deus. O Autor da sabedoria é Deus, mas o tolo insiste em discutir com o Criador e diz: "Eu sou autossuficiente; sou inteligente e tenho capacidade para cuidar da minha própria vida".

O tolo se mostra orgulhoso, porque parece que tudo que faz dá certo sem a ajuda de Deus. Até chegar o momento em que perceberá que sua situação espiritual sem Deus é trágica, e que não é possível escapar da condenação eterna, que existem o dia e o lugar em que terá que ajustar as contas com o Criador.

O ateísta é gente triste, porque é uma criatura que opta em permanecer longe do seu Criador. Como não considera relacionar-se com Deus de maneira devocional, pelo fato de viver como se Deus não existisse, nem se quer sabe como orar. Gente assim é extremamente infeliz, mesmo que não demonstre. Não se engane com o sorriso de ateus, não há neles a contínua alegria de real satisfação em viver, são tais quais os coloridos letreiros luminosos, ao amanhecer suas luzes são desligadas porque o sol ofusca completamente sua luminosidade, por mais belos que eles sejam. São assim porque deixaram Deus fora de suas vidas.

Ao contrário do que muitas pessoas imaginam, a descrença nem sempre surge de uma pesquisa profunda sobre o mundo e sobre Deus. Em muitos casos, não é verdade que um ateu se tornou convicto de suas posições irreligiosas através de uma observação cuidadosa da fé. A maior parte passa a ser ateísta impulsionada por um coração revoltado contra Deus. Negam a existência de Deus porque estão possuídos por um sentimento de revolta insensata e na crença que nunca terão que prestar contas de suas atitudes ao Criador. Muitos não desejam conhecer a Deus porque sabem que terão que mudar sua vida. Qualquer pessoa que diga que aceitar a existência de Deus não faz sentido está tornando as coisas fáceis demais para si mesmo.

Pessoas com capacidade intelectual privilegiada às vezes conseguem cometer muitas tolices. O Antigo Testamento usa vários termos com o sentido de "tolo" e nenhum deles está ligado a inteligência.

Crer em Deus tem uma importância moral. Não faz o crente ser uma pessoa mais inteligente que o descrente, no que se refere à área cerebral, mas provoca algo importante, que é a enorme diferença no estilo de vida. A palavra "insensato" (tolo), usada em Salmos 14.1 e 53.1, na versão Almeida Revista a Atualizada, refere-se às pessoas que cometem pecados de consequência terríveis. As ações dessas pessoas atestam que elas não acreditam que Deus existe. Se cressem em Deus e soubessem que um dia Deus levará todos os atos a julgamento, elas agiriam de maneira melhor.

Certa vez, Dwight Eisenhower disse: "Não é necessário ter um cérebro para ser ateu. Qualquer pessoa sonsa pode negar a existência de um poder sobrenatural, já que os sentidos humanos não conseguem percebê-lo. Mas a influência da consciência não pode ser negada, ou seja, o respeito que sentimos pela Lei moral, pelo mistério da primeira vida que veio a existir... ou pela ordem maravilhosa na qual funciona tanto este planeta   quanto o universo no qual  ele está inserido. Tudo isso testemunha a obra-prima  de uma grande e bondosa  divindade... que é o Deus da Bíblia e Jesus Cristo".

Pense bem: o mundo seria muito mais caótico do que é se todas as pessoas se convencessem de que de Deus não existe e nunca cobrará nada de ninguém.

E.A.G.

Compilações
Bíblia das Descobertas para Adolescentes, página 688, edição 2012, Barueri- SP (Sociedade Bíblica do Brasil).
Bíblia de Estudo Esperança, página 514, 2ª edição com notas revisadas 2012, São Paulo- SP (Edições Vida Nova).  
Bíblia Jovem, página 830, edição 2001, São Paulo- SP (Editora Vida).
Bíblia NVI Evangelismo em Ação: compilada por Ray Comfort, edição 2005, página 508, São Paulo (Editora Vida).

sábado, 16 de junho de 2018

Diferença entre o Fruto e os Dons do Espírito Santo


Por Abiezer Apolinário

O apóstolo Paulo, quando ensinou a igreja da Corinto e a da Galácia, ministrou verdades divinas que devem ser constantemente estudadas, para que não caiamos na situação da ignorância, como ele próprio disse: "Acerca dos dons espirituais, não quero, irmãos, que sejais ignorantes." (1 Coríntios 12.1). Às igrejas da Galácia, ele ministrou acerca do fruto do Espírito, outra grande bênção que não pode ser jamais esquecida pelo verdadeiro cristão (Gálatas 5.22). Entendo, porém, que está no capítulo 12 da primeira Carta aos Coríntios o mais completo estudo sobre a diferença  entre o fruto e os dons do Espírito, sendo este o texto bíblico em foco.

Não pode ser jamais esquecida a singularidade do assunto, pois Paulo não fala acerca dos "frutos", mas do "fruto", no singular. Assim é e deve ser dito sempre, no singular. Isso porque, diferentemente dos dons, o fruto é um conjunto de qualidades que o Espírito produz na vida do cristão, para que sua vida sirva de glorificação a Jesus. Por isso que Ele trabalha na vida do cristão para que seja produzido o "fruto", que não é constituído apenas de qualidades morais, mas, principalmente, espirituais. Um exemplo é a distinção espiritual entre calma e mansidão. A calma é uma atitude humana, resultante de esforço pessoal, de traços da personalidade ou de formação familiar. Enquanto a mansidão é uma ação do Espírito na vida do crente, cuja ação Paulo chamou de fruto.

O "fruto" é uma obra divina na vida do cristão, sendo ele gerado pelo Espírito em nós. Neste aspecto reside, talvez, a maior diferença entre o "fruto" e os "dons" do Espírito. Enquanto o "fruto" é gerado em nós, os "dons" são concedidos pelo Espírito.

A frutificação espiritual do cristão não se inicia com o batismo no Espírito Santo, mas tem seu início no momento da regeneração, da conversão do crente, a partir da qual ela é demonstrada através de três procedimentos:
1. na relação do cristão com Deus, através do amor, alegria, e paz;
2. na relação do cristão com seu irmão, através da longanimidade, benignidade e bondade;
3. e na relação do cristão consigo mesmo, através da fé, mansidão e temperança.
A prova bíblica maior, como base do acima exposto, é encontrada em 1 Coríntios 13.1-3: "Ainda que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos, e não tivesse amor, seria como o metal que soa ou como o sino que tine. E ainda que tivesse o dom de profecia, e conhecesse todos os mistérios e toda a ciência, e ainda que tivesse toda a fé, de maneira tal que transportasse os montes, e não tivesse amor, nada seria. E ainda que distribuísse toda a minha fortuna para sustento dos pobres, e ainda que entregasse o meu corpo para ser queimado, e não tivesse amor, nada disso me aproveitaria".

Atentemos para os detalhes do texto destacado, especialmente o versículo 2. Posso profetizar, conhecer todos os mistérios e ciências e operar maravilhas como, por exemplo, pela fé, transportar montes (dons), mas se não tiver amor (fruto), nada seria. Ou seja, como cristão, pode não me ter sido concedido nenhum dom, mas não posso deixar de frutificar no Espírito; posso até não ser batizado no Espírito Santo, mas não posso deixar de frutificar no Espírito.

Outro ensino importantíssimo ministrado por Paulo no texto em apreço é o que prova que frutificar no Espírito não é um ato espiritual isolado, mas é um processo de crescimento, pois assim está registrado no versículo 11: "Quando eu era menino, falava como menino, sentia como menino, discorria como menino, mas, logo que cheguei a ser homem, acabei com as coisas de menino". Por sermos humanos e limitados, precisamos frutificar no Espírito para superarmos todas as limitações humanos que nos impedem de chagarmos à plenitude espiritual, já que, como está dito nos 9 e 10 "Porque, em parte, conhecemos, e em parte profetizamos; Mas, quando vier o que é perfeito, então o que o é em parte será aniquilado".

Por este ensino, podemos aprender que devemos estar frutificando no Espírito, em autêntico processo de crescimento que somente terminará quando chegarmos "à estatura de varão perfeito", pois continua ensinando Paulo:"Porque agora vemos por espelho em enigma, mas então veremos face a face; agora conheço em parte, mas então conhecerei como também sou conhecido" (versículo 12, de 1 Coríntios 13).

O autor deste artigo é pastor, líder da Comissão Jurídica da Convenção Geral das Assembleias de Deus no Brasil (CGADB) e vice-líder da Assembleia de Deus em Salvador - BA. 
Fonte: Mensageiro da Paz, página 6, coluna Em Tempo, dezembro de 2016, Bangu, Rio de Janeiro -RJ (CPAD). 

quarta-feira, 13 de junho de 2018

Quem foi J.C. Ryle - biografia resumida

John Charles Ryle nasceu 10 de maio de 1816 e faleceu em 10 de junho de 1900. Foi o primeiro Bispo de Liverpool, da Igreja da Inglaterra.

Ryle nasceu em Macclesfield, foi educado em Eton e em Christ Church, Oxford.

Ele foi um atleta refinado que remava e jogava Cricket pela Oxford, onde ele alcançou um nível de primeira classe em História e Filosofia Greco-Romana tanto antiga quanto moderna e a ele foi oferecido uma comunhão universitária (posição de ensino) que ele declinou. Flho de um rico banqueiro, ele foi destinado para a carreira em política antes de responder ao chamado para o ministério ordenado.

Ele foi espiritualmente despertado em 1838 enquanto ouvia a leitura de Efésios 2 na igreja. Ele foi ordenado pelo Bispo Sumner em Winchester em 1842.

Depois de sustentar um pastorado em Exbury, Hampshire, ele tornou-se Reitor (Pastor Presidente) da Igreja de São Thomas, Winchester (1843), Reitor da Igreja de Helmingham, Suffolk (1844), Vigário da Igreja de Stradbroke (1861), Cânon Honorário da Igreja de Norwich (1872), e Deão da Igreja de Salisbury (1880). Contudo, antes de ocupar o último ofício, ele foi avançado para a nova sé de Liverpool, onde ele permaneceu até sua resignação, que tomou lugar três meses antes de sua morte em Lowestoft.

Sua nomeação para Liverpool foi recomendação do primeiro-ministro, que estava deixando a chefia de governo, Benjamin Disraeli. Foi em 1880, com 64 anos de idade, ele tornou-se o primeiro bispo de Liverpool.

Em sua diocese, ele exerceu um ministério de pregação vigoroso e franco, e foi um fiel pastor em seu clericato, exercendo cuidado particular sobre retiradas de ordenação. Ele formou um fundo de pensão para o clericato de sua diocese e construiu mais de quarenta igrejas. A despeito da crítica, ele aumentou as côngruas do clericato antes de construir uma catedral para sua nova diocese.

Ryle combinou sua presença comandante e defesa vigorosa de seus princípios com graciosidade e calor em suas relações pessoais. Muitos trabalhadores e trabalhadoras compareceram às suas reuniões de pregações especiais, e muitos tornaram-se cristãos.

Ryle foi um forte sustentador da escola evangélica e um crítico do ritualismo. Ele tornou-se um líder da ala evangélica na Igreja da Inglaterra e foi notório por seus ensaios doutrinários e seus escritos polêmicos.

Inteiramente evangélico em sua doutrina e intransigente em seus princípios, J.C. Ryle foi um escritor prolífico, um vigoroso pregador e um pastor fiel. Entre suas obras mais longas são Christian Leaders of the Eighteenth Century (1869), Expository Thoughts on the Gospels (7 vols, 1856-69), Principles for Churchmen (1884), e Santidade.

Retirou-se em 1900, aos 83 anos, e morreu depois no mesmo ano. Está enterrado na Igreja de Todos os Santos, em Childwall, Liverpool. Seu segundo filho, Herbert Edward Ryle também foi um bispo anglicano posteriormente.

Fonte:  http://www.projetoryle.com.br/quem-foi-o-bispo-ryle/

As 7 postagens mais acessadas na semana

As 7 postagens mais acessadas nos últimos 30 dias

As 7 postagens mais populares (geral - desde 12 de junho de 2007)

▲ Clique na imagem para retornar ao topo do blog.

Bola colorida na areia da praia. By Eliseu Antonio Gomes

Bola colorida na areia da praia. By Eliseu Antonio Gomes
Cidade Ocean - Praia Grande - São Paulo/SP - Brasil.