Objetivo

Este site tem a finalidade de, com toda a simplicidade das pombas, prudentemente, mostrar o que o crente em Jesus espera. Reflexão. Informação. Opinião. Fotografia. Troca de ideias. Blog idealizado por Eliseu Antonio Gomes. Criado em 12 de junho de 2007.

Select the language

Arquivo | 13 anos de postagens

Pesquisar este blog

sábado, 3 de agosto de 2019

A Mordomia dos Dízimos e Ofertas

Por Eliseu Antonio Gomes

INTRODUÇÃO

No idioma do Novo Testamento, o termo mordomia é "oikonomos". Significa "o maior de uma casa", isto é, a supervisão dos negócios de uma casa. Em outras palavras, o mordomo é a pessoa que administra os bens do seu senhor. Ele é o responsável geral pelos serviços, empregados, compras, manutenção, alimentação e finanças. No sentido bíblico, a mordomia é usada figurativamente para ilustrar o papel do crente como administrador dos negócios de Deus aqui na terra (Lucas 6.42). Deus coloca sobre o homem a responsabilidade pelo manejo correto de todos os recursos que permite estar em suas mãos (Mateus 15.25; Lucas 19.13).

_______
Artigo relacionado:
EBD - A Mordomia do Tempo
_______

A mordomia cristã eleva o crente para um nível dimensional mais excelente, onde a confiança e a fidelidade são a base do relacionamento entre ele, a igreja e Cristo. Quando o crente é uma pessoa que colabora financeiramente, fazendo isso de modo voluntário, desempenha o seu papel de mordomo. Esta atitude é uma oportunidade especial, além de exercitar sua fé, agradece a Deus ao se engajar em projetos que a comunidade cristã da qual faz parte está desenvolvendo.

I - AS FONTES DE RECURSOS DA IGREJA LOCAL

1. Dízimos e ofertas.

O assunto mordomia na questão das finanças é um assunto que não deve ser evitado. É de extrema relevância não se omitir sobre o assunto dízimos e ofertas, pois observamos muitas interpretações errôneas a respeito. É preciso ensinar que a entrega dos dízimos e ofertas não é uma obrigação, precisa ser feito com alegria, gratidão e reverência. O descuido com este tema tem como consequência transformar novos convertidos em crentes não amadurecidos na fé cristã. A falta de ensino faz com que a pessoa recém-convertida não descubra o seu compromisso como servo de Deus e o prejudica, pois ao não contribuir perde as bênçãos que o Senhor promete conceder aos contribuintes.

O cristão precisa ser uma pessoa consciente e produtiva. É um erro não entender que a obra de Deus depende do seu envolvimento, que precisa de recursos financeiros. A fonte desses recursos da igreja local são os dízimos e as ofertas. Sem eles, a obra missionária, os trabalhos sociais não acontecem e os obreiros de tempo integral, junto com sua família, sofrem.

Sobre o salário de obreiros envolvidos na obra de Deus em tempo integral, Paulo escreveu o seguinte:
• 1 Coríntios 9.11.  "Se nós semeamos entre vocês as coisas espirituais, será muito recolhermos de vocês bens materiais?"
• Gálatas 6.6. "Mas aquele que está sendo instruído na palavra compartilhe todas as coisas boas com aquele que o instrui."
• 1 Timóteo 5.18. "Pois a Escritura declara: “Não amordace o boi quando ele pisa o trigo.' E, ainda: 'O trabalhador é digno do seu salário."
É triste saber que há quem pense que desde que já está salvo, importa apenas satisfazer seus interesses pessoais, prejudicando assim o crescimento do reino. Não é aceitável haver no coração do cristão avareza e ganância. A mordomia dos dízimos e ofertas está fundamentada nos valores de liberalidade e coração grato. Não pode haver dúvida que, embora Deus prometa abençoar, a disciplina dos dízimos e das ofertas nada tem a ver com barganha ou coisa parecida.

1.2. A respeito dos dízimos

A palavra hebraica traduzida ao idioma português como dízimo é "ma´aser" e a grega é "deka", significam "a décima parte". Na lei de Deus os israelitas tinham a obrigação de entregar a décima parte da sua renda como sinal de gratulação pelas bençãos que Senhor dava a eles (Levíticos 27.30-32; Números 18.21-26; Deuteronômio 14.22-29).

Levítico 27.30-33 apresenta a regra sobre a obrigatoriedade existente aos israelitas; Deus ordenou que entregassem dízimos aos sacerdotes da religião judaica. Eles eram obrigados a entregar dízimos sobre toda a sua produção, seus grãos, fruto das árvores e gado. Se fosse possível obter a décima parte desta produção, qualquer que fosse, deveriam ficar com noventa por cento da colheita. Agindo assim, os judeus reconheciam que Deus era o dono das suas terras, aquele que lhes dava os frutos e que eles mesmos eram seus arrendatários e dependentes dele. Desta maneira, os judeus lhe davam graças pela abundância que tinham e suplicavam a sua dádiva na continuação da abastança.

O animal que já havia sido entregue ao sistema religioso como dízimo, depois que tivesse passado por baixo da vara, ou bordão, do pastor, não havia incentivo algum para ser devolvido ao dizimista, ainda que fosse oferecido pelo proprietário algo melhor em troca. Mas, quando o dono do bicho desse um quinto à mais do valor do seu dízimo, a troca de animais era permitida, e os dois animais passavam a ser considerados consagrados e o que serviu de troca não poderia mais ser resgatado.

1.3. Ai dos líderes escandalizadores (Lucas 17.1-2).

Ao ler e estudar a Bíblia, o crente aprende a honrar ao Senhor" (Provérbios 3.9). Ao suster e abastecer os ministros - que trabalham em tempo integral na igreja - ele age com disposição gerada na pessoa do Espírito Santo que fez o convencimento ao partilhamento através do conhecimento adquirido pelo contato com as Escrituras Sagradas (1 Coríntios 9.14).

A liderança evangélica não pode esquecer que o objetivo da entrega das contribuições é a promoção do Reino de Deus, estritamente para a disseminação do Evangelho no mundo (1 Coríntios 9.4-14; Filipenses 4.15-18; 1 Timóteo 5.17, 18) e socorrer os necessitados (Gálatas 2.10).

O enriquecimento desordenado de pastores evangélicos é observado por Deus e por crentes e descrentes. Eles não têm o temor do Senhor e nem sentem vergonha de se apoderar do dinheiro que não lhes pertence. Sobre essa situação reprovável e vergonhosa, como mordomo de Deus o cristão, prudente como a serpente, deve se perguntar: "Para onde vão os dízimos e ofertas?" Permanecendo simples como as pombas, se recusar a ser financiador desse tipo de escândalo (Mateus 10.16). Como mordomo do Senhor, o cristão precisa zelar pelo que Deus lhe confiou, para evitar que os lobos se estabeleçam no meio do rebanho de Jesus. É preciso se afastar dos homens réprobos e servir ao Senhor em uma igreja cujo dirigente é alguém fiel ao Bom Pastor, fazer parte de igrejas onde aquele que pastoreia usa o recurso entregue pela membresia para zelar pela estrutura de templos e construir novos templos, sustentar missionários e socorrer os necessitados.

2. O cuidado com recursos externos.

Os recursos financeiros de que a igreja local necessita não devem ser provenientes de governos, de órgãos públicos ou de organismos financeiros. Toda vez que algum obreiro resolveu conseguir dinheiro para a igreja em fontes estranhas ao que a Bíblia recomenda, acarretou problemas para seu ministério e para os irmãos.

3. Outras fontes de recursos.

Não é errado a igreja local, através de uma instituição social, como uma associação beneficente, um centro social, uma creche, ou um hospital, instituídos legalmente, receber recursos que lhe sejam oferecidos pelo Poder Público para obras sociais, por exemplo, desde que isso não implique em compromisso político ou de outra ordem. Centros espíritas, terreiros de macumba, creches, hospitais e outras instituições, recebem subvenções, por que não haver para as igrejas evangélicas? O que não deve aceitar é a concessão de recursos públicos para atividades como evangelismo, ensino, adoração, louvor etc. O financiamento das atividades da igreja local deve ser proveniente das fontes legítimas indicadas na Palavra de Deus, que são os dízimos e as ofertas dos crentes.


II - A BASE BÍBLICA PARA OS DÍZIMOS E AS OFERTAS

1. Os dízimos no Antigo Testamento.

1.1. O gesto de agradecimento do patriarca (Gênesis 14.14-20).

Melquisedeque, considerado um tipo de Cristo, era rei de Salém e sacerdote do Deus Altíssimo. Salém foi o primitivo nome de Jerusalém, cuja primeira menção bíblica está nesta narrativa. O significado do nome Melquisedeque é rei da justiça, e a palavra Salém se assemelha ao termo hebraico que quer dizer paz (Hebreus 7.1-6). O rei e sacerdote trouxe pão e vinho, para revigorar Abrão e seus soldados cansados devido a batalha que haviam participado, parabenizando-os pela sua vitória. Sendo sacerdote do Deus Altíssimo, abençoou Abrão, o que podemos imaginar que tenha sido, para Abrão, um alívio maior do que tinham sido o seu pão e o seu vinho. Em resposta, Abrão deu-lhe o dízimo de tudo, isto é, dos despojos como uma retribuição pelas suas atitudes de respeito e gentileza (Hebreus 7.4).

Abrão deu o dízimo de tudo para Melquisedeque; mais tarde Deus o abençoou em tudo (Gênesis 14.18-20; 24.1). O patriarca foi assinalado entre todas as pessoas de todos os tempos com o título amigo de Deus (2 Crônicas 20.7; Isaías 41.8; Tiago 2.23). Tal amizade foi honrada por ambos os lados e ainda hoje é uma inspiração para a cristandade.

A expressão "casa de Deus" aparece duas vezes no capítulo 28 de Gênesis, nos versículos 17 e 22. Esta passagem bíblica é atinente ao episódio em que Jacó fez seu voto de que entregaria o dízimo a Deus.

1.2. O dízimo para assistência social: Deuteronômio 26.12-15; Jeremias 22.3; Malaquias 3.5).

De três em três anos, havia entre os judeus a recomendação do Senhor para que os dízimos recolhidos fossem destinados aos levitas, estrangeiros, órfãos e viúvas. Após isso, a recomendação do Senhor era para que eles agradecessem por terem entregado a parte da colheita, que pertence a Deus, aos levitas, órfãos e viúvas, por não terem retido para uso pessoal o dízimo. Depois disso; então, deveriam pedir que lá da morada celeste o Senhor olhasse para eles e abençoasse o território israelita, mantendo-o como nação que mana leite e mel (expressão da tradução bíblica Almeida Revista e Corrigida no versículo 15). Ao pé da letra, no texto hebraico, "terra que mana leite e mel" é uma maneira de dizer que se trata de uma terra muito rica, cheia de fartura. Veja a descrição deste termo em detalhes lendo Deuteronômio 8.7-10.

1.3. Levítico 26.12-16.

Os versículos 11 ao 13 apresentam os termos da aliança que Deus fez com o seu povo, aborda a questão da desobediência, que tem como consequência castigos. Em 2 Coríntios 6.16, ao abordar a questão do crente ser o templo do Deus vivo e estar contaminado por influência dos pagãos, Paulo cita o texto contido no versículo 12, para explicar ao povo da nova aliança que a pessoa que se dedica por completo ao Senhor é abençoada: “Habitarei e andarei entre eles; serei o seu Deus, e eles serão o meu povo.”

1.4. Deus chamou a nação israelita ao arrependimento (Malaquias 3.10-11).

O profeta, na condição de porta-voz de Deus lembrou os israelitas que, além das outras transgressões daquele povo, eles retinham os dízimos e as ofertas, que deveriam ser entregues no templo judaico. Os conterrâneos de Malaquias estavam sendo desobedientes à Lei dada a Moisés (Levíticos 27.30-31; Deuteronômio 12.18; 14.28-29), e com essa atitude de desobediência consciente atraíam maldição sobre si mesmos. Contudo, se voltassem a contribuir para a manutenção da obra divina, poderiam comprovar as bênçãos sem medida da parte do Senhor. Nesta profecia, o Todo Poderoso disse que repreenderia o devorador nas plantações agrícolas, acabaria com a esterilidade na vida financeira e faria de seus servos pessoas prósperas e abençoadas.

2. O dízimo no Novo Testamento.

Não é possível afirmar que o crente que não traz o dízimo para o templo está com a salvação comprometida. Podemos pensar que o crente que não traz o dízimo para a manutenção do templo certamente não tem senso de responsabilidade com as coisas que envolvem a obra de Deus, no sentido das necessidades materiais, tais como manutenção de obreiros em tempo integral, ajuda aos necessitados, viúvas, órfãos etc.

Em entrevista para a revista Ensinador Cristão, o pastor e teólogo Elinaldo Renovato lembra que a salvação é resultado da fé em Jesus. Só Cristo pode salvar o homem (João 14.6). A salvação tem origem na graça e não em obras (Efésios 2.8-10). Renovato conclui seu raciocínio dizendo que o crente que não é fiel nos dízimos pode não perder a salvação, mas certamente perde as bênçãos prometidas por Deus para os dizimistas fieis; perde galardões nos céus pela falta de gratidão e amor pela manutenção do ministério cristão (Malaquias 3.8-10).

Cheio de razão, um poeta brasileiro da nossa contemporaneidade, escreveu: "Quem ama, cuida". Se o crente ama ao Senhor e ao próximo, põe-se a pensar sobre a questão de manter o templo no qual congrega, aberto, em boas condições para recebe bem as almas que ainda não conhecem o Salvador. Procura os melhores meios para colaborar, pois ali é o local em que se reúne com irmãos para ser edificado espiritualmente e conviver fraternalmente com a comunidade que possui a mesma fé que ele.

O apóstolo Paulo não coagia as pessoas a contribuírem, não as obrigada a dar por senso de obrigação mas por ato voluntário, sincero, como manifestação do amor sincero que havia em seus corações. Para isso, usou como exemplo incentivador a diligência dos macedônios para conscientizar os coríntios sobre a necessidade de ajudarem o ministério cristão financeiramente (2 Coríntios 8.8-15). Porém, o exemplo perfeito para ser alguém que se dispõe a dar é Jesus Cristo, que aceitou deixar "as riquezas" do céu e "se fez pobre" (Mateus 8.20). Paulo lembrou aos filipenses: "Tenham entre vocês o mesmo modo de pensar de Cristo Jesus, que [...] assumindo a forma de servo, [...] ele se humilhou, tornando-se obediente até a morte, e morte de cruz" (Filipenses 2.5-8). Ele fez isto para que possamos receber as riquezas espirituais, para que pudéssemos ter a paz com Deus (2 Coríntios 5.19) e experimentar nesta vida terrestre a paz de Deus e posteriormente continuar gozando dessa paz no céu (João 14.27. Filipenses 4.7).

O dízimo é do Senhor. O dizimista reconhece que o Senhor é dono de tudo, do Universo, do planeta Terra, dos seres humanos e seres irracionais, enfim, de tudo que está criado (Salmos 24.1; Levíticos 27.30-32; Salmo 24.1) e que tudo provém dEle (1 Crônica 29.14). Por entender que inclusive ele pertence a Deus, o cristão não realiza sua entrega em caráter obrigatório, como se a atividade fosse uma determinação legal ou religiosa. Sua prática como contribuinte é baseada na firme convicção de que Deus merece os primeiros e melhores produtos do seu trabalho.

2.1 Uma polêmica sobre cristãos dizimistas (Mateus 23.23).

Aplicar a disciplina de ofertas e dízimos é tão importante hoje quanto era no Antigo Testamento. Atualmente, com a expansão das igrejas, incumbidas de irem ao mundo pregando e ensinando o Evangelho, elas carecem das contribuições generosas dos crentes. É importante contribuir, pois o crente que não possui o dom de evangelista, é participante da missão evangelística tanto quanto aquele que está em atuação no campo missionário. Todos têm oportunidade de se manter engajados, pois a obra não é de homens, é de Deus (1 Coríntios 3.6).

Uma das polêmicas sobre o dízimo é a ausência de uma ordem específica sobre sua entrega no Novo Testamento. O Senhor não dirigiu palavra sobre dízimo aos seus seguidores. Jesus mandou entregar o dízimo, mas ao fazer isso, recomendou que se entregasse a contribuição no templo judaico; a recomendação foi uma orientação para judeus que se apresentavam como pessoas religiosas ultra zelosas pela prática do judaísmo; elas não eram seguidoras de Jesus.

2.2. Quem eram os escribas e quem eram os fariseus?
• Escribas. No Antigo Testamento, o escriba (sopher, em hebraico) era um inspetor (2 Crônicas 26.11; 2 Reis 25.19; ver também Gênesis 41.49 e 2 Samuel 24.10). Uma espécie de oficial real ou um secretário com o nível de ministro (2 Samuel 8.17; 1 Reis 4.3; 2 Reis 18.18). Poderia servir como tesoureiro do estado (2 Reis 12.10). No idioma original do Novo Testamento, encontramos o termo "grammateus" como o equivalente à escriba. Gramatheus está associado com a palavra alfabeto. Era posto de secretário ou assistente, função de prestígio, como o oficial que trabalhava como escrivão da cidade de Éfeso (Atos 19.35). A importância da Lei de Moisés estimulava-os a estudar e transmitir o conteúdo das Escrituras aos israelitas. A princípio, esta atividade era encargo dos sacerdotes. Esdras era um sacerdote, mas também um antigo escriba, versado nas palavras e mandamentos do Senhor, que estudou e ensinou a Lei aos israelitas (Esdras 7.6, 11). Às vezes, o escriba agia como um secretário que escrevia uma carta (Esdras 4.8); enquanto em outras ocasiões era alguém que transcrevia as Escrituras, de maneira desleixada (Jeremias 8.8,9), ou temente a Deus como Baruque (Jeremias 36.26,32). 
Através dos escribas, as leis religiosas e civis foram aplicadas à vida do povo, e, simultaneamente, as interpretações e decisões dos escribas tornaram-se leis orais e tradições enraizadas na cultura israelita.
• Fariseus. A palavra fariseu é "parash", que significa separar ou dividir. A origem deste grupo religioso é obscura. O grupo de fariseus era um grupo separado, acredita-se que vivia em uma espécie de clausura, apartados fisicamente da sociedade. A separação da qual o nome se refere poderia ser a separação geral das impurezas do mundo ou ligada a alguma situação histórica. Poderia ser por causa de uma vida de rígida abstenção dos costumes pagãos na época de Esdras e de Neemias; ou a recusa de adotar costumes gregos mesmo sob a ameaça de morte na época e Antíoco Epifânio; e, ainda, devido a ruptura que aconteceu em 165 a.C., após a reconquista do Templo, entre os macabeus. Podem ter sido o grupo de “piedosos”, também conhecido como Chasidim, que estavam dispostos a lutar pela liberdade religiosa, mas não pela independência política. Estas possibilidades são apenas teorias, não há comprovação para sustentar como fato comprovado.
Jesus criticou um escriba e um fariseu porque eles eram hipócritas e contraditórios. A recomendação do judaísmo era entregar o dízimo de rebanhos, vinho, grão e óleo (Levíticos 27.30-33; Números 18.21-32; Deuteronômio 14.22-29; 26.12-15; Malaquias 3.8-12), com o objetivo de manter o sustento dos levitas, manutenção do templo judaico e ajuda ao pobres. Mas ambos acrescentavam ao mandamento o dízimo de ervas, com motivação de fazer transparecer comportamento de religiosidade acima da média daquela sociedade, contudo, desprezavam o mais importante da Lei, a justiça ou juízo, o socorro ao necessitado e a fé.

A contra-argumentação para isso é que quase nenhum texto do Novo Testamento poderia ser considerado doutrina se não houvesse indicação expressa de que Jesus ministrava apenas para judeus. Por exemplo, no Sermão do Monte, Ele falou para os judeus, mas o seu texto encerra o cerne da doutrina cristã.

3. As ofertas nas Escrituras.

Após perceberem o quanto tinham se afastado dos mandamentos de Deus, os judeus decidiram estabelecer um firme concerto com Ele. Então, todo o povo voltou-se para o Senhor e fez um acordo, por escrito, assumindo o compromisso de viver em conformidade com a Lei de Deus (Neemias 9.38-10.39). Os princípios morais e éticos da sociedade, sempre contrastam como os ensinos da Bíblia. Mas, os cristãos que forem sinceros e aprenderem a se deixar guiar somente pelo que está escrito na Palavra de Deus jamais tropeçarão nem se deixarão influenciar pela filosofia desse mundo perdido.

III. A MORDOMIA DOS DÍZIMOS E DAS OFERTAS NA IGREJA LOCAL

1. Como deve ser a entrega dos dízimos e das ofertas na igreja local.

A mordomia do cristão quanto ao dízimo deve ser praticada considerando o texto de Provérbios 3.9-10. O cálculo de dez cento deve ser feito sobre o valor bruto, porque entende-se que o princípio bíblico que norteia a entrega do dízimo no Antigo Testamento é o das "primícias" (Provérbios 3.9-10).

Quando o crente recebe algum sinal de misericórdia da parte de Deus, é adequado que expresse seu reconhecimento por meio de algum ato especial de amor reverente. Deus sempre deve receber o que lhe é devido, daquilo que temos. Um bom mordomo de Deus, antes de tudo, é um bom servo de Deus. Um bom servo é fiel ao Senhor em todos os sentidos. Como mordomo, o crente dedica tempo ao serviço dEle, vive em amor e santidade. Faz tudo em nome do Senhor; como para o Senhor e não para homens e sempre visa a glória de Deus em tudo que faz (Colossenses 3.17, 23; 1 Coríntios 10.31).

O crente em Cristo deve aprender a honrar ao Senhor com sua fazenda, de maneira voluntária e reservada. A prestação de honra a Deus só é possível se a contribuição financeira ocorre por livre vontade, sem nenhuma pressão humana. Quando há constrangimento para contribuir, o contribuinte não presta honra ao Criador, atende a um individuo procurando ser agradável a ele. Assim, é muito provável que nesta ação não exista a fé genuína, não há gratidão e amor ao Senhor. 

2. O dízimo dos empresários cristãos.

O dízimo do empresário deve ser com base na renda. Faturamento não é renda, pois inclui os custos e o lucro; o faturamento é da empresa. O lucro é o excedente sobre o custo, que permite o reinvestimento nos negócios através do Capital de Giro. O empresário deve entregar o dízimo de "sua renda", que pode ser do Pró-Labore ou do que é mais comum, da "retirada" que ele usa para sua manutenção e de sua família.

O que ele retira é a sua renda. É desse montante que deve extrair o valor do dízimo. Assim como o assalariado, o dízimo do empresário deve ser do "bruto", do total de sua renda ou retirada, e não do líquido (Provérbios 3.9-10).

CONCLUSÃO

"O que a pessoa semear, isso também colherá. Mas aquele que está sendo instruído na palavra compartilhe todas as coisas boas com aquele que o instrui" - Gálatas 6.6. 

Exercer a generosidade constitui-se um privilégio mais que especial. Há uma promessa muito grande de prosperidade para o que abre a mão para a obra de Deus e para ajudar as pessoas. Acerca do indivíduo generoso, a Bíblia diz: "Uns dão com generosidade e têm cada vez mais; outros retêm mais do que é justo e acabam na pobreza" (Provérbios 11.24). 

O que você faria se Deus pedisse a você para ofertar "tudo" o que tem, assim como fez a viúva pobre observada por Jesus? Dar tudo o que tem é difícil, mas é possível. Mas Deus não pede tudo, Ele pede uma pequena parte dos rendimentos. Ofertar quase tudo quando o orçamento é pouco, às vezes, também não é fácil de se fazer. Porém, se Deus pedir tal atitude, Ele providencia tudo. Não contribuir nada é sempre mais fácil, mas não é a decisão correta para quem ama a Deus. Precisamos sempre oferecer a Deus o nosso melhor e isso exige determinação.

E.A.G
_______

Compilação

Bíblia de Estudo do Expositor. Edição 2017. Páginas 254 e 255, Baton Rouge, LA, EUA (Ministério de Jimmy Swaggart).
Bíblia de Estudo NTLH. Edição 2015. Páginas 149, 1412. Tamboré; Barueri/SP (Sociedade Bíblica do Brasil (SBB).
Cobiça e Orgulho: Combatendo o desejo da carne, o desejo dos olhos e a soberba da vida. Natalino das Neves. 1ª edição 2019. Páginas 59 e 60. Bangu, Rio de Janeiro/RJ (Casa Publicadora das Assembleias de Deus - CPAD).
Comentário Bíblico Mattew Henry - Volume 1. Antigo Testamento: Gênesis a Deuteronômio. 1ª Edição 2010. Página 442. Bangu, Rio de Janeiro/RJ (Casa Publicadora das Assembleias de Deus - CPAD).
Ensinador Cristão. Ano 20, número 79. Páginas 25, 26, 33, 87. Bangu, Rio de Janeiro/RJ (Casa Publicadora das Assembleias de Deus - CPAD).
Lições Bíblicas: Discipulado e Integração, o segredo para o crescimento da Igreja. Geremias do Couto. 1º trimestre de 1996. Lição 7: O Novo Crente e a Mordomia Cristã. Páginas 32 e 33. Bangu, Rio de Janeiro/RJ (Casa Publicadora das Assembleias de Deus - CPAD).
Série Comentário Bíblico. 1 e 2 Coríntios: Os Problemas da Igreja e Suas Soluções. Stanley M. Norton. 3ª Edição 2016. Página 226. Rio de Janeiro (Casa Publicadora das Assembleias de Deus - CPAD).
Tempo, Bens e Talentos: Sendo Mordomo Fiel e prudente com as coisas que Deus nos tem dado. Elivaldo Renovato. 1ª Edição 2019. Capítulo 7: A Mordomia dos Dízimos e Ofertas. Páginas 87 a 90 e 94. Bangu. Rio de Janeiro/RJ (Casa Publicadora das Assembleias de Deus - CPAD).

Nenhum comentário: