Research | Pesquisar artigos de Belverede

Select the language

quinta-feira, 10 de julho de 2014

Divórcio e novo casamento pela ótica da Reforma Protestante

Por Cristiano Santana

Sei que a questão do divórcio e novo casamento é um assunto que sempre gera debates acirrados, por isso nem quero entrar no mérito da discussão. Eu apenas gostaria de me endereçar àqueles que acreditam estar seguindo toda a tradição reformada ao defenderem o indissolubilidade absoluta do casamento, que se resume nisso: um cristão só está livre para novo casamento quando o seu ex-cônjuge morrer. 

Na verdade, a doutrina acima é muito mais católica do que reformada. Na Reforma do séc. 16, no esforço de retornar ao ensino bíblico, os protestantes rejeitaram a natureza sacramental do casamento, e com isso a indissolubilidade absoluta do casamento cristão. Com base na Bíblia, desenvolveu-se no campo protestante o consenso que o casamento é santo, e em princípio indissolúvel, mas que existem situações que rompem o laço matrimonial, e que permitem o divórcio e novo casamento. 

Lutero, João Calvino, Zwinglio, Melanchton e outros, se pronunciaram a favor do divórcio, como último recurso nos seguintes casos: infidelidade, recusa em se manter relações sexuais, abandono do casamento, diferenças religiosas irreconciliáveis, perigo de vida, insanidade. Em Estrasburgo até o consentimento mútuo era aceito (abandono do casamento por ambos).

 Olhem o que diz a Confissão de Westminster, uma das últimas confissões formuladas durante a Reforma:

"O adultério ou a fornicação cometidos depois de um contrato, sendo descoberto antes do casamento, dá à parte inocente justo motivo de dissolver o contrato; no caso do adultério depois do casamento, à parte inocente é lícito propor divórcio, e, depois de obter o divórcio, casar com outrem, como se a parte infiel fosse morta."

Encerro dizendo, mais uma vez, não quero discutir se o novo casamento é válido ou não. Mas creio ter atingido o meu propósito ao demonstrar que a doutrina da indissolubilidade do casamento não tem nada de reformada, mas é de origem católica.

Fonte: Cristiano Santana - Uma Visão do Mundo

2 comentários:

Rogerio Cavalcanti disse...

Bom dia!
A questão do divórcio obviamente por motivos que tornaram o casamento impossibilitado de dar sua continuidade é e deveria ser mesmo indiscutível.
Muitas pessoas o aceitam só no caso de adultério mas, há outros casos que devem serem observado como o caso de mulheres vitimas de agressões do próprio marido, algumas colocando até sua vida em risco.
É triste, causa um rombo, um dano terrível na família mais seria cruel orientar uma mulher a permanecer com um agressor, monstro, covarde até seu ultimo dia.
Quem acompanha jornalismo sabe que alguns casos terminam com morte ou prisão do agressor.
Penso que tanto a mulher quanto o homem devem lutar para manter sua família unida das melhores formas possíveis e da mesma forma ter a sensibilidade pra perceber se a relação é recuperável ou não!?
Grande abraço!
Tema muito interessante!

Conselheiro Cristao disse...

Entre tantas coisas que se falam a respeito eu digo que realmente o divórcio não deveria existir no casamento, como tabém as agressões e o adultério também nao deveria existir e um casamento!

As 7 postagens mais acessadas na semana

As 7 postagens mais acessadas nos últimos 30 dias

As 7 postagens mais populares (geral - desde 12 de junho de 2007)

▲ Clique na imagem para retornar ao topo do blog.

Bola colorida na areia da praia. By Eliseu Antonio Gomes

Bola colorida na areia da praia. By Eliseu Antonio Gomes
Cidade Ocean - Praia Grande - São Paulo/SP - Brasil.