Research | Pesquisar artigos de Belverede

Select the language

quinta-feira, 30 de junho de 2011

Paulo Miklos na Mix TV em Dose Tripla



Dosagem triplicada

A Mix TV parece querer entrar por nova fase. De mera passadora de videoclipes “made in USA” para programas com substância da realidade brasileira. Foi o que eu assisti no recém lançado Dose Tripla.

Tive boa impressão. Vi e gostei, mas em partes.

Gostei por ser brasileiro, paulista e paulistano. A atração tem Paulo Miklos (vocalista dos Titãs e ator), e os jovens Gustavo Braun e Marina Santa Cruz.

O formato do programa não é algo original. Eu já vi a mesma fórmula no SBT, com Hebe Carmargo, Ratinho e Jorge Kajuru. O trio apresenta e comenta notícias recentes.

Achei interessante assistir o roqueiro como apresentador de televisão, e opinando sobre política, variedades, internet, ao lado de dois jovens. Aliás, segundo a produção do programa, os internautas têm vez também, mas não está claro se é interagindo ao vivo.

A parte chata do Dose Tripla foi o preconceito contra os cristãos. O trio criticou as posturas da deputada carioca Myrian Rios e do vereador paulistano Carlos Apolinário . Ambos foram considerados figuras retrógradas. fundamentalistas, só por não concordarem com privilégios para homossexuais.

Myrian Rios

Myrian Rios protestou contra a ditadura gay, que desejou via PEC implantar no Estado do Rio de Janeiro a imposição de homossexuais sobre a sociedade, tentar impor a proibição de demiti-los de seus empregos, caso os patrões tenham tal desejo.

Ora, pode-se demitir heterossexuais... Por que os gays, não? Que permaneçam cada um em suas vagas por competência profissional e não pela opção sexual.

Criticou-se o fato da deputada usar no mesmo discurso as palavras gay e pedófilo. Para Miklos, Gustavo e Marina, isso se configura em homofobia. Vamos pensar... E se a deputada tivesse feito associação das palavras heterossexual e pedófilo? Será que deveria ser acusada de heterofobia? É claro que não. Como também nem precisa esclarecer que não existe o menor sentido tal acusação impetrada neste episódio. Existe hetero pedófilo. Existe gay pedófilo. Vamos assumir essa realidade e viveremos em uma sociedade melhor

Carlos Apolinário

O vereador não é contra a Parada do Orgulho GLBT (Gays, Lésbicas, Bissexuais e Transgênicos) e nem contra homossexuais. Está lá nos anais da Câmara Municipal pronunciamentos dele comentando sobre sua convivência pacífica com homossexuais.

Apolinário apenas é contrário a permanência do evento na Avenida Paulista. Por quê? Porque, qualquer paralisação acarreta efeitos péssimos aos munícipes, não apenas para trânsito local, também afeta as áreas adjacentes importantíssimas. Na Avenida Paulista e suas adjacências existem vários pontos que jamais deveriam ter acessos bloqueados. São: Hospital das Clínicas, Hospital do Coração, Hospital Sírio-Libanês, Hospital Nove de Julho, Hospital Beneficência Portuguesa, Hospital Oswaldo Cruz e Hospital Santa Catarina.

Ora, não é pedir muito aos promotores da Parada Gay que procurem manter o caminho das ambulâncias liberado. Os paulistanos agradecem por essa sensilibiladade.

Conclusão

Com comentários desse jeito, cada dia que passa parece melhor assistir o televisor, e não a televisão. Sim, o aparelho sem as imagens e o som. Como se ele fosse uma moldura, mera peça ornamental. Desligado.

E.A.G.

Mais neste blog:

O grupo Titãs pelo avesso

Veja o preconceito do Titã Tony Beloto

Nenhum comentário:

As 7 postagens mais acessadas na semana

As 7 postagens mais acessadas nos últimos 30 dias

As 7 postagens mais populares (geral - desde 12 de junho de 2007)

▲ Clique na imagem para retornar ao topo do blog.

Bola colorida na areia da praia. By Eliseu Antonio Gomes

Bola colorida na areia da praia. By Eliseu Antonio Gomes
Cidade Ocean - Praia Grande - São Paulo/SP - Brasil.