Research | Pesquisar artigos de Belverede

Select the language

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

Dízimo cristão: ato voluntário e alvo de preconceito


Voluntariedade

"Cada um contribua segundo propôs no seu coração; não com tristeza, nem por constrangimento; porque Deus ama ao que dá com alegria" - 2 Coríntios 9.7.

Em muitas denominações evangélicas, inclusive nas Assembleias de Deus, os envelopes de arrecadação de dízimos, usam 2 Coríntios 9.7, pois tratam o dízimo como contribuição voluntária. Não é preciso ter muitos neurôrios e nem ter sinápse de gênio para entender que uma pessoa pode se voluntariar como dizimista. Quer contribuir com 10% de salário mensalmente? Sim. A proposta é feita e o cristão a aceita sem pressão.

Suposição para entender que dízimos não são obrigatórios

Joãozinho frequenta a igreja e é dizimista. Bebe a água mineral, usa o rolo de papel higiênico, usufrue do ar condicionado e coloca os filhos nas aulas gratuitas para aprender música de instrumentos musicais que a igreja oferece (sabendo que os professores são remunerados).

O Manezinho também frequenta a mesma igreja, mas não é dizimista. Bebe a água mineral, usa o rolo de papel higiênico, usufrue do ar condicionado e coloca os filhos nas aulas gratuitas para aprender música de instrumentos musicais que a igreja oferece (sabendo que os professores são remunerados).

Quando chega o final do mês, o pastor tem que arcar com as despesas. Faz isso graças as pessoas com consciência colaborativa. O Manezinho não será impedido de continuar na igreja, fazendo uso de tudo que há nela.

A cena é cômica, mas aponta para custos. De papel, de água. A igreja que frequento gasta mais de R$ 1.000,00 só com água encanada, todos os meses é essa média, sempre para mais. E muitos litros vão pela descarga do banheiro. Acho que quem não contribui ri disso. Acha engraçado tudo isso, mas Deus está vendo tudo. O coração ávaro não será tido por inocente. Não retenha dinheiro, a contribuição serve para manter a funcionalidade do templo em que adoramos a Deus.


O dízimo não salva o dizimista

Jesus nunca proibiu o ato de dizimar entre os cristãos. Os apóstolos não proibiram o ato de dizimar entre os cristãos. Pessoas contrárias ao ato de entregar dizimo, argumentam que os apóstolos não proíbiram diversos rituais, como uma forma de dizer que o dízimo fazia parte da Lei de Moisés, que teria terminado com a vigência dela. Um dos exemplos (opinião minha: argumento ridículo) é dizer que não há proibição ao sacrifício animal.

Está muito claro que nas páginas do NT, não é admitido nenhum tipo de propiciação, porque em Jesus todo sacrifício cruento teve sua total e integral finalização. Jesus Cristo é apresentado como o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo (João 1.36). Está escrito que o sangue de animais encobriam pecados, e o de Jesus, imolado no sacrifício da cruz em favor de toda a Humanidade, PURIFICA (limpa) o pecador do seu pecado (1 Pedro 1.18-22; 1 João 1.9).

Existe ensino bíblico mostrando que o ritual de sacrificar animais não agrada a Deus e nem funciona. Se não é agradável ao Senhor, porque fazê-lo? Deus entregou a Cristo como o ser para sacrifício perfeito, e este é o sacrifício que os cristãos dizimistas creem que é capaz de salvar o ser humano do pecado. Ler: Hebreus 10. capítulo inteiro.

O dízimo e a circuncisão

A comparação do dízimo com rituais legalistas: "E de novo protesto a todo homem, que se deixa circuncidar, que está obrigado a guardar toda a lei" - Galátas 5.3.

Gálatas 5 é o famoso texto sobre as obras da carne e o fruto do Espírito. lendo-o todo vemos que a apologia de Paulo é sobre a questão da não necessidade do homem cortar o prepúcio. Nada tem a ver com os dízimos, mas antidizimistas o usam de uma maneira forçada tentanto encaixar as contribuições de dez por cento. Não associemos dízimo com a circuncisão.

Em Atos 15 a circuncição está proibida e a questão do dízimo nem é mencionada. Por quê? Porque o dízimo não foi considerado prática atrelada com Lei de Moisés e a circuncisão sim. No NT a circuncisão é vetada e o dízimo não é. Estamos proibidos de cortar a carne mas não estamos proibidos de entregar dízimos na igreja.

O dízimo e a interpretação bíblica

A Dispensação da Graça está sob a égide da Lei de Cristo (1 Corintios 9.21; Gálatas 6.12). E, por essa lei precisamos seguir amando a Deus e ao próximo como a nós mesmos, praticar as coisas que edificam e desprezar as inconvenientes e que são dominadoras (1 Corintios 6.12; 10.23).

Para interpretar as Escrituras Sagradas, é necessário fazer a contextualização da cânon bíblico. Jamais ler um versículo e tirar conclusão apenas pelo que ler nele. É preciso analisar o conteúdo de Gênesis 1.1 ao Apocalípse 22.21, considerando as dispensações de cada época, pois a época importa muito sobre o que está escrito.

Por exemplo, Gênesis 14, trecho de Melquisedeque e Abraão, não está na Dispensação de Lei. Abraão entregou o dízimo para Melquisedeque antes da Lei de Moisés existir. Só 430 anos antes. Quase quatro séculos e meio antes de existirem sacerdotes levitas, trabalhando no templo judaico, Abraão e Jacó contribuíram com dízimos, ações consideradas atos de fé e adoração a Deus.

Por que eu irei considerar como se Abraão tivesse contribuído com dízimos por obrigação da Lei de Moisés? Não faz sentido. A contribuição de Abraão não foi destinada ao judaísmo. Não existiam judeus. Não existiam levitas. Não existia Moisés. E é isso que o escritor de Hebreus explica, ele considera o ministério de Melquisedeque mais importante, superior, ao ministério sacerdotal dos levitas.

Melquisedeque era um gentio, e é apresentado como sacerdote de uma linhagem sacerdotal sobrenatural. A linhagem sacerdotal de Melquisedeque é a mesma de Jesus, sacerdócio eterno. O sacerdócio de Melquisedeque é apresentado no NT como superior à ordem de sacerdotes levíticos (e Abraão é dizimista na ordem superior e não na levítica). 

Para quem Abraão entregou os dízimos? Ao sacerdote que pertencia a mesma ordem sacerdotal  de Jesus Cristo, linhagem sem começo e nem fim (Hebreus 5.10; 7.17). Portanto, os cristãos dizimistas entregam dízimos para a ordem sacerdotal de Cristo. Os dizimistas cristãos não entregam dízimos pensando no judaísmo. Dízimo cristão é uma prática totalmente sem associação com a Lei de Moisés. O sacerdócio de Melquisedeque e de Jesus é o de corações voluntários.

Me baseio em referências bíblicas que mostram exatamente isso: Salmo 110.4; Hebreus 5, capítulo inteiro, e Hebreus 7, capítulo todo

Já encontrei quem é contra o dízimo e demonstrou não saber diferenciar as várias dispensações (como analisar o dízimo sem conhecer as vigências dispensacionais?). Encontrei gente que pensasse que Abraão era contemporâneo de Moisés. Outro, não sabia que Melquisedeque era um gentio.

Não há mal algum em buscar esclarecimento. Vamos esclarecendo, não para ganhar IBOPE pessoal, mas para dar IBOPE ao conhecimento das Escrituras.

Na Dispenção da Graça, quem são os sacerdotes? Todos os salvos e remidos no sangue de Jesus, que não amam a mentira, não praticam o pecado, são reis e sacerdotes (Apocalípse 5.10).

O dízimo e as argumentação de antidizimistas que confundem templo do Espírito e a Eklésia (Igreja)

Quem é antidizimista, diga: não quero ser dizimista. É melhor que tentar fazer alguém pensar que o NT proíbe entregar dízimos, porque não existe um só texto bíblico que referende tal afirmação.

Percebo que a grande maioria das pessoas que são contra o sistema de dízimo, como fórmula de arrecadação nas igrejas, não são membros de nenhuma igreja. E, para tristeza deles, dizem estar fora porque são "templos do Espírito Santo". Ora, deveriam fazer um pequeno estudo bíblico para darem-se conta que Paulo falou sobre as duas coisas: templo e igreja coexistem!

Uma condição não anula a outra. mas eles costumam repetir "Se todos somos sacerdotes, cuidamos de que Templo mesmo? Que Templo é habitável por Deus?" Eles não se atém que o composto "templo do Espírito" se refere a nós, mas que lá no NT também existe o termo eklésia (igreja, o local físico da adoração a Deus coletivamente), que significa assembleia, ajuntamento de pessoas.

Jesus usou a palavra igreja (Eklésia) algumas vezes se dirigindo aos discípulos. Uma delas é a parábola das Cem Ovelhas, demonstrando que "Igreja" é um ajuntamento, uma coletividade. Eu sou templo do Espírito, e você também, e devemos adorar a Deus na Eklesia (Igreja). É claro que, como membros das igrejas, deveremos manter o lugar presenciável, é preciso mantê-los cobrindo os custos diários. O dízimo é uma das formas para fazer isso.

Na Dispensação da Graça, Jesus Cristo "deu uns para apóstolos, outros para profetas, outros evangelistas, outros pastores e outros mestres" (Efésios 4.12). Qual objetivo? A edificação dos santos. Dizimistas cristãos, sabedores disso colaboram financeiramente, não porque olham os líderes pela perspercitiva sacerdotal.

Jesus é o Sumo Sacerdote e Sumo Pastor da Igreja (Hebreus 5.7-10; 1 Pedro 5.4). Sumo, quer dizer o maior. Cristo está presente em todas as reuniões cristãs, prometeu estar presente até em reuniões pequenas, no meio de dois ou três cristãos que se reunirem em nome dEle. O dizimista entrega o dízimo por amor e fé, crendo que Ele cumpre o prometido, e recebe a contribuição voluntária que é entregue nas reuniões de culto a Deus.

Conclusão

Falamos de dízimos, e a realidade é que o membro de igreja, via de regra, não é pressionado a ser contribuinte. Se não quer, não há cobranças sobre ele. Caso você, cristão, esteja em uma igreja em que o pastor faz pressão para que contribua além do que seu coração está disposto, saia desse local e vá adorar a Deus em outro ministério, escolha estar com um líder que age de acordo com a proposta bíblica da voluntariedade.

Sou membro e pretendo morrer como um membro. Nunca me pressionaram. Tenho apenas 26 anos como evangélico. Será que antes de chegar às três décadas completas algum pastor me pressionará?

O dízimo não é um ato de coleta obrigatória. Dízimo é coisa de cristão, deve ser praticado sem pressão, com liberalidade e por pessoas inteligentes, conscientes da necessidade da manutenção do templo evangélico, objetivando promover evangelismo, missões, assistência social.

Não considero uma hermenêutica correta usar o texto bíblico Malaquias 3.8-10 para concientizar os cristãos a colaborarem com dízimos. Essa passagem é destinada aos judeus. Sacerdotes (Malaquias 2.1) e o povo (Malaquias 3.9). É preferível que se use Gênesis 14, Gênesis 28, Salmo 110.4, Hebreus 5, Hebreus 7. Estes trechos bíblicos apontam à contribuição, na forma de dízimo, como um ato voluntário.

O objetivo deste artigo não é convencer ninguém a se transformar em dizimista. O conteúdo que está criado é dirigido aos dizimistas convictos (e são muitos), aqueles que pretendem saber um pouco mais sobre o que há de informação bíblica sobre o dízimo. Não julgo que saiba muito, mas gosto de compartilhar o que sei. Por mim, todo aquele que é antidizimista, pode gastar todo o dinheiro que tem numa lanchonete McDonald's ou Bob's, ou quaisquer outras do gênero. Deus não se agrada de contribuições feitas por quem tem o coração fechado 

O mínimo que se espera de quem queira opinar é que conheça o alvo da sua opinião. É muita falta de bom senso pensar e descrever os contribuintes via dízimos como pessoas idiotas. Ofender dizimistas como massa de monobra é atitude inconcebível. Eles não são isso. São pessoas independentes financeiramente e livres para fazer o que quiserem com o dinheiro em mãos.

O antidizimista, aquele que faz ativismo contra o dízimo, precisa estar consciente que é desprezado em sua postura, por todos os dizimistas, porque opinam sobre a decisão pessoal de quem não lhes pede nenhum parecer. Nenhum dizimista elegeu críticos do dízimo para prestar assessoramento financeiro. Nenhum antidizimista  tem aval para falar ou decidir em nome de dizimista.

Percebo que os dizimistas que conheço sentem-se bem colaborando com 10% do salário. A vida é deles, então, não podemos incomodá-los nesta decisão contributiva. Ninguém tem direito de interferência nesta questão. Respeitemos os dizimistas.

E.A.G.

8 comentários:

Pr. Genivaldo Tavares de Melo disse...

òtimo comentário. Espero que os anti tudo, leiam e se coloquem na sua posição em humildade. Não quer contribuir, não contribua, todavia, não tente dissuadir que faz isso com alegria de coração.

André Ricardo disse...

Olá irmão Eliseu,

A Paz do Senhor!

Muito bom seu texto sobre o dízimo! São poucos os que têm coragem para falar tão claramente sobre o tema. Infelizmente, a maioria prefere forçar para que todos "paguem" o dízimo...

Também já escrevi sobre este tema há algum tempo. Dê uma olhada em:

A Batalha do Dízimo

Fique com Deus

Sem. André Ricardo

Professor Jocimar Pequeno disse...

Interessante o Artigo.

Gosto da orientação que desperta a voluntariedade: "Cada um contribua segundo propôs no seu coração; não com tristeza, nem por constrangimento; porque Deus ama ao que dá com alegria" - 2 Coríntios 9.7.

Nem sempre isso que ocorre. Essa de dar o que propõe o coração é anulada quando se impõe 10%. Sem Tristeza? Será que estamos vendo o que se faz? E o constrangimento? É tanta história.

Até o devorador em Malaquías é tratado como demônio.

O dízimo não é obrigatório, mas é mais falado que Cristo.

Não sou dizimista, mas também não sou antidizimista.

As suposições para entender que dízimos não são obrigatórios são fraquíssimas, pois além dos dízimos, as igrejas pedem ofertas, ofertas aos departamentos, campanhas do quilo. Se vão construir algo, diga-se de passagem, as obras nunca terminam, fazem campanhas. Se vão comprar algum instrumento ou equipamento, mais campanhas. Oferta para manter os missionários e por aí a fora. Gostaria de ver algum líder religioso fazer como Moisés em Êxodo 36:5-7, quando o povo trouxe as ofertas, para a construção do Tabernáculo, além do necessário. Moisés mandou o povo parar de trazer oferta, porque tinha arrecadado o bastante para a obra e ainda sobejava.

Sobre Jesus que nunca proibiu de dizimar, Ele também, pelo que lembro, nunca orientou a este ato.

Aprendemos que Deus vê as nossas necessidades, e assim eu creio, por que levar aos irmãos as necessidades financeiras? Não é melhor orar a Deus para que Ele toque nos corações e assim os irmãos contribuam voluntariamente?

Você pode deixar de ganhar almas, de pregar, de tocar, de fazer missões que todo mundo lhe compreende. Mas experimente deixar de dizimar. As igrejas têm uma relação de dizimistas, mas será que têm uma estatística de quantas almas cada membro levou ao Senhor no ano passado?

Muito sábio o seu comentário sobre Malaquías 3.8-10 para conscientizar os cristãos a colaborarem com dízimos. Realmente essa passagem é destinada aos judeus.

A minha opinião não tem como objetivo fazer ninguém deixar de dizimar, mas sim fazer com que "Cada um contribua segundo propôs no seu coração; não com tristeza, nem por constrangimento; porque Deus ama ao que dá com alegria" - 2 Coríntios 9.7.

Jocimar Pequeno

LAERTE PINTO DE BRITO disse...

Palavra diguina de toda aceitação. Na revelação da graça, quem verdadeiramente foi alcançado, pratica ato de entregar o dizimo, não como pezo, ou obrigação, ou por medo de gafanhotos. Esse ato é em amor reconhecendo que Deus é o nosso provedor, é um ato de fé e adoração.

Anônimo disse...

MARAVILHOSO, COMENTARIO, MUITO EDIFICANTE
PR.CLAUDIO CEZAR

Ir. Albuquerque disse...

Comentário equlibrado. Jesus disse: “Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! pois que dizimais a hortelã, o endro e o cominho, e desprezais o mais importante da lei, o juízo, a misericórdia e a fé; deveis, porém, fazer estas coisas, e não omitir aquelas. Mateus 23:23”. Embora estivesse falando aos Judeus, a Palavra “e não omitir aquelas”, remete ao primeiro assunto. Jesus não é legalista, mas obediente. Dessa forma, dizimamos por fé, amor, voluntariedade e obediência ao Senhor e à sua obra espiritual e física.

V.B. disse...

boa noite, estou vivendo um fato atípico. sou musico na igreja e nao sinto no meu coração nenhuma vontade de dizimar, já pedi pra ]Deus, já dizimei com coração fechado. o nosso pastor pressiona quem não dizima proibindo de fazer parte do corpo de obreiros, exceto eu. sou ofertante. nos envelopes vem o nome do membro e o campo para preencher o valor do dizimo, não concordo pois ninguém deve saber o que fulano ganha por mês. me sinto constrangido por não dizimar e ao mesmo tempo não sinto no coração vontade de dizimar. o que fazer?

Eliseu Antonio Gomes disse...

Meu amigo V.B., vamos por partes:

1 – Coração. Não devemos nos deixar guiar pelo coração, pois na Palavra de Deus está escrito que ele é enganoso e desesperadamente corrupto. Você precisa se deixar guiar pelas instruções da Palavra de Deus. Confira: Jeremias 17.5-9; Salmos 119.105.

2 – A proibição do pastor. Você diz que o pastor faz pressão para entregar dízimos mas não tem esta pressão sobre si mesmo. Por quê? Será que o que pensa ser pressão é apenas o modo dele ensinar o povo a cooperar financeiramente. Parece isso.

3 – O fato de haver um envelope para que seja preenchido o nome não significa que aquele que queira contribuir seja obrigado a fazer tal preenchimento. Entregue sem se identificar e o valor será aceito.

4 – O constrangimento e a hesitação. Você diz que não quer dizimar Será pelo fato de que pensa precisar identificar-se? Talvez...

5 – O que fazer? Creio que já faça, mas mesmo assim eu aconselho você a orar especificamente sobre este assunto. Deus quer que sinta bem e fará com que se sinta bem se houver dentro de você sinceridade.

Abraço.

As 7 postagens mais acessadas na semana

As 7 postagens mais acessadas nos últimos 30 dias

As 7 postagens mais populares (geral - desde 12 de junho de 2007)

▲ Clique na imagem para retornar ao topo do blog.

Bola colorida na areia da praia. By Eliseu Antonio Gomes

Bola colorida na areia da praia. By Eliseu Antonio Gomes
Cidade Ocean - Praia Grande - São Paulo/SP - Brasil.