Research | Pesquisar artigos de Belverede

Select the language

quarta-feira, 8 de outubro de 2014

EBD - Lição nº 2: A firmeza do caráter moral e espiritual de Daniel




Por Eliseu Antonio Gomes

No ano 605 a.C., Nabucodonosor dominou a Síria e a Palestina. No ano 606, sitiou Judá e Jerusalém e confiscou utensílios de valor do templo de Jerusalém que eram consagrados a Jeová e os levou para a Babilônia para depositá-los perante seu deus. Destruiu os muros da cidade de Jerusalém e queimou o templo de Jerusalém. Também, levou consigo nobres da casa real que eram versados em conhecimentos gerais e ciência. Cumpriu-se assim a profecia do profeta Isaías ao rei Ezequias, proferida muitos anos antes (2 Reis 25.8-21; Isaías 39.1-6), e o pronunciamento da profetiza Hulda (2 Crônicas 43.22-28). Além de cumprirem-se as profecias de Jeremias 25.11, Miqueias 4.10  e Habacuque 1.5-11.

O primeiro capítulo do livro de Daniel apresenta a história de Daniel, Ananias, Misael e Azarias, situando-os no processo de deportação de Jerusalém para a Babilônia de Nabucodonosor. Dá ênfase no caráter ilibado de Daniel e seus três amigos, que mesmo forçados a viverem em uma sociedade distante de Deus não se deixaram influenciar por seus costumes pagãos.

Daniel pertencia à nobreza, era de descendência real (1.3). Estava no primeiro grupo de cativos levados de Jerusalém para a Babilônia, no ano 605 a.C. Ganhou maior destaque na narrativa bíblica entre os três outros jovens judeus pela demonstração  de integridade, fidelidade, fé em  meio a situações instáveis e opostas a tudo que conhecia no meio do seu povo. Segundo o historiador Josefo, tanto Daniel quanto seus três amigos eram parentes do rei Ezequias, condição que lhes facilitou o acesso ao palácio babilônico. 

Os quatro jovem tinham boa aparência, eram sem defeito algum, talentosos, instruídos em toda a sabedoria, sábios em ciência e deram bom testemunho na corte pagã, que naquela época governava o mundo. Estudaram com afinco o idioma e a literatura dos caldeus.

Frequentemente, o termo caráter é conceituado como um tipo ou sinal convencionado em uma sociedade. Refere-se à índole, ao temperamento e à forma moral. A família, a escola e a religião contribuem para o caráter de uma pessoa.

A força da fé e caráter  de Daniel e seus amigos era algo que aparecia em suas falas. Nabucodonosor quis mudar a identidade deles, trocando seus nomes hebraicos por caldeus, mudar a educação cultural e religiosa, fazê-los desprezar as regras da religião judaica, educá-los nas ciências da Babilônia para que fossem usados como astrólogos e adivinhadores, além de serem aproveitados através de todo conhecimento adquirido na sua terra em Judá. Os jovens foram desafiados na sua fé em Deus e resistiram sabiamente. Eles propuseram outra estratégia para viverem no palácio  babilônico  sem desonrar a Deus e conservando a integridade de caráter herdado de seu povo.

Eles não eram vegetarianos, mas tomaram a firme decisão de ingerirem apenas verdura, legumes e água. Corajosamente, com sabedoria e respeito pela autoridade, recusaram comer, "a fina iguaria do rei" (1.8) porque como judeus, a lei mosaica proibia que comessem carne de animais "imundos" (Levíticos 11; Deuteronômio 14), além disso aquela comida antes de ir à mesa era oferecida em sacrifício aos ídolos da Babilônia. A decisão de recusa era uma forma de desprezar a idolatria e o paganismo babilônico. Essa atitude significava a disposição moral e espiritual recebida de seus pais.

A história de Daniel e seus amigos, entre tantos outros  exilados de Judá é um testemunho vibrante de que entre circunstâncias adversas é possível preservar valores espirituais e morais. Foram expostos ás seduções que satisfariam os desejos da juventude, mas não se deixaram atrair pelas paixões que a vida palaciana oferecia. Eles demostraram possuir um caráter imaculado e não se deixaram seduzir pelas ofertas malignas de Nabucodonosor. Apesar de estarem no exílio, o relacionamento deles com Deus não foi afetado, mantiveram-se fiéis aos Senhor e às suas leis.

A fé desses rapazes fez com eles se tornassem exemplo de fidelidade para os crentes de todas as épocas. Neste início do século 21, somos desafiados na nossa integridade como cristãos a termos uma postura que jamais renegue a nossa fé cristã. Para esse tempo de crise de integridade, os exemplos de Daniel e seus amigos -  assim como José (Gênesis 39.2),  Samuel (1 Samuel 3.1-11), Davi (1 Samuel 16.12), Timóteo (2 Timóteo 3.15) são modelos que nos inspiram a agir com firmeza espiritual e do caráter. A conduta deles nos ensina que é possível ser feliz neste mundo sem se deixar contaminar por ele.

Como cristãos, tenhamos como propósito não aceitar a contaminação deste mundo, assim como Daniel, Ananias, Misael,Azarias não se contaminaram ao negarem a dieta imposta por Nabucodonosor.

E.A.G.

Compilações:
Ensinador Cristão, ano 5, ,nº 60, página 37, outubro-dezembro de 2014, Rio de Janeiro (CPAD)
Integridade Moral e Espiritual - O Legado do Livro de Daniel para a Igreja Hoje, Elienai Cabral, páginas 27-36, agosto de 2014, Rio de Janeiro (CPAD).
Lições Bíblicas - Mestre,, Elienai Cabral, 4º trimestre de 2014, páginas 8-17, Rio de Janeiro (CPAD).
Manual Bíblico Henry H. Halley, página 304, edição 1994, São Paulo, (Edições Vida Nova).

Nenhum comentário:

As 7 postagens mais acessadas na semana

As 7 postagens mais acessadas nos últimos 30 dias

As 7 postagens mais populares (geral - desde 12 de junho de 2007)

▲ Clique na imagem para retornar ao topo do blog.

Bola colorida na areia da praia. By Eliseu Antonio Gomes

Bola colorida na areia da praia. By Eliseu Antonio Gomes
Cidade Ocean - Praia Grande - São Paulo/SP - Brasil.