Temas

Angeologia      |      Apologia Cristã      |      Antropologia Bíblica      |      Bibliologia      |      Cristologia     Eclesiologia      |      Escatologia       |      Soteriologia      |      Hamartiologia      |    Pneumatologia      

Select the language

Pesquisar este blog

Arquivo | 14 anos de postagens

sexta-feira, 3 de dezembro de 2021

Está amarrado! Os textos em Mateus 12.29 e Marcos 3.27

Sou cristão pentecostal. Antecipo que meu comentário é apenas sobre a expressão "está amarrado", o que li e entendi sobre a frase nas páginas do Novo Testamento. Não estou tomando partido sobre uma ou outra opinião.

Apenas para lembrar, as traduções bíblicas mais populares entre os evangélicos brasileiros são a Almeida Revista e Corrigida [SBB], e a Almeida Corrigida Fiel [SBTB]. Ambas possuem diversos vocábulos arcaicos, em desuso no dia-a-dia do Brasil. Nas duas traduções encontramos a expressão "manietar o valente" em Mateus 12.29, Marcos 3.27. Nestas passagens estão a origem da expressão polêmica.

O contexto é sobre a blasfêmia dos escribas, que acusaram Jesus de expelir demônios por Belzebu, ao vê-lo usando o poder de Deus para libertar um homem oprimido pelo diabo. Diante de situação tão absurda, Cristo apresenta uma parábola. Diz que não é possível um ladrão assaltar uma casa, cujo proprietário é homem valente, sem antes manietá-lo (amarrá-lo).

Muitos usam a expressão "está amarrado" de modo banal, mas outras, com seriedade, e amarrar, para estas, tem o significado de desfazer as obras más de Satanás. Nos idos de 2000, vi um garotinho fisicamente fracote, de aproximadamente 12 anos de idade, usá-la em um ato de exorcismo. A pessoa possessa era um homem grandalhão. Usando o nome de Jesus, o menino colocou o possesso de joelhos, mãos para trás, ordenou que parasse de falar e expulsou os demônios. 

Perdoem-me por dizer que acredito que essa cena só poderia acontecer em uma igreja neopentecostal, pois a ação da criança é consequência de ensino e vivência no meio dessas situações vendo exemplos, e os repetiu. O menino cresceu e se transformou em pastor. É claro, naquela ocasião ele estava acompanhado de adultos - que não atuaram no momento, só observavam a libertação.

Estas pessoas citadas interpretam a parábola de Jesus assim: a casa é a pessoa possessa; o proprietário é o demônio; quem amarra o demônio e se apodera dos bens na casa é o cristão, terminando assim a opressão sobre a casa/pessoa oprimida, usando o poder de Deus.

Nenhum comentário: