.____________________________________________

Este site tem a finalidade de, com toda a simplicidade das pombas, prudentemente, mostrar o que o crente em Jesus espera. Reflexão. Informação. Opinião. Troca de ideias. Blog idealizado por Eliseu Antonio Gomes. Criado em 12 de junho de 2007.

Research | Pesquisar artigos de Belverede

quarta-feira, 24 de abril de 2019

A Pia de Bronze: lugar da purificação

INTRODUÇÃO

Acerca da lição que precisamos aplicar para a nossa vida espiritual, é preciso aprender que o Tabernáculo é um dos maiores tipos de Cristo no Antigo Testamento. A Pia de Bronze e todos os demais mobiliários, sacerdócio e culto, apontam em cada detalhe para o Senhor Jesus. A tipologia nos leva para a grande revelação que o Espírito Santo ao apóstolo João quanto a especificação de que Jesus era o Verbo divino que se fez carne e fixou seu tabernáculo entre nós, isto é, "habitou entre nós" (João 1.1, 14).

Gramaticalmente, o verbo "habitou" aparece no grego do Novo Testamento como "eskenosen" que, literalmente, significa "levantou a tenda" ou "acampou sob a tenda", em outras palavras significa que o Verbo divino se fez homem entre nós. Assim como na Arca da Aliança repousava a shekinah divina, ou seja, a presença de Deus, da mesma forma Deus revelou o seu Filho como Emanuel, que significa "Deus conosco", o qual estabeleceu a sua Tabernáculo entre nós.

O Tabernáculo e a Pia de Bronze. Blog Belverede. Eliseu Antonio Gomes. https://belverede.blogspot.com.br

I - A PIA DE BRONZE: A IMPORTÂNCIA DA SANTIDADE

1. A pia de bronze e a água (Êxodo 30.18-21).

A pia de bronze ficava entre a tenda da congregação e o altar, onde os sacrifícios eram queimados. O seu fundo era polido habilidosamente e refletia tal qual o reflexo de um espelho, sendo possível ao sacerdote ver o rosto na água. Servia para as purificações rituais, sem a qual ninguém podia se aproximar de Deus. Ao usar o utensílio, no qual continha a água purificadora, o sacerdote se consagrava com o objetivo de prestar seu serviço cerimonial a Deus. Foi confeccionada a partir dos espelhos das mulheres hebreias, ofertados por elas exclusivamente para esta finalidade (Êxodo.38.8).

A Pia de Bronze simboliza a santidade, a purificação e o juízo. Aponta para a necessidade de o cristão viver a vida cristã buscando a santidade completa, incentiva a cada um de nós a buscar se parecer cada dia mais com Jesus Cristo, o nosso Mestre. O cristianismo é um estilo de vida não criado por filosofia humana, mas pelo próprio Cristo. Viver como cristão implica em estar em santidade, tem como consequência a necessidade de renunciar ao pecado, passar pela mortificação dos desejos da carne e anelar pela presença de Deus.

Quando morremos para nós mesmos e para o mundo, então o Espírito de Deus nos guia. Falando sobre a ação do Espírito, Jesus disse: "Quem crer em mim, como diz a Escritura, do seu interior fluirão rios de água viva" (João 7.38). O apóstolo Paulo referiu-se à terceira pessoa da Trindade com estas palavras: "Todos os que são guiados pelo Espírito de Deus são filhos de Deus" (Romanos 8.14). Segundo estas declarações, quando somos guiados pelo Espírito Santo, somos levados pelo rio de Deus. Não fazemos resistência, nos entregamos à direção do Espírito, que, como um poderoso e caudaloso rio, nos conduz para dentro da soberana vontade divina.

2. Os sacerdotes e a santidade (Êxodo 30.20).

No Antigo Testamento, Arão e seus descendentes foram separados para servirem como oficiantes no culto realizado no Tabernáculo e depois no Templo. Além dos sacerdotes,  os utensílios de culto e os sacrifícios eram santificados (Êxodo 30.25-29; 28.38). O sacerdote era mediador entre Deus e o povo, oferecendo sacrifícios e orando em seu favor (Êxodo 28-29; Levítico  21.6-8; 1 Crônicas 24). Antes de Arão já havia sacerdotes (Hebreus 7.1-3).

A narrativa sobre a ordenação de sacerdotes (Êxodo 29.1-37) mostram como era importante a função do sacerdote na religião de Israel. O Autor da Carta aos Hebreus usa este conteúdo bíblico quando fala de Jesus, o nosso Sumo Sacerdote (Hebreus 8-9; 13.10-12).

As palavras do Antigo Testamento que se traduzem por "santificação", "santificar" e "santo" implicam separação. O fato fundamental, indicado pelo uso dessas palavras, e a santidade do próprio Deus. Ele é santo, o Santo de Israel (2 Reis 19.22; Salmos 71.22; Isaías 1.4) e requer a santidade de todos os que são dEle (Levítico 11.44, 45; 19.2; 21.8; Josué 24.19; Salmos 22.3; Isaías 6.3). Assim, todas as pessoas e coisas associadas com o Santíssimo Deus  são separadas para o seu serviço e adquirem uma relativa santidade.

Todos os cristãos são sacerdotes da Nova Aliança (1 Pedro 2.5, 9; Apocalipse 1.6; 5.10).

Não é possível haver verdadeira comunhão com Deus se a santidade pessoal não for diligentemente mantida. A pureza está intrinsecamente ligada a adoração cúltica (Hebreus 12.14; 1 Tessalonicenses 5.23).  

3. A santidade para a vida (Êxodo 30.21).

A santidade é atributo de Deus (Pai, Filho e Espírito Santo), pelo qual é moralmente puro e perfeito, separado e acima do que é mau e imperfeito (Êxodo 15.11; Salmo 29.2; Hebreus 12.10). É a qualidade do membro do povo de Deus que o faz a não seguir os maus costumes deste mundo, a pertencer somente a Deus e a ser completamente fiel ao Senhor (1 Tessalonicenses 3;13).

Referida a pessoas, a santificação tem sentido triplo. Em primeiro lugar, o crente é separado para a redenção (Hebreus 10.9, 10); em segundo lugar, em experiência, o crente é santificado pela Obra do Espírito Santo mediante às Escrituras (João 17.17; 2 Corintios 3.18; Efésios 5.25, 26; 1 Tessalonicenses 5.23, 26), e, em terceiro, em consumação, o crente aguarda a completa santificação na vinda do Senhor (Efésios 2.27; 1 João 3.2).

Réplica do Tabernáculo na região do Neguev, Israel. Blog Belverede. Eliseu Antonio Gomes. https://belverede.blogspot.com.br

II. A PIA DE BRONZE: O LUGAR DA LIMPEZA

1. A pia de bronze (cobre) entre o Altar e o Holocausto.

A simbologia da Pia de Bronze nos convida a fazer um exame de consciência, a considerar se temos ou não um estilo de vida de pureza: da alma, do corpo e do espírito. É preciso levar em conta o juízo de Deus sobre o pecado. Somos servos de Jesus, portanto, precisamos viver a santidade de modo progressivo. Somos propriedade de Deus, se pertencemos a Ele, que é santo, devemos viver de modo santo.

A Palavra de Deus diz que o crente é chamado para viver uma vida pura. Uma vez que fomos reconciliados com Deus através do sacrifício vicário do Cordeiro, é preciso viver de maneira santa em sua presença. À luz da Pia de Bronze nos conscientiza da pureza espiritual que Deus requer de cada um de nós.

2. A lavagem na Bacia de Bronze.

Nada era feito feito casualmente no santuário. A bacia, ou pia de bronze, era usada como lavatório para os sacerdotes cerimonialmente lavarem suas mãos e pés antes de entrarem no Santo Lugar . Lavar os pés e as mãos era obrigatório antes de envolver-se nos deveres sacerdotais. A seriedade de estar cerimonialmente purificado é vista na advertência de morte caso essa lavagem fosse negligenciada (Êxodo 30.17).

Mãos asseadas remetem à necessidade do ministério íntegro; tudo o que o sacerdote tocava era limpo e não poderia ser contaminado. Pés asseados significam os lugares por onde os sacerdotes caminhavam; a limpeza fala sobre a constância em servir a Deus em santidade.

Podemos concluir que a água representa o elemento de higienização espiritual do cristão, limpeza que acontece através da prática da Palavra de Deus (João 15.3).

A graça salvífica de Deus "ensina-nos que, renunciando à impiedade e às concupiscências mundanas, vivamos neste presente século sóbria, justa e piamente, aguardando a bem-aventurada esperança e o aparecimento da glória do grande Deus e nosso Senhor Jesus Cristo" (Tito 2.12-14). "Bem-aventurada" (grego: makarian) implica numa plenitude de bênção, felicidade e alegria mediante o favor gracioso e imerecido de Deus. Embora nós, como crentes, recebamos bênçãos agora, há muito mais a ser recebido no futuro

3. A Pia de Bronze e o caráter de juízo.

Os metais do Tabernáculo são muito expressivos. O bronze foi empregado onde se precisava de força excepcional e a resistência ao calor eram importantes. Seguindo a ordem de entrada do pátio para o Lugar Santíssimo, encontramos as colunas revestidas de bronze e com suas bases de bronze, o grande altar todo revestido de bronze, situado logo após a porta do Tabernáculo e a pia, ou lavatório, de bronze maciço. As passagens bíblicas de Êxodo 27.17; Números 21.9; Jeremias 1.18; 6.28; 1 Coríntios 13.1; 2 Coríntios 5.21, indicam esse metal como o tipo de julgamento, de juízo. E o bronze, no Tabernáculo, significa o julgamento do pecado. Também todos os cravos, ou pregos, usados nesse Santuário, eram desse mesmo metal e apontavam para a crucificação de Jesus no madeiro do Calvário.

Quando aconteceram os ataques de serpentes abrasadoras e muitos do povo de Israel morriam envenenados, seguindo a orientação de Deus Moisés fez a serpente de bronze e a levantou em uma haste, orientou a todos os que fossem picados que olhassem para ela para não morrerem sob efeito letal das víboras;  somente os hebreus picados que creram na promessa de que escapariam da morte se olhassem para a serpente de bronze, o fitaram os seus olhos nela, sobreviveram. Aquela serpente de metal simbolizava o nosso Salvador. O Novo Testamento usa este episódio como ilustração da morte vicária de Cristo na cruz e da necessidade da fé pessoal para a salvação (Números 21.9; João 3.14-15).

O Tabernáculo e a Pia de Bronze: Lugar da Purificação. Blog Belverede. Eliseu Antonio Gomes. https://belverede.blogspot.com.br

III. DOIS ASPECTOS DO RITO DE LAVAGEM DOS SACERDOTES

1. A lavagem completa.

A Pia de Bronze e a exigência de limpar pés e mãos prefigura a purificação do pecado através do sacrifício de Cristo (Êxodo 30.20; Zacarias 13.1;. 1 Corintios 6.11).

Jesus disse para Nicodemos que ele precisava nascer de novo se quisesse para ver o Reino de Deus (João 3.3). Todas as pessoas precisam experimentar o novo nascimento, que significa abrir o coração ao Espírito Santo e permitir que Ele faça uma operação de mudança interna, somente por meio desse processo o ser humano recebe a capacidade de abandonar o pecado e viver uma nova vida dedicada a Deus. O novo nascimento, ou regeneração espiritual, é o ato de Deus conceder vida eterna ao crente em Cristo. Como resultado, a pessoa torna-se membro da família de Deus e tem o desejo de agradar ao Senhor (Tito 3.5; 1 Pedro 1.23; 2 Corintios 5.17).

A fé no Senhor como Salvador se contrasta com a "justiça segundo as obras" (Habacuque 2.4; Romanos 1.17; Gálatas 3.11; Hebreus 10.38). Tudo quanto não é de fé é pecado (Romanos 14.23; Tito 1.15; Hebreus 11.6). Assim sendo, o pecado, nos crentes ou nos incrédulos, antes e depois da crucificação, é sempre a violação da Lei. A única solução é viver a fé em Cristo, pois Cristo entregou a sua vida no Calvário como o Cordeiro perfeito e sem pecado, para remir o pecador que o recebe como Salvador. Somente em Cristo recebemos condição de viver como santos diante de Deus, pois o sangue vertido na cruz nos santifica de todo pecado (1 João 1.9).

2. A lavagem progressiva e completa.

Apesar de os crentes não viverem debaixo da lei mosaica, ainda existem normas claras, passíveis de serem violadas (João 4.21; 1 João 5.3; os muitos regulamentos nas cartas apostólicas). O ser humano é incapaz de cumprir a Lei, somente o relacionamento com Cristo pode suprir a expiação para apagar o pecado e trazer o poder para viver uma vida segundo a vontade de Deus. O crente que ainda vive pecando de modo habitual necessita urgentemente confessar e decidir abandonar as paixões carnais, precisa se dispor a reiniciar seu compromisso como servo de Cristo.

Na cruz, o Senhor nos santificou diante de Deus de uma vez por todas. Mas cabe a cada cristão aplicar esta santidade em sua vida cotidiana, escolher diariamente viver de acordo com o fruto do Espírito e em rejeição a todas as paixões da carne (Gálatas 5.16-21).

3. Recapitulando verdades importantes.

O propósito da construção do Tabernáculo era proporcionar um lugar onde Deus habitasse entre seu povo. No Tabernáculo Deus se encontrava com os representantes do povo. O Tabernáculo, habitação de Deus, era o centro da vida religiosa, moral e social dos hebreus e ficava sempre no meio da tendas das doze tribos israelitas. Servia como método de preparação aos hebreus, para que eles recebessem a obra sacerdotal do Messias (Hebreus 8.1-2).

À luz do que a Bíblia aborda sobre a simbologia do Tabernáculo, aprendemos que p sangue de Jesus livra o pecador arrependido da pena do pecado (Mateus 20.28; 26.28; 1 Pedro 4.7). A Palavra de Deus nos faz ver quem somos aos olhos de Deus (Tiago 1.22-24). Buscar a lavagem completa, mais a lavagem progressiva e constante são atitudes absolutamente necessárias aos cristãos (João 15.3).

CONCLUSÃO

 O Altar de Sacrifícios é ol ugar onde o pecado é julgado mediante o sangue expiador do sacrifício de Cristo em favor do pecador arrependido; o lavatório é a peça fundamental para que o pecador passe pelo julgamento disciplinatório. Uma vez que passamos pelo Altar de Sacrifícios, podemos exercer nosso sacerdócio real, passar pela Pia de Bronze e sermos lavados pelas águas da purificação por meio de Jesus Cristo. Tal limpeza espiritual é prioridade e de absoluta necessidade. As duas etapas de purificação revelam o quanto Deus é misericordioso e nos quer envolvidos na paz e comunhão que reservou para nós, sem que merecêssemos.

E.A.G.
_______
Compilação
Dicionário Bíblico Universal, A.R. Buckland e Lukyn Williams, 2ª edição revista e atualizada 2007, página 549, São Paulo/SP (Editora Vida).
Ensinador Cristão, ano 20, número 78, 2º trimestre de 2019, páginas 26, Bangu, Rio de Janeiro/RJ (Casa Publicadora das Assembleias de Deus - CPAD).
O Tabernáculo e a Igreja, Abraão de Almeida, páginas 17, 85, Rio de Janeiro/RJ (Casa Publicadora das Assembleias de Deus - CPAD).
Teologia Sistemática - Uma perspectiva pentecostal, editado por Stanley M. Horton, página 150, Bangu, Rio de Janeiro/RJ (Casa Publicadora das Assembleias de Deus - CPAD).

Nenhum comentário:

Voltar ao início da página


Blog Belverede 12 anos de atividades - https://belverede.blogspot.com.br

Lições Bíblicas 2019

Tabernáculo: Símbolo da Obra Redentora de Cristo


EBD - Escola Bíblica Dominical.

13 Lições comentadas por Elienai Cabral (CPAD)

Entre 7 de Abril e 30 de Junho, as igrejas evangélicas que usam o currículo pedagógico da Casa Publicadora das Assembleias de Deus (CPAD) estarão lecionando as treze matérias da revista Lições Bíblicas, cujo comentarista é Elienai Cabral e o tema é O Tabernáculo: Símbolos da Obra Redentora de Cristo.

A vontade deste Blogueiro é trazer aos Leitores de Belverede postagens relativas aos assuntos abordados pelo articulista da CPAD. Se assim Deus permitir, é o que farei, pois é perceptível que o subsídio é algo de extremo interesse do povo cristão. Certa vez, um irmão moçambicano declarou ter enorme expectativa por esta espécie de postagem.

Abaixo, os nomes de 13 lições. As lições marcadas em negrito e sublinhadas possuem hiperligação, ao clicar sobre elas você será encaminhado para outro espaço deste blog, abrirá para você a página da postagem correspondente.

A nossa oração é para que cada publicação seja de bom proveito espiritual a todos, lembrando que cada uma delas não substituem o conteúdo criado pelo Pastor Elienai Cabral.

Não existe interesse comercial nesta iniciativa. Peço sua gentileza, divulgue estas matérias, tanto presencialmente quanto em suas redes sociais.

Sumário

Lição 7
O Lugar Santo

Lição 8
O Lugar Santíssimo

Lição 9
A Arca da Aliança

Lição 10
O Sistema de Sacrifícios

Lição 11
O Sacerdócio de Cristo e o Levítico

Lição 12
A Nuvem de Glória

Lição 13
O Sacerdócio Celestial

Introdução aos livros da Bíblia Sagrada.
Objetivo ainda em fase de conclusão.

Antigo Testamento
GênesisÊxodoLevíticosNúmerosDeuteronômioJosuéJuízesRute1 Samuel • 2 Samuel • 1 Reis • 2 Reis • 1 Crônicas • 2 Crônicas • Esdras • Neemias Ester • Jó • Salmos Provérbios • Eclesiastes • Cantares • Isaías • JeremiasLamentações • Ezequiel • Daniel • Oseias • JoelAmósObadiasJonas • Miqueias • NaumHabacuqueSofonias Ageu ZacariasMalaquias