Research | Pesquisar artigos de Belverede

Select the language

quarta-feira, 13 de dezembro de 2017

Os cinco pontos do arminianismo (parte 2 de 5 postagens)


Que aqueles que são enxertados em Cristo por uma verdadeira fé, e que assim foram feitos participantes de seu vivificante Espírito, são abundantemente dotados de poder para lutar contra Satã, o pecado, o mundo e sua própria carne, e de ganhar a vitória; sempre - bem entendido - com o auxílio da graça do Espírito Santo, com a assistência de Jesus Cristo em todas as suas tentações, através de seu Espírito; o qual estende para eles suas mãos e (tão somente sob a condição de que eles estejam preparados para a luta, que peçam seu auxílio e não deixar de ajudar-se a si mesmos) os impele e sustenta, de modo que, por nenhum engano ou violência de Satã, seja, transviados ou tirados das mãos de Cristo (João 10.28). Mas quanto à questão se eles não são capazes de, por preguiça e negligência, esquecer o início de sua vida em Cristo e de novamente abraçar o presente mundo, de modo a se afastarem da santa doutrina que uma vez lhes foi entregue, de perder a sua boa consciência e de negligenciar a graça - isto deve ser assunto de uma pesquisa mais acurada nas Santas Escrituras antes que possamos ensiná-lo com inteira segurança.

III - O caráter de Deus revelado nas Escrituras e as implicações com a doutrina da salvação 

Antes de discorrer sobre o arminianismo, ou sobre a remonstrância, desejamos resumir sobre a revelação das Escrituras quanto ao caráter de Deus e seus atributos divinos, chamados de atributos morais. Ter em mente esses atributos de Deus é fundamental para a análise crítica sobre quaisquer formulações teológicas sobre a salvação do homem.

1) A Santidade de Deus. Deus é absolutamente Santo. Bancrof [5] diz que "a santidade de Deus é seu atributo mais exaltado e destacado, pois expressa a majestade de sua natureza e caráter morais". No aspecto negativo, a santidade de Deus significa que Ele é separado de tudo o que é pecaminoso. No sentido positivo, entende-se "a absoluta perfeição, a pureza e integridade de sua natureza e seu caráter" (ibidem, p. 66) [...] "Esta santidade ética de Deus pode ser definida como a perfeição de Deus, em virtude da qual Ele eternamente quer manter e mantém a sua excelência moral, aborrece o pecado, e exige pureza moral em suas criaturas".

Desse modo, a santidade de Deus não permite que ele cometa pecado ou seja injusto, pois Ele é o modelo, o padrão e o exemplo perfeito para suas criaturas. Por causa de sua santidade, Deus não pode mentir (conferir Tito 1.2). Deus disse a Jeremias: "O SENHOR me disse: 'Você viu bem, porque eu estou vigiando para que a minha palavra se cumpra'" (Jeremias 1.12). Jesus disse: "Passará o céu e a terra, porém as minhas palavras não passarão" (Mateus 24.35). Deus não pode dizer algo em sua palavra e mudar em sua aplicação no relacionamento com o homem. Ele se limita em si mesmo para que não se contradiga perante ninguém, sendo o fiador da sua Palavra.

2. O amor de Deus. Deus é Deus de amor. Ele próprio é amor: "E nós conhecemos o amor e cremos neste amor que Deus tem por nós. Deus é amor' [o amor na prática], 'e aquele que permanece no amor permanece em Deus, e Deus permanece nele" (1 João 4.16).

Chaffer [6] afirma que "Deus não obteve o amor, nel Ele por qualquer esforço mantém o amor; o amor é a estrutura do seu ser. Deus é a fonte inesgotável do amor [...] Como nenhuma outra virtude, o amor é a motivação primária  em Deus, e para satisfazer o seu amor, toda a criação foi formada". Diz ainda: "que o amor divino não começou a existir somente quando suas criaturas foram criadas, mas que Ele já previra em si o seu amor para com elas. Porém, quando o mal sobreveio à criação de Deus, houve um conflito "dentro dos atributos de Deus". "A santidade condena o pecado enquanto o amor de Deus procura salvar o pecador" (ibidem, p. 230). Deus nos ressuscitou porque estávamos mortos espiritualmente. "Mas Deus, sendo rico em misericórdia, por causa do grande amor com que nos amou, e estando nós mortos em nossas transgressões, nos deu vida juntamente com Cristo — pela graça vocês são salvos" (Efésios 2.4,5). Por causa do seu Amor, Deus não pode agir de modo injusto e contra a sua bondade.

3. A bondade de Deus. Segundo Strong, "bondade é o princípio eterno da natureza de Deus, que o leva a comunicar sua própria vida e bênção aos que são semelhantes a ele no caráter moral. Bondade, portanto, é quase idêntica ao amor da complacência; misericórdia ao amor da benevolência". [7]

Deus é bom, no sentido absoluto. Diz a Bíblia: "De fato, Deus é bom para com Israel, para com os de coração limpo" (Salmos 73.1); "Saindo dali, Jesus foi para o território da Judeia e para além do Jordão. E outra vez as multidões se reuniram junto a ele, e, de novo, ele as ensinava, segundo o seu costume" (Marcos 10.1). Sua bondade anda lado a lado com o seu amor e a  sua justiça. Admitir a predestinação, desde o ventre, não condiz com seu amor e sua justiça.

4. A justiça e retidão de Deus. Há teólogos como Bancroft [8] que consideram a justiça e a retidão como aspectos da santidade de Deus. Aqui, preferimos tratá-las como atributos distintos, embora intimamente ligados à santidade, como a outros atributos. "A retidão de Deus é a imposição de leis e exigências retas; podemos chamá-las de santidade legislativa. Nesse atributo, vemos revelado o empenho de Deus pela santidade que sempre o impele a fazer e a exigir o que é reto" (ibdem, p. 69). Segundo Joyner, "a retidão de Deus é tanto o seu caráter quanto o modo que ele opta por agir. Deus é ético no seu caráter ético e moral e, portanto, serve como padrão para determinar qual a nossa posição em relação a Ele" [9].

Por ser justo, não pode agir contra seu amor e sua bondade. Não se pode sequer imaginar Deus contrariando o seu caráter divino, como revelado nas Escrituras, fazer acepção de pessoas, a tal ponto de Ele dizer que não tem prazer na morte do ímpio, e, ao mesmo tempo, decretar, a priori, sua condenação inexorável ao inferno seria uma contradição jamais justificável diante do caráter do Deus bom e justo.
_______

5. E.H. BANCROFT, Teologia Elementar, p. 63-64;
6. Lewis Sperry CHAFFER, Teologia Sistemática, p. 229-30;
7. Augustus H. STRONG, Teologia Sistemática, p.432;
8. E.H. BANCROFT, Teologia Sistemática, p. 69;
9. RUSSEL, E. Joyner. Apud Horson, Stanley M. Teologia Sistemática, p. 140.

Fonte: revista Obreiro Aprovado, ano 38, número 75, 4º trimestre 2016, páginas 68, 69, 70, 77, Bangu, Rio de Janeiro/RJ (CPAD).

[ Em breve este artigo continuará em outra postagem. Agradecemos por sua opção de leitura neste blog: http://belverede.blogspot.com.br

Nenhum comentário:

As 7 postagens mais acessadas na semana

As 7 postagens mais acessadas nos últimos 30 dias

As 7 postagens mais populares (geral - desde 12 de junho de 2007)

▲ Clique na imagem para retornar ao topo do blog.

Bola colorida na areia da praia. By Eliseu Antonio Gomes

Bola colorida na areia da praia. By Eliseu Antonio Gomes
Cidade Ocean - Praia Grande - São Paulo/SP - Brasil.