Research | Pesquisar artigos de Belverede

Select the language

quinta-feira, 2 de novembro de 2017

Os heroicos colportores

Por Luiz Antonio Giraldi

A palavra colportagem vem do francês "colporter", que significa "levar no pescoço". Ela surgiu na França, na Idade Média, para designar o trabalho do "colporteur" pessoa que ia de mercado em mercado, de casa em casa, oferecendo produtos que levavam em uma bolsa pendurada no pescoço. Com o passar dos anos, a palavra "colportor passou a ser usada na França para designar o trabalho das pessoas que vendiam livros de casa em casa. E, a partir de meados do século 12, passaram a ser chamados de colportores os seguidores de Pedro Valdo, ou valdenses, que visitavam as casas da cidade de Lyon, na França, oferecendo versículos escritos da Bíblia. Como não existia ainda a imprensa, eles copiavam à mão versículos da Bíblia e distribuíam aos moradores da cidade. Os valdenses foram os precursores dos colportores bíblicos dos séculos 19, 20 e 21.

Durante a segunda metade do século 19 e a primeira do século 20, a distribuição da Bíblia no Brasil foi feita basicamente por meio de colportores - evangelistas que viajavam por todo o País vendendo Bíblias e Novos Testamentos de casa em casa. Eles desbravaram os sertões do Brasil, levando os livros em lombo de mulas ou de carroças, e preparavam o caminho para a chegada dos primeiros missionários. Os colportores eram pessoas simples, mas tinham profundo conhecimento das Escrituras e estavam sempre prontos a correr riscos para levar a Palavra de Deus ao povo.

O missionário presbiteriano Edward Lane, pioneiro na distribuição da Bíblia no Estado de São Paulo, disse no final do século 19: "O colportor é o braço direito do missionário. A sua ajuda é indispensável para o trabalho do missionário".

Desde a sua fundação, em 1948, a Sociedade Bíblica do Brasil vem distribuindo as Escrituras por meio de colportores. De 1948 a 2015, sua distribuição de Bíblias completas saltou de 100 mil para 7 milhões de exemplares anuais, graças em grande parte, à atuação dos colportores. Em agosto de 2016, a Sociedade Bíblica do Brasil (SBB) tinha em sua lista de clientes mais de mil colportores, que dedicavam tempo total ou parcial à distribuição da Bíblia. As pessoas que se credenciam a realizar esse trabalho são em geral seminaristas e evangelistas, que possuem algum preparo para a função. Eles são indicados por suas igrejas à SBB e recebem um desconto especial na compra de Escrituras, que os ajuda no sustento e na realização do trabalho.

No período de 1948 a 2015, a população evangélica no Brasil cresceu de 1,8 para 60 milhões de pessoas. E nesses 67 anos, as denominações evangélicas que mais cresceram no país foram a Assembleia de Deus e a Igreja *Adventista do Sétimo Dia, Justamente aquelas que mais usaram colportores em seu trabalho evangelístico.

_______

* Nota do Editor: A Apologia Cristã faz constar o nome da Igreja Adventista do Sétimo Dia como um movimento herético, pois esta ensina, entre outros coisas que não possuem base bíblica, que Jesus Cristo é o arcanjo Miguel.

Fonte: A Bíblia no Brasil, edição nº 255, maio a junho de 2017, página 42, Barueri/SP (SBB).
Luiz Antonio Giraldi é escritor, teólogo, filósofo e pós graduado em Administração de Empresas e Promoção de Distribuição e uso de Bíblia. Durante 21 anos, foi diretor executivo da Sociedade Bíblica do Brasil.

Nenhum comentário:

As 7 postagens mais acessadas na semana

As 7 postagens mais acessadas nos últimos 30 dias

As 7 postagens mais populares (geral - desde 12 de junho de 2007)

▲ Clique na imagem para retornar ao topo do blog.

Bola colorida na areia da praia. By Eliseu Antonio Gomes

Bola colorida na areia da praia. By Eliseu Antonio Gomes
Cidade Ocean - Praia Grande - São Paulo/SP - Brasil.