Research | Pesquisar artigos de Belverede

Select the language

terça-feira, 3 de dezembro de 2013

Duas estatísticas falsas sobre crentes - a fé de cientistas e o divórcio


Imagem: KK Mustafah


Os dados negam a ideia de que “os cientistas não acreditam em Deus” e que “os cristãos se divorciam na mesma proporção que o resto da sociedade”.

Como você costuma ver o nível social dos cristãos? A escritora Dargan Thompson, explica em um artigo na revista “Relevant” como alguns dos estereótipos não têm muito a ver com a realidade. Em seguida, lista dois deles. “Muitas vezes são as próprias igrejas que reforçam os estereótipos que existem sobre os cristãos ao tentar combatê-los“, acredita Thompson.

Embora algumas dessas imagens sociais sobre os crentes não são facilmente quantificáveis, sim, há casos em que os dados desmentem o que se acredita.

Os cientistas não acreditam em Deus

Uma estatística bem utilizada é baseada em um estudo de 1998 focada em membros da Academia Nacional de Ciências dos EUA. De acordo com as respostas de cerca de 300 entrevistados, apenas 7% desses “cientistas de elite” afirmava acreditar na existência de Deus.

Um estudo mais recente de 2009, realizado pelo Instituto Pew Forum, concentrando-se neste caso nos cientistas membros da Associação Americana para o Avanço da Ciência (“American Association for the Advancement of Science”}, chegou a conclusão de 33% dos cientistas americanos creem em um Deus pessoal, e outro 18% acreditam em algum tipo de “espírito universal ou força superior”.

Estes dados são significativamente abaixo da média dos cidadãos americanos como um todo (socialmente, 83% acreditam em um Deus pessoal e 12% em uma força superior indefinida). Mas ainda assim, o número de cientistas crentes do novo estudo quadruplicou ao do estudo de 1998.

O divórcio é igual entre cristãos e não cristãos?

Outra ideia que se repete habitualmente, tanto fora como dentro de muitas igrejas, é que diz que os casados cristãos se divorciam em proporção igual às pessoas sem nenhum tipo de crença.

Um estudo publicado pela revista “Journal of Reglion and Society”, explicava em 2012 que os cristãos nos EUA tinham uma porcentagem de divórcio de 37% menos que a média geral da sociedade, que estava em 44% (segundo dados realizados entre 1980 a 2009).

Os divórcios são muito reduzidos quando a diferença entre os crentes “praticantes” (que participam pelo menos uma vez por semana de um culto ou celebração na igreja) e os “não praticantes”. Enquanto aqueles protestantes não praticantes tinham uma porcentagem de divorcio de 39%, os que se consideravam praticantes se divorciavam muito menos, em cerca de 26% dos casos. De fato, o menor impacto do divórcio foi entre os entrevistados que se definiam como católicos ativos. Sua porcentagem de ruptura conjugal era de 21%. Por outro lado, as pessoas não religiosas sofrem divorcio em 50% dos casos, segundo o estudo.

A autora do artigo recorda em sua conclusão que “como qualquer outro grupo da sociedade, os estereótipos sobre os cristãos muitas vezes tem alguma razão de ser, e ao mesmo tempo como as pessoas provavelmente não têm a capacidade de mudar as percepções de todas as pessoas, podemos tentar viver uma vida que desafia os estereótipos.”

Fonte: Portal Padom via e-mail Wallace Sousa

Um comentário:

Jesiel Monteiro de Miranda disse...

Li a matéria da estatística não muito verdadeira.
Gostei do que li.
Há sempre manipeulação para que a verdade de deus se torne mentira.Mas os combatentes da fé, rivalizam.
Jesiel Monteiro

As 7 postagens mais acessadas na semana

As 7 postagens mais acessadas nos últimos 30 dias

As 7 postagens mais populares (geral - desde 12 de junho de 2007)

▲ Clique na imagem para retornar ao topo do blog.

Bola colorida na areia da praia. By Eliseu Antonio Gomes

Bola colorida na areia da praia. By Eliseu Antonio Gomes
Cidade Ocean - Praia Grande - São Paulo/SP - Brasil.