Research | Pesquisar artigos de Belverede

Select the language

quarta-feira, 10 de outubro de 2012

Eleições 2012 - eleitores evangélicos segundo turno

Votar certo é votar de acordo com a consciência. E a consciência cristã não se compatibiliza com projetos anticristãos.

Negligência?

Devemos aproveitar a liberdade de escolher governantes. 

Não há respaldo bíblico para letargia. Apesar de Deus conceder sua graça e misericórdia, não é correto cruzar os braços e esperar que Ele nos socorra. O cristão evangélico tem em suas mãos o direito democrático de votar, escolher os seus governantes, não deve ser negligente e deixar de ir urnas. 

O voto é a ferramenta útil do cidadão, através do voto o cidadão tem condições de projetar o bem-estar no amanhã. O momento da urna é um momento de poder do eleitor, deve ser usado com a consciência é um momento bênção de Deus em nossas vidas, que não devemos desperdiçar com atitude irresponsável.

O cristão e a sociedade

Jesus declarou que estamos no mundo mas não somos do mundo.

Os evangélicos são cidadãos do céu e da Terra. Faz parte da sociedade, e na condição humana ele vota. Ao votar, seu corpo está em conexão com a matéria em derredor, mas seu espírito deve estar conectado com o Espírito Santo, sua alma deve proceder de acordo com a vontade de Deus.

Como o cristão deve envolver-se na política? Somos seres sociais, e devemos agir na sociedade de maneira proativa. Nada mais natural do que esforçar-se para fazer parte do processo eleitoral e conduzir os rumos da cidade, estado e país, cuidando para que o gesto político seja inteligente.

A separação da Igreja e do Estado

A Laicidade não é a supremacia do ateísmo. O Estado Laico acolhe todas as religiões pacificamente, não as elimina! A Laicidade apenas sistematiza as regras da nação para suas leis sejam imparciais no quesito religião, para que as religiões coexistam sem se sobrepor às outras pela força das leis.

A absoluta separação da Igreja e do Estado não é física. A condição de Estado Laico não quer dizer que não seja possível que o cristão exerça seu papel como um representante do povo nas esferas do Executivo e do Legislativo. É legítimo que o eleitor tenha seus representantes e que espere que exerça sua representatividade usando todos os recursos democráticos disponíveis em seu favor.

A demonização da política

Ao olhar para as Escrituras, encontramos pessoas que temiam a Deus e faziam política. No episódio em que o corpo de Jesus foi supultado, a narrativa aponta a atuação de um Senador, que agiu politicamente seguindo a vontade de Deus. "Chegou José de Arimatéia, senador honrado, que também esperava o reino de Deus, e ousadamente foi a Pilatos, e pediu o corpo de Jesus" - Marcos 15.43.

Há quem diga que o crente politizado é o santo misturado com o profano.

Um preconceituoso adágio popular diz que o cristão que se envolve em política acende uma vela para Deus e outra para o diabo. Não convém pensar que o cristão na política seja um apóstata da fé.

Se o cristão entra para o meio político e depois ele é flagrado em atos ilícitos, o problema está no caráter dele e não no lugar em que está. Alguém certa vez disse que a política não corrompe, ela revela pessoas corruptíveis.

O político pedindo votos no templo

É lament[ável que existam pessoas preconceituosas acusando lideranças evangélicas e candidatos, que se encontram, como se fosse ato intencional de venda e compra de favores políticos. É possível que exista isso em muitos lugares, mas generalizar é cometer injustiça.

O pastor, assim como qualquer outro cidadão, tem a liberdade de usar o seu direito de dar sugestões de voto. Por sua vez, o liderado é livre para votar em quem ele julgar merecedor.

Preconceituosos alegam que os políticos corrompem pastores, e que os pastores têm debaixo dos seus pés os membros da igreja, são capazes de dirigir a vida deles, fazer com que todos votem em quem eles quiserem. Acredito que quem acredita nisso seja muito ingênuo. Não é possível negociar votos como se negocia um carro, não há condições do “toma-lá-dá-cá”. E quando há tal tipo de corrupção entre líder e candidato, a parte com menos inteligência é a do candidato corruptor.

É perfeitamente legal e viável a relação do líder evangélico com candidatos políticos, É uma relação íntegra, que não prejudica a transparência do Evangelho genuíno, se as partes são honestas. O encontro para que a liderança apresente alguém que é de sua confiança é uma atitude que está dentro da lei eleitoral, basta que ambos respeitem as regras estabelecidas pela Justiça Eleitoral para essa ocasião.

Se o candidato respeita a reunião de culto, então não vejo nada errado. O eleitor vota se quiser, e o candidato escuta a mensagem do pastor. Pedir votos está muito longe de ser uma atitude de corromper a Igreja de Cristo. Na minha opinião, o dirigente do culto deve cuidar em separar o momento da liturgia, não misturar o tempo de culto com o momento dedicado ao candidato, por questão de reverência ao Deus que cultuamos.

Recado aos que desejam distanciamento do processo político

Aos que têm o sentimento de aversão, eu gostaria de lembrar que as informações que nós recebemos sobre os candidatos evangélicos em quem votamos, e se elegeram, chegam a nós por meio das mídias seculares. E nem sempre entre os jornalistas não cristãos o profissionalismo é maduro, às vezes acima do dever da profissão, que é informar com imparcialidade, existe o preconceito ou interesses inconfessáveis. E aquilo que tem aura de notícia não corresponde com a realidade.

Ao ler uma nota acusatória contra irmãos em Cristo, o mínimo que devemos fazer por ele é lhe conceder o benefício da dúvida, dar-lhes a presunção da inocência. E esperar que o acusador prove a sua acusação. Agir dessa maneira é agir segundo as leis que regem o Brasil e também embasados na Lei de Cristo, que é exercer o amor.

Conclusão - O voto consciente, fé e amor

Não é correto votar influenciado pela peça publicitária que aparece na TV e nem por causa das promessas do candidato. A pessoa privilegiada pelo recebimento do voto deve ser escolhida através do resultado de informações que o eleitor colhe sobre o passado dela em fontes que não ligadas ao seu partido político.

Conscientize-se antes de digitar o número do candidato. Apesar de leigo em política, é dever de todo cidadão, incluso os evangélicos, informar-se sobre o quadro político de sua cidade, estado e nação. Com opinião embasada, o voto é um tiro certo contra políticos ineficazes.

Votar com responsabilidade e conscientemente é o mesmo que dar provas de amor a quem mais nos ama. Sim, porque todas as nossas atitudes provocam consequências. O voto certo é um bem que fazemos a quem amamos, molda positivamente o nosso futuro e o futuro das pessoas que gostam da gente e de quem gostamos.

E.A.G

Nenhum comentário:

As 7 postagens mais acessadas na semana

As 7 postagens mais acessadas nos últimos 30 dias

As 7 postagens mais populares (geral - desde 12 de junho de 2007)

▲ Clique na imagem para retornar ao topo do blog.

Bola colorida na areia da praia. By Eliseu Antonio Gomes

Bola colorida na areia da praia. By Eliseu Antonio Gomes
Cidade Ocean - Praia Grande - São Paulo/SP - Brasil.