Research | Pesquisar artigos de Belverede

Select the language

segunda-feira, 31 de outubro de 2011

O rato da cidade e o rato do mato

Em certa feita, chegou ao centro urbano de uma grande metrópole uma ratinho magro. Passava fome, estava desnutrido e procurava lugar melhor para continuar a viver. Ele veio do meio de um grande matagal seco, lugar de comida escassa e onde a existência era pela hora da morte.

Com firme decisão de encontrar dias melhores, se aventurou na cidade grande. E um dia encontrou por obra do acaso um rato gordo.

- Amigo, tudo bem?

- Sim, mas me parece que você não vai assim tão bem - foi a resposta, com uma passadela de olhos de soslaio sobre a silhueta quase cadavérica do rato do mato.

- Como faz para ter suas refeições fartas? - perguntou o ratinho faminto.

- Eu moro em uma casa onde não há impecilho para comer.

- Teriia a bondade de indicar este local?

Então, os dois foram para a residência; Mas, chegando lá o rato do mato levou um tremendo susto. Eis que bem perto de uma tigela de comida suculenta estava um gato gordo a dormir.

- Amigo, o que é isso? Disse-me que não havia problemas para se alimentar!

- E não existe. Olhe o gato. Ele está sempre de estômago cheio. Ele só come do bom e do melhor. Gosta de peixes e carne de primeira.

- É loucura fazer a aproximação - disse o rato do mato, acostumado a evitar predadores.

- Vou provar o que disse. Este bichano é dorminhoco, preguiçoso, ele não oferece nenhum risco.

Rapidamente, o rato gordo partiu das palavras à ação. E passou bem pertinho do gato gordo, quase entre seus fios do bigode, e sumiu para dentro da cozinha daquela casa. Ao retornar, trouxe um pedaço enorme de queijo, fez o mesmo trajeto, passando bem pertinho do focinho do bichano, que dessa vez abriu os olhos e acompanhou o caminhar do ratinho, mas sem se mexer um milímetro da sua posição confortável.

- Viu isso, caipira?! - disse o rato gordo.

- É inacreditável!

- Agora é sua vez, vá trazer o seu prato predileto.

- Não, não tenho coragem. Ele não deverá reagir bem se me ver. Vá você outra vez!

- Pois bem, covarde, lá vou eu!

Em desabalada carreira, o rato gordo foi pelo mesmo caminho. O gato abriu os olhos outra vez, e num lance muito rápido cravou suas unhas pontiagudas da pata esquerda sobre o rato confiante e o levou para dentro da boca.

 Trêmulo, e bem longe da cena trágica, o rato do mato pensou:

- Mais vale ser um rato magro do que um rato gordo na boca do gato! - e saiu daquele lugar.

Moral da estória: não vale a pena abusar da sorte.

E.A.G

Um comentário:

Evangelista Elias Carvalho disse...

Paz Senhor Irmão Elizeu!

Legal!

Que Deus o abençoe!

As 7 postagens mais acessadas na semana

As 7 postagens mais acessadas nos últimos 30 dias

As 7 postagens mais populares (geral - desde 12 de junho de 2007)

▲ Clique na imagem para retornar ao topo do blog.

Bola colorida na areia da praia. By Eliseu Antonio Gomes

Bola colorida na areia da praia. By Eliseu Antonio Gomes
Cidade Ocean - Praia Grande - São Paulo/SP - Brasil.