Objetivo

Este site tem a finalidade de, com toda a simplicidade das pombas, prudentemente, mostrar o que o crente em Jesus espera. Reflexão. Informação. Opinião. Fotografia. Troca de ideias. Blog idealizado por Eliseu Antonio Gomes. Criado em 12 de junho de 2007.

Select the language

Arquivo | 13 anos de postagens

Pesquisar este blog

terça-feira, 16 de agosto de 2011

Gênesis: o primeiro livro da Bíblia

O nome “Gênesis” origina-se de uma palavra grega que significa “principio”. Este termo é o título do livro na Septuaginta – a tradução do Antigo Testamento para o idioma grego. O nome hebraico para Gênesis é Bereshith (no princípio). 

Gênesis é a estrutura sobre a qual repousa o restante da Bíblia. O livro começa com “no princípio” e traça o início do universo, bem como do homem, mulher. Leva ao início das eras para encontrar as respostas. Fala sobre muitos começos: o primeiro casamento, a primeira adoração, o primeiro pecado, o primeiro julgamento, a primeira civilização, as primeiras plantas, os primeiros animais; o primeiro anúncio da salvação de Deus. O livro narra desde a época da criação - data sobre a qual podemos apenas especular - até o dia em que Israel chegou ao Egito e se tornou nação (cerca de 1800 a.C.).

O propósito do livro é mostrar - por meio de relatos históricos - que, quando Deus criou o mundo, este era bom. Nas páginas de Gênesis vemos que quando o pecado entrou no mundo, corrompeu a criação e levou Deus a iniciar seu plano de salvação. 

Os cinco primeiros livros da Bíblia – Gênesis, Êxodo, Levíticos, Números e Deuteronômio – são chamados de Torá e Pentateuco. Torá é termo utilizado pelos judeus, e refere-se à Lei e ensino. Pentateuco é palavra cunhada por volta de 200 d.C. e significa “volume de cinco livros”, ou “cinco rolos”.

As divisões do livro

A primeira parte (capítulos 1-11) apresenta uma ampla visão dos procedimentos de Deus desde a Criação até Babel – um período caracterizado pela deslealdade humana. Mostra também a maneira de Deus tratar com Noé, com Abraão e com muitos outros, demonstrando o desejo do Criador  ter comunhão com a criatura humana.

A segunda parte, os capítulos 12-50, focalizam o relacionamento de Deus com um homem (Abraão) e sua descendência durante quatro séculos seguintes, quando uma nação é criada e a salvação é prometida à raça humana decaída. Note-se que o realce que o livro de Gênesis confere à relação entre Deus e a humanidade – interrompida no jardim é restaurada por sacrifícios e encontros com Deus.

Se você é como a maioria das pessoas, talvez já se tenha preocupado com as profundas questões da vida. Por que estamos aqui? Qual o significado da vida? Então, tenha em mente que as coisas escritas no Antigo Testamento foram registradas para a nossa instrução, para que, mediante a perseverança e o estímulo das Escrituras, pudéssemos manter a fé e a esperança (Romanos 15.4).

Gênesis: interpretação literal?

Jesus interpretava o livro de Gênesis ao pé da letra. Por que eu o interpretaria diferente?

À medida que estudamos os Evangelhos, vemos que Jesus se referiu à criação de Adão e Eva, ao dilúvio e à destruição de Sodoma e Gomorra literalmente. O Senhor chegou a referir-se a Satanás como assassino desde o começo. Jesus nunca se referiu ao ensino de Gênesis como não literal; ao contrário, dava-lhe apoio como fatos reais.

E.A.G.

Consultas: Caminhada Diária (Editora Sepal), Bíblia de Estudo Indutivo (Editora Vida), Bíblia de Estudo Vida (Editora Vida), Bíblia de Estudo Palavras Chave (Editora CPAD).

Nenhum comentário: