Research | Pesquisar artigos de Belverede

Select the language

quinta-feira, 14 de julho de 2016

Igreja, uma agência evangelizadora

EBD - Terceiro trimestre de 2016 - CPAD - O Desafio da evangelização: Obedecendo ao ide do Senhor Jesus de levar as Boas Novas a toda criatura. Comentarista: Claudionor de Andrade. Lição 3: Igreja, uma agência evangelizadora.
Por Eliseu Antonio Gomes 

A Teologia Sistemática classifica a Igreja de Cristo com dois conceitos que se encontram nas Escrituras: igreja invisível e igreja visível. 

A igreja visível está identificada com aquele grupo de pessoas que se reúnem em nome de Jesus em várias partes do globo terrestre. É a igreja geográfica, étnica, forjada num tempo, numa história e numa cultura. É a igreja que celebra a Cristo em várias partes do planeta (Atos 2.1; 13.1-2).

Em relação à igreja invisível, as Escrituras Sagradas se referem a ela como a Igreja, Corpo de Cristo, formada por milhões de pessoas de todos os tempos e lugares. Essa igreja é atemporal e sem limites geográficos. Nela, estão presentes crentes do passado, do presente e do futuro. A Bíblia chama essa igreja  de o Corpo Místico de Cristo; nome dado à Igreja Universal que Jesus fundou, onde Ele se fez o "cabeça" da Igreja, a "pedra da esquina".

A Igreja Invisível é a geração eleita, sacerdócio real e povo adquirido por Deus, para que exista, basta duas pessoas congregarem-se sob a invocação de Cristo, para que Ele se manifeste entre ambas e, por intermédio delas, aja abençoando. A reunião de duas ou três pessoas, invocando o nome do Senhor, perfazem um número suficiente para que se tenha uma comunidade proclamadora do Evangelho (Mateus 18.20; 1 Pedro 2.9; Mateus 18.20).

A definição da palavra igreja

A Igreja já foi definida como uma assembleia dos que foram chamados para fora. Nessa definição, vemos que a etimilogia do termo grego ekklésia é bastante emblemática. Temos duas palavras distintas nesse vocábulo. Ek: "de"; "para fora". Kaleõ: significa "ser chamado"; "ser convocado".

A Ekklésia grega era uma assembleia de cidadãos intimados para fora de suas casas, a fim de tratar de algum assunto de interesse público. Tendo em vista a natureza da "igreja" grega, aprouve ao Senhor Jesus usar o mesmo termo para nomear a universal assembleia de homens e mulheres provenientes de todas as nações da terra.

Jesus poderia ter dito "Sobre esta pedra fundarei a minha sinagoga". Caso tivesse dito, limitaria a atuação de seus discípulos, pois os judeus, numa localidade gentílica, não seriam chamados para fora, para anunciar Deus e Cristo a todos os povos, mas convocados para dentro da nação de Israel e dentro de congregações israelitas adorariam a Jeová sem a obrigação de compartilhar sua fé com os gentios.

A Igreja de Cristo é superior à assembleia grega e mais sublime que a sinagoga judaica. Ela, por ser a Igreja e pertencer a Cristo, jamais deixará de ser um organismo, ao passo que estas nunca transcenderão os limites de organização.

É importante frisar que a Igreja Primitiva evangelizava sem se descuidar das necessidades dos pobres e necessitados. Se por uma lado, dava-lhes o pão do céu, por outro, não lhes negava o pão saído do forno, para sustentar o corpo físico.

Filipe, o evangelista (Atos 9.6-7)

Há cerca de 2 mil anos, um anjo mobilizou Filipe a sair de onde estava, ao encontro de um etíope, alguém que desejava pelo conhecimento do Deus vivo. Mesmo tendo em mãos o livro do profeta Isaías, aquele homem não conseguia compreendê-lo. Quão glorioso é o fruto que resultou da disponibilidade de Filipe em sair da sua zona de conforto rumo ao necessitado. Sem mencionar os demais frutos que possivelmente  o etíope deve ter ganho para Cristo, passando a lição que aprendeu adiante.

Assim como o etíope, existem muitas almas esperando por um cristão disposto a compartilhar o conhecimento do Plano da Salvação. Os servos do Senhor são compelidos a expandir as paredes da igreja, ir onde estão os perdidos. Jesus morreu por todos e deseja que todos saibam que poderão ser salvos por intermédio do seu sacrifício na cruz (Isaías 53.1-12; Mateus 9.12-13).

A Igreja Primitiva em Antioquia (Atos 13.1-2)

Não sabemos quem fundou a igreja em Antioquia. Mas temos a informação bíblica que aqueles obreiros anônimos souberam como edificá-la na Palavra de Deus e no poder do Espírito Santo, e que tinham visão missionária bíblica.

Os discípulos de Cristo que fixaram residência em Antioquia não demoraram a realizar missões. Eles evangelizaram gregos, bárbaros e romanos, e a partir daquele momento a Igreja de Cristo, dirigida pelo Espírito Santo, começou a universalizar-se, até chegar a nós, os crentes do século 21. Dentre membros daquela igreja, saíram os primeiros missionários transculturais do Cristianismo e aquela igreja passou a ser conhecida como a igreja missionária, um modelo para todas as igrejas que se comprometem a enviar missionários, sustentá-los no campo e assistir aos que retornam da obra.

A proclamação

Se a igreja evangeliza e faz missões, é verdadeira.

Ora, se a natureza da Igreja de Cristo é a proclamação do Evangelho, ela deve peregrinar de proclamação em proclamação até que o Senhor venha, pois subsiste pela proclamação e pelo ensino da doutrina dos profetas e dos apóstolos.

A Igreja de Cristo se faz conhecida pelo evangelho que proclama, pela doutrina que ensina e pelo discipulado que emprega na formação de novos crentes. Alguém afirmou, certa vez, que a Igreja não é um clube de iates, mas uma frota de pesqueiros. De maneira sutil e delicada, esclareceu que a principal tarefa da Igreja é a evangelização; deixou patente que a Igreja, por sua natureza e vocação, é a agência por excelência de evangelismo e missões. É assim descrita porque Cristo estabeleceu-a e deu a ela a suprema missão de anunciar o Evangelho a toda criatura.

A primeira grande verdade proclamada sobre Jesus, no Novo Testamento, é que Ele é o Filho do Deus vivo (Mateus 16.16). Caso não o apresentamos como Filho de Deus, poderemos até apresentar uma bela peça de oratória, mas jamais a autêntica pregação evangélica. Se não pregarmos um Cristo que não procede de Deus, jamais convenceremos o mundo do pecado, da justiça e do juízo. E por este motivo, o Senhor ordena que os convertidos sejam batizados em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo (Mateus 28.19).

Em segundo lugar, ao realizar a proclamação evangelística, é necessário apresentar ao pecador Jesus Cristo como Aquele que morreu como Verdadeiro Homem e Verdadeiro Deus, o Crucificado de Deus que veio tirar o pecado do mundo.

Em terceiro lugar, proclamar a Cristo como o Ressurreto de Deus. Se proclamamos a morte sem anunciar a ressurreição, nossa evangelização será incompleta. O pecador precisa ouvir que Jesus não ficou preso à cruz, nem detido no sepulcro, mas que, após três dias, ressurgiu com poder e glória. Que cada pecador saiba que Jesus morreu e ressuscitou e agora ainda está vivo, intervindo no mundo e governando a Igreja, por meio do Espírito Santo.

A quarta etapa da proclamação evangelística, é apregoar o Cristo Vivo, tal qual fez o apóstolo Pedro na Declaração de Cesareia (Mateus 16.16). É necessário fazer o pecador saber que Jesus está no controle do universo, da História e da nossa vida. Deus não se esconde em sua transcendência, antes, revela-se amorosamente; em suma imanência o Pai intervém na história do universo por meio do Filho. Ao proclamar que Jesus, além de morrer e ressuscitar, acha-se no governo de todas as coisas, nós afirmamos ao pecador que Ele não é mais um entre os fundadores de religiões e seitas, nós o entronizamos como o Rei dos reis e o Senhor dos senhores (Apocalipse 19.16).

O quinto passo ao anunciar o Evangelho ao pecador, é fazê-lo entender que Cristo é o Deus pessoal. Quando o profeta Isaías escreveu a mensagem sobre a concepção virginal de Maria, deixou claro que o Filho, assim como o Pai, seria um Deus pessoal. Emanuel: Deus conosco (Isaías 7.14; Mateus 1.23). Assim sendo, proclamemos que Jesus quer, além de ser o Rei dos reis e Senhor dos senhores, firmar um relacionamento pessoal íntimo com o ser humano. Precisamos dizer ao pecador que Jesus é o Deus comigo, Deus contigo, que a presença dEle permeia o corpo, a alma e o espírito de toda pessoa que o recebe como Senhor e Salvador.

Conclusão

A evangelização é a missão prioritária da Igreja, mas, infelizmente, muitos cristãos não dão a devida importância à ordenação de Cristo (Mateus 28.19-20), pois estão preocupados em erguer grandes templos. É importante  ressaltar que não há nada de errado eme erguer um templo confortável, bonito e espaçoso, afinal, evangelizando almas o número de membros aumenta e as almas convertidas congregarão nele. O erro reside em utilizar todos os recursos e energia na construção e abandonar a pregação do Evangelho.

Não há tempo a perder, sabemos que Jesus virá e precisamos evangelizar hoje. Os discípulos de Cristo sempre serão chamados para fora, com a finalidade de proclamar o Evangelho. Toda vez que faz isso, age como luz no mundo e sal da terra, ilumina as trevas com a exposição da verdade e preserva os tecidos sociais mais comprometidos, esclarecendo a vontade de Deus.

A Igreja de Cristo está devidamente aparelhada pelo Espírito de Deus, para ensinar a verdadeira doutrina. Nosso testemunho, portanto, não deve ficar emparedado, nem aprisionado pela burocracia eclesiástica. Se somos Igreja, agiremos como Igreja. Sairemos a evangelizar e a fazer discípulos até a fronteira final deste globo, anunciando que Jesus salva, batiza com o Espírito Santo e cura os males do corpo.

E.A.G.

Compilações
Ensinador Cristão, páginas 22, 37; ano 17, nº 67, julho-setembro de 2016, Bangu, Rio de Janeiro - RJ (CPAD).
Lições Bíblicas - O Desafio da Evangelização: obedecendo ao ide do Senhor Jesus de levar as Boas-Novas a toda criatura - Professor - Claudionor de Andrade, páginas 20 a 24; 3º trimestre de 2016, Bangu, Rio de Janeiro - RJ (CPAD).
O Desafio da Evangelização - Obedecendo ao ide do Senhor Jesus de levar as Boas-Novas a toda criatura; Claudionor Gonçalves; páginas 29 a 37; 1ª edição 2016; Bangu, Rio de Janeiro - RJ (CPAD).

2 comentários:

Verônica Menezes disse...

Muito bom esse estudo dado pelo sr, que Deus o abençoe e revele ao seu coração para que sejam transmitidos para nós o genuíno Evangelho de Jesus Cristo. Amém.

Eliseu Antonio Gomes disse...

Verônica.

Ao criar e manter o Belverede ao longo desses nove anos de atividade, quase que diária, a ideia é a transmissão do conhecimento do Evangelho de Cristo.

Ore por mim, e por todos os blogueiros e blogueiras que fazem o mesmo.

Deus continue a abençoar você também.

As 7 postagens mais acessadas na semana

As 7 postagens mais acessadas nos últimos 30 dias

As 7 postagens mais populares (geral - desde 12 de junho de 2007)

▲ Clique na imagem para retornar ao topo do blog.

Bola colorida na areia da praia. By Eliseu Antonio Gomes

Bola colorida na areia da praia. By Eliseu Antonio Gomes
Cidade Ocean - Praia Grande - São Paulo/SP - Brasil.