Research | Pesquisar artigos de Belverede

Select the language

terça-feira, 2 de dezembro de 2014

As setenta semanas de Daniel


Por Eliseu Antonio Gomes

O capítulo nove de Daniel é um dos mais controvertidos e especulados da Bíblia. Quantas datas foram marcadas para a vinda de Jesus a partir desse capítulo? Quantas pessoas pensaram que o Anticristo foi Hitler? Ou o Papa? Tudo a partir da leitura deste capítulo.

Encontramos no capítulo nove a terceira visão das revelações a respeito do tempo do fim, onde de maneira direta e através do anjo Gabriel o profeta Daniel recebeu de Deus tais informações. Tudo o que é descrito nesta passagem não tem relação com a história mundial ou com a história da Igreja, mas trata exclusivamente de Israel e de Jerusalém.

Ao escrever, o autor tem em mente o primeiro ano do império persa, 539 a. C., mencionado em Esdras 1.1 como o primeiro ano de Ciro.

As duas divisões do capítulo

1. A oração do profeta (9. 2-19)

É importante considerar que pela primeira vez no livro é a iniciativa de Daniel que ocasiona uma revelação.

Daniel leu os textos de Jeremias 25.11 e 29.10 e tomou ciência que haveria um intervalo de setenta anos antes da restauração do santuário, entendeu que o exílio na Babilônia duraria este período e, calculou que o tempo já estava quase passado. Ele reconheceu que a restauração dependia do arrependimento nacional, de modo que intercedeu pessoalmente por Israel, embora não exista registro que fosse sacerdote.

Em sua penitência e petições, jejuou e orou com a intenção de confirmar a profecia de Jeremias, humilhou-se perante o Senhor, confessando os pecados do povo e incluindo-se como um dos pecadores, implorou que se manifestasse a misericórdia divina. Pediu especificamente pela restauração de Jerusalém e do templo (9.3-19), fazendo menção da escravidão dos judeus no Egito e da intervenção de Deus possibilitando que os judeus ficassem livres das mãos de Faraó.

2. A resposta de Deus através do anjo (9.20-27)

Diante da disposição do profeta em buscar os desígnios de Deus com humildade e sinceridade, o anjo Gabriel surge a Daniel com o objetivo de satisfazer sua sede de conhecimento da vontade do Senhor.

A mensagem dada através de Daniel toma por garantida a reconstrução do santuário e reinterpreta os setenta anos para fazê-los aplicáveis ao período posterior, do qual o oitavo capítulo 8 fez abordagem.

Aparentemente, ele esperava o cumprimento imediato e completo da restauração de Israel com a conclusão do cativeiro dos setenta anos, mas a resposta esclareceu a ele que a restauração de Israel seria progressiva e se cumpriria definitivamente no tempo do fim.

As setenta semanas (9.24)

O relato de Daniel deixa implícito que estes anos de desolação estavam cumprindo alguma função, e tinham de transcorrer antes que qualquer nova construção tivesse lugar. Setenta anos era o termo fixo da indignação divina (Zacarias 1.12), descrito em 2 Crônicas 36.21 como "os dias em que a terra cumpriu os sábados, até se completarem setenta anos". A compreensão ritual do termo o leva além da esfera meramente numérica.  dando-lhe um significado ético e teológico. Existem várias formas de se contar o período de exílio, nenhuma das quais chega a um número exato de setenta anos. O ponto importante é que a restauração marcava a aceitação por parte do Senhor, que, restaurando o Seu povo de volta à sua terra, demonstrava assim tê-los perdoado e restabelecido (Isaías 40.1).

A profecia de Jeremias ganha um sentido maior depois que Daniel descobriu que o exílio de Israel duraria setenta anos. Não se tratava de um tempo aleatório, mas, de fato, significava um tempo especial que envolveria o seu povo Israel. O número setenta ganha um significado escatológico, para descrever na linguagem bíblica fatos futuros. Cada dia da semana significando um ano, e assim, cada semana ganha a representação de um período de sete anos. Portanto, as setenta semanas compreendem a 70 x 7 = 490 anos.

A contagem dessas setenta semanas, determinadas por Deus (9.24), teria seu início a partir do decreto de Artaxerxes, promulgado em 445 a.C.

A profecia divide as setenta semanas em três períodos distintos:

1. O primeiro período de sete semanas, é equivalente a 49 anos, ou seja, sete períodos de sete anos.

2. O segundo tempo seria de sessenta e duas semanas. Interpreta-se 62 x 7 = 434 anos. Essas sessenta e duas semanas, somas às sete primeiras semanas, chegariam ao tempo da restauração de Jerusalém até a vinda do Messias.

3. O terceiro período,  denominado como "o de grande tribulação" (9.27), implica em uma semana, ou seja, sete anos, quando haverá uma invasão do Anticristo e se iniciará um tempo extremamente difícil para o povo judeu.

Os três príncipes

O esclarecimento do anjo Gabriel sobre as setenta semanas cita três personagens:

O primeiro é chamado de Messias (9.25), que aparecerá depois que as 62 semanas estiverem cumpridas, trata-se de Jesus Cristo.

O segundo príncipe é aquele que aparecerá posteriormente e destruirá a cidade e o santuário (9.26), refere-se, especificamente, a Tito, que com suas milícias romanas entrou em Jerusalém no ano 70 d.C. e destruiu o templo, profanando o santuário e desterrando completamente o povo judeu. Depois dessa destruição, os judeus deixaram de ser um povo estabelecido como nação, espalhando-se pelo mundo inteiro.

O terceiro, surgirá no futuro, na última semana profetizada,e é dito que "destruirá a cidade e o santuário" (9.27). É mencionado em Daniel 8.23 como "o rei de cara feroz", o "homem do pecado" e "filho da perdição" por Paulo em 2 Tessalonicenses 2.1-8, e de anticristo por João (1 João 2.18).

Conclusão

Muitos comentaristas têm falhado em explicar o significado exato das  palavras contidas no texto de Daniel 9.24-27. Cabe a nós, leitores da Bíblia, orar e aplicar critérios coerentes de maneira mais consistente possível, analisar cuidadosamente as conclusões de outros e apresentar as sugestões quanto ao que poderia ser a solução mais provável para um problema complicado.

Daniel tinha o hábito de estudar os Livros e orar três vezes por dia. Graças a essa característica, soube encaixar os acontecimentos de sua época dentro da Palavra Profética, estava qualificado ao ministério da intercessão. Que a tomada de propósito de Daniel sirva a todos nós de estímulo para buscarmos a vontade do Senhor com inteireza de coração. Que tal qual ele, que decidiu se preparar  por meio de jejum e um período de oração em favor de Israel, tenhamos o objetivo de interceder em favor do próximo, do Brasil, demais nações e inclusive Israel.

Não é verdade quando se diz que os cristãos não devem se preocupar com as coisas que acontecem ao seu redor. Nós temos que observar os acontecimentos políticos e econômicos de nossa época à luz das Escrituras Sagradas. A Palavra de Deus nos desafia a olhar para os sinais dos tempos e esperar pelo encontro com o Senhor, assim como fizeram os profetas do Antigo e Novo Testamento.

E.A.G.

Compilações:
As profecias de Daniel - Perspectivas de futuro, Norbert Lieth, páginas 168, 176, edição 2014, porto Alegre (Actual Edições).
Daniel - Introdução e Comentário, Joyce G. Baldwin, páginas 172, 175, 1ª edição 1983, reimpressão 2008, São Paulo (Vida Nova) .
Ensinador Cristão, ano 15, página 41, outubro-dezembro de 2014, Rio de Janeiro (CPAD).
Integridade Moral e Espiritual - O legado do livro de Daniel para a Igreja Hoje, Elienai Cabral, páginas 128-130, 1ª edição, 2014, Rio de Janeiro (CPAD)..

Um comentário:

Rose Santos disse...

É incrível como Deus intervém na história, uma profecia dita há tantos anos ainda não foi concretizada.
Deus não retarda suas promessas, ainda que muitos a tenha por tardia.

As 7 postagens mais acessadas na semana

As 7 postagens mais acessadas nos últimos 30 dias

As 7 postagens mais populares (geral - desde 12 de junho de 2007)

▲ Clique na imagem para retornar ao topo do blog.

Bola colorida na areia da praia. By Eliseu Antonio Gomes

Bola colorida na areia da praia. By Eliseu Antonio Gomes
Cidade Ocean - Praia Grande - São Paulo/SP - Brasil.