Research | Pesquisar artigos de Belverede

Select the language

quinta-feira, 24 de março de 2016

Deus console os enlutados quando a dor da morte e do luto chegar


Passei pelo luto duas vezes.

Na primeira, era 1977, eu tinha doze anos e uma fatalidade levou meu irmão de apenas nove anos de idade. Sonhei muitas vezes que aquela morte fazia parte de um sonho ruim e acordava decepcionado constatando a realidade da perda. Superei.

Recentemente, perdi minha mãe. Meu coração recebeu o consolo do Espírito, me avisando que ela estava salva em Cristo, antes mesmo que os médicos anunciassem o óbito dela. Mas, mesmo assim a reação física que experimentei foi algo inédito. Sendo eu uma pessoa contida, acumulando quatro décadas "de bagagem", percebi que ainda não me conhecia completamente. Fui surpreendido por um tremor nas carnes dos braços e pernas; não queria chorar, contudo as lágrimas desciam. a vista escureceu por alguns segundos e tive que ficar assentado. Acontecia sem que pudesse parar, como o descontrole de piscar os olhos, como a ação de respirar e inspirar... Superei isso, também. 

Nesta segunda ocasião, tive o desconforto de ouvir “pessoas espertas” dizendo que não deveria agir daquela maneira, como se estivesse premeditando, querendo dar um show. E era exatamente o oposto, quis me apresentar forte e fracassei no intento, nunca quero ser o centro das atenções em nenhuma situação.

Hoje, encontrei uma postagem que serve de suporte para quem sofre a dor da perda de entes queridos e além disso encontram pessoas que não sabem lidar com gente enlutada. Não pensei duas vezes sobre a necessidade de deixar o texto aos leitores de Belverede.

E.A.G.

__________ 

Marcelo de Oliveira e Oliveira

Em algumas partes do meio evangélico pentecostal, uma mãe chorar a morte do filho ou a esposa sofrer a partida repentina do esposo é “pecado”. Quer-se a todo custo que a pessoa enlutada permaneça firme na “obra de Deus”. Infelizmente, esse pensamento faz parte de uma perspectiva teológica equivocada e sem contexto de que os “mortos devem enterrar o seus mortos” e de que não há tempo para o “servo de Deus” sofrer as agruras da vida porque a “obra de Deus” não pode parar.

Pessoas que pensam assim, não têm noção de que a maior obra de Deus, neste caso, é consolar quem perdeu o seu ente querido: “Se alguém entre vós cuida ser religioso e não refreia a sua língua, antes, engana o seu coração, a religião desse é vã. A religião pura e imaculada para com Deus, o Pai, é esta: visitar os órfãos e as viúvas nas suas tribulações e guardar-se da corrupção do mundo” (Tg 1.26,27).

Que tristeza ver pessoas se desumanizarem em nome de uma fé que nada tem a ver com o Evangelho! Pior ainda é contemplar gente disferindo ataques contra o dia de finados pensando defender a fé cristã. Não vou tão longe, no sentido de fazer culto aos mortos, pois pelo Evangelho eu sei que Deus é o Deus de vivos e que quaisquer pessoas que, em Cristo, passaram da vida para morte estão vivas. Entretanto, a memória de quem se foi deve ser preservada sim. A mãe deve viver o luto da passagem do seu filho. Ora, imagine a dor! Imagine o sofrimento! Imagine a angústia!

No luto, o tempo é de parar e de se recolher. É tempo de repensar a vida. É tempo da comunidade dos santos sair das quatro paredes para consolar, abrandar o sofrimento e dar o absoluto apoio para a pessoa enlutada. Não é tempo de cobrar a ausência aos cultos da pessoa enlutada. Por favor, não faça isso! Embora eu entenda que pode haver a mais pura e doce intenção nessa cobrança, isso soa despreocupação com o estado existencial de quem perdeu o ente querido.

Recentemente, aconselhei uma pessoa dilacerada pela dor da perda e pela dor de não ter achado em sua igreja local o consolo e o abraço amigo. Isso ocorreu fora do Rio de Janeiro. Como é triste batalhar a vida inteira pela causa do Evangelho e quando se mais precisar não achar apoio onde deveria havê-lo em primeiro lugar: “visitar os órfãos e as viúvas nas suas tribulações” (Tg 1.27).

Com muito amor e carinho, a senhora sofrida ouviu de minha boca as palavras pelas quais passo a relatar: Minha irmã, ignore totalmente as palavras de quem pensa assim, pois ela não sabe o que diz. Não adianta persistir! Essa pessoa não entenderá o que realmente importa na causa do Evangelho. Quanto à senhora, chore a morte da sua filha. Chore, porque Jesus chorou a morte do seu amigo Lázaro, o que significa que o nosso Senhor compreende bem o que a senhora está sentindo. Leia diariamente os salmos 23 e 38. Esses salmos me confortaram muito quando fui atacado pela depressão. Leia-os orando, pedindo misericórdia e graça ao Senhor. Tenho certeza de que o nosso Senhor não lhe abandonará, como não me abandonou. Se puder, faça uma viagem com suas outras filhas e esposo. Vá para bem longe, procure estar mais próxima daqueles que te amam e lhe querem bem. Isso não vai sarar a dor da perda, porque não há nada que repare a dor de uma mãe que perdeu uma filha, mas tais atitudes certamente lhe trarão consolo e esperança. Mais paz e equilíbrio, sabendo que a sua filha amada agora está viva com o Pai.

Com isso, o Corpo de Cristo deve consolar uns aos outros para que todos tenhamos esperança em Deus (1 Ts 4.18).

Que essa humilde palavra também possa servir de consolo e paz para você, seja a que cobra o outro, ou seja a pessoa enlutada.

Fonte: http://marcelooliveiradeoliveira.blogspot.com.br/2015/11/quando-dor-da-morte-e-do-luto-chegar.html

4 comentários:

Arlete Oliveira disse...

olá irmão Eliseu!
com certeza esta postagem atingiu, ajudando muitas pessoas...e independente se sabem do porvir pela Palavra de Deus ou (ainda) não...todos sem exceção temos memória da vida; sentimentos, recordações de situações várias junto daqueles que partem... e para mim, o choro é natural, digo até necessário sim, ... não que seja 'padrão' mas o choro faz transbordar a SAUDADE que já estamos sentindo... chorando ou não todos sofrem na partida de alguém seja familiar, amigo ou próximos de gente que convivemos...

porém o triste mesmo são aqueles que choram por REMORSO... o que de melhor se pode fazer aqui amém, mas depois que acontece a partida resta a SAUDADE mesmo...

assim graças ao Bom Deus que traz consolo a nós, Ele o Consolador, o Espírito Santo opera também nessa 'final' hora da vida.

Que a Paz do Senhor seja com todos e todas as famílias!

Luciana Quedevez "Para a glória de Deus" disse...

Às vezes queremos nos fazer de forte, mas a palavra de Deus diz: que há um tempo determinado para todas as coisas, tempo de se alegrar, e tempo de chorar,prantear.O próprio Jesus chorou quando viu a dor das pessoas por causa da morte de Lázaro. Teve compaixão pelo sofrimento alheio. Também tenho um texto sobre perda.Cada pessoa tem uma reação, ainda bem que temos o nosso amigo Espírito Santo para nos consolar! Um abraço amigo, e tenha um feriado abençoado, cheio da presença do Pai.

Eliseu Antonio Gomes disse...

Arlete.

Concordo plenamente com seu modo de pensar.

Deus continue abençoando você.

Eliseu Antonio Gomes disse...

Luciana.

Em sua infinita sabedoria, Deus nos fez pessoas únicas, e assim, sendo diferentes uns dos outros,temos a oportunidade de nos ajudar mutuamente.

Que o Senhor continue te abençoando.

As 7 postagens mais acessadas na semana

As 7 postagens mais acessadas nos últimos 30 dias

As 7 postagens mais populares (geral - desde 12 de junho de 2007)

▲ Clique na imagem para retornar ao topo do blog.

Bola colorida na areia da praia. By Eliseu Antonio Gomes

Bola colorida na areia da praia. By Eliseu Antonio Gomes
Cidade Ocean - Praia Grande - São Paulo/SP - Brasil.