Research | Pesquisar artigos de Belverede

Select the language

sábado, 16 de janeiro de 2016

A chuva de verão é bênção

Por Eliseu Antonio Gomes

Quando não chove durante o período de um mês, a sensação de calor sufocante aumenta a sede, provoca insolação e causa a impressão que o sol queima tudo.

É perceptível que apenas em momento da escassez  o ser humano tem mais facilidade para medir com exatidão o valor das coisas.

Na abundância de água, a rotina de uma mãe encher o prato da criança com sopa e vê-la levar a colher até sua boca, é uma cena trivial. Mas, se na casa falta o precioso líquido na cozinha, torna-se impossível a ela realizar o seu costume de preparar o almoço e a janta para sua família. Darrama lágrimas escondida, para não assustar os filhos.

No campo, o fazendeiro vê o matagal crescer verdejante, olha espinhos e urtigas lamentando-se, porém, ao parar de chover o verde desaparece ao seu redor, as florestas até pegam fogo devido a secura que assola o meio ambiente, as vacas não dão mais o leite, o nível das águas nos rios cai, assustadoramente, e não é mais possível irrigar o solo na medida que a necessidade requer a irrigação. Então, para evitar o acúmulo de prejuízos, ele vai buscar a água em lugares distantes, e é quando olha para o céu, ajoelha-se e reza, ou ora, pedindo o milagre.

Os pingos de chuva caem na cabeça, molham a roupa e a pele, rolam ao pescoço, descem ao cotovelo, caem no pulso e a força da gravidade leva-os ao chão. Formam-se poças. Apenas quando caem abundantemente é que o copo d'água fica mais bonito, as mangueiras são úteis no meio dos jardins, às margens dos rios lavam pés tranquilos e descalços, o celeiro se enche e é uma alegria girar a válvula da torneira. 

Para mim, a chuva de verão não é apenas comum, é especial. Durante o dia, ela se mistura com o brilho do sol e provoca o fenômeno do arco-íris, "trabalha" realizando a supressão da poluição do ar nos céus das grandes cidades e limpa a poeira do chão de terra batida e de asfaltos. Realmente, é sempre bom ouvir o som da chuva. Podemos dizer que é uma satisfação tê-la no volume ideal hoje e sempre, estar no lado de dentro da casa e acompanhar as gotículas descerem no vidro da janela, sentir umedecer o ar, lavar a grama e deixá-la fresca. Também aprecio o som da chuva de verão durante à noite, ela é ótima porque surge com efeito refrescante, traz com ela o aroma que cheira vida, seu frescor inspira à renovação de ânimo.

Os temporais fazem parte do Ciclo das Águas. Toda água que sobe precisa descer em algum momento e algum lugar. É situação natural que os volumes dos rios subam quando chove, é claro que as águas sempre correram e sempre correrão aos pontos mais baixos da terra ao despencar das alturas em forma de temporal.

Quando a chuva forte cai e coloca bairros inteiros submersos, atinge com grande  intensidade campos de plantações, destrói sementes, arrasta insumos, adubos, todo tipo de nutrientes do solo, é preciso cogitar o seguinte: antes das águas invadirem as casas, as casas invadiram seus locais de passagem - cursos de passagens que existem há muito tempo, tempo que nem podemos imaginar o quanto são antigos.

Portanto, se as fortes chuvas descem ladeiras à baixo em enxurradas, invadem residências e fazem pessoas ficarem desabrigadas, feridas e até transformadas em vítimas fatais, é necessário rever a política de construção de centros urbanos e rurais. Não é possível associar as chuvas com os transtornos que acontecem em muitas cidades e povoados camponeses, quando a grande quantidade de água toma conta de tudo, provoca alagamentos, traz lama e derruba muros e paredes, gera perdas de vidas e danos materiais dos mais diversos. 

Se houvesse projeto identificando lugares perigosos em períodos de tempo fechado, e se se evitasse o uso desses locais para construções de vilarejos, ao cultivo de horticultura e pecuária, e outros tipos de atividades sociais, muitos "ais" seriam evitados, muitos sofrimentos não abalariam tantos corações.

É triste saber que muitas pessoas olham para as nuvens no céu com medo e têm pesadelos com enchentes. É lamentável que a Defesa Civil necessite colocar a população em alerta, decretar estado de emergência, tenha que haver o termo "estado de calamidade pública"  apenas porque águas descem do céu sobre a terra.

Que haja chuva sempre nas estações apropriadas. As chuvas são bênçãos de Deus, que venham gotas e mais gotas do céu, pois elas preservam todas as espécies de vida.

Que sempre haja entre nós o bom senso ao interagir com a Natureza.

É tão bom beber água potável!

E.A.G.

Nenhum comentário:

As 7 postagens mais acessadas na semana

As 7 postagens mais acessadas nos últimos 30 dias

As 7 postagens mais populares (geral - desde 12 de junho de 2007)

▲ Clique na imagem para retornar ao topo do blog.

Bola colorida na areia da praia. By Eliseu Antonio Gomes

Bola colorida na areia da praia. By Eliseu Antonio Gomes
Cidade Ocean - Praia Grande - São Paulo/SP - Brasil.