Research | Pesquisar artigos de Belverede

Select the language

quarta-feira, 9 de janeiro de 2013

Misfits: adolescentes desajustados

A vida e a arte

The Misfits (Os Desajustados) é uma série britânica que estreou em 2009 no canal de televisão E4 (da emissora inglesa Channel 4), exibida no Brasil no Multishow. Nada tem a ver com o filme americano de 1960, com o mesmo nome, em que há a última atuação de Marylin Monroe.

A produção mistura doses de ficção científica com drama e comédia. Já está em sua quarta temporada. Existe rumores que possa migrar para o cinema, com elenco original. A síntese é: juventude fracassada vive o caos da desordem familiar, social, usa linguagem obscena e demonstra pouco interesse de mudança e quase nenhuma perspectiva de sucesso no futuro. Essa fórmula não é original, desde os filmes de James Dean ela é usada. Mas, apresentada em roteiro bem elaborado e com atores bem escolhidos e dirigidos, deu certo.

Misfits foi premiada em 2012 pela Academia Britânica de Cinema e Televisão com o BAFTA Television Award como melhor série de drama. Tal prêmio é concedido anualmente desde 1954 às produções realizadas no Reino Unido, é similar aos troféus Emmy Awards, entregues aos que fazem televisão no Estados Unidos.

A série foi bem recebida pelo público e pela crítica especializada além do telespectador inglês, encontrou sucesso na Austrália, Nova Zelândia e também nos Estados Unidos e aparece em curva ascendente relativamente promissora no Brasil.

O elenco 

Antonia Thomas; Robert Sheehan; Lauren Socha; Nathan Stewart-Jarrett; Iwan Rheon. Destaque para Alex Reid, que incorpora a supervisora da turma. 

Rebeldes sem causa

Os cinco adolescente se encontram em um centro comunitário. Eles erraram e devem pagar por seus erros prestando serviços gratuitos para a comunidade, como apagar pichações, varrer ruas e pintar bancos e paredes públicas. A delinquência deles: roubar; atear fogo numa casa; traficar drogas; dirigir automóvel após ingerir álcool.

Durante o cumprimento da pena são surpreendidos por uma tempestade misteriosa e após a agitação da natureza descobrem que foram afetados por ela e mudaram. Cada um ganha um poder sobrenatural diferente: telepatia, invisibilidade, controle do tempo, controle de feromônio, e uma característica a ser descoberta por um deles apenas no sexto e último episódio da primeira temporada.

Conotações e simbologias religiosas? 

A tempestade elétrica lembra remotamente a passagem bíblica da queda de Lúcifer. As contestações contra a justiça divina, repletas de escárnios, é uma constante nos seis primeiros episódios e termina com a chegada de um grupo de jovens religiosos cuja líder é capaz de fazer lavagem cerebral em seus adeptos para convertê-los.

Conclusão

Como cristão evangélico, afirmo que poderes sobrenaturais só são interessantes e benéficos quando a origem é o Espírito Santo. Só Deus é capaz de proporcionar o bem-estar do ser humano.

A minha avaliação da mensagem embutida nesta produção inglesa me leva a dizer que o ajuste da alma de cada um de nós, seja jovem ou alguém amadurecido, é ter um encontro real com Jesus Cristo. Isso é possível se a pessoa quiser que aconteça.

E.A.G.

2 comentários:

bibliotecamedieval disse...

legal a postagem
http://bibliotecamedieval.blogspot.com.br

Tati disse...

Parece interessante... mas prefiro as séries policiais!

As 7 postagens mais acessadas na semana

As 7 postagens mais acessadas nos últimos 30 dias

As 7 postagens mais populares (geral - desde 12 de junho de 2007)

▲ Clique na imagem para retornar ao topo do blog.

Bola colorida na areia da praia. By Eliseu Antonio Gomes

Bola colorida na areia da praia. By Eliseu Antonio Gomes
Cidade Ocean - Praia Grande - São Paulo/SP - Brasil.