Research | Pesquisar artigos de Belverede

Select the language

sábado, 10 de dezembro de 2016

O amor como um verbo


Por Andy Stanley
Eliseu Antonio Gomes (tradução livre)

A lição que mais gera transformação no Novo Testamento, voltadas às relações interpessoais, gira em torno do uso do termo amor. Ao abordar o assunto amor, os escritores neotestamentários nos fazem saber de algo que se faz ao contrário do senso comum que fala sobre sentimento. Enquanto a maioria das pessoas se satisfaz com a simples condição de se apaixonar, os autores do Novo Testamento nos ensinam a nos comportarmos em atitudes premeditadas de amor. Dizem a nós para tratar o amor como um verbo.

Nos Evangelhos, Jesus reiterou o famoso texto do Antigo Testamento, amar o nosso próximo como a nós mesmos, que é um imperativo. Mas Cristo foi um passo além. Ele orientou seus seguidores a amar os seus inimigos (Mateus 5.44).  Claramente, não falava sobre amor como a maioria de nós conhecemos. Referia-se ao amor segundo o ponto de vista de um verbo: a decisão de tomar atitudes benignas acima dos sentimos.

A forma verbal do amor é a marca da fé cristã. Também é a marca registrada de todos os relacionamentos importantes. Grandes vínculos são construídos tendo como base as boas decisões, não são erguidos através da emoção. Apaixonar-se é fácil; requer apenas um impulso involuntário. Permanecer amando exige mais. Essencialmente, abraçar o amor como um verbo.

Por mais sensata e simpática que possa parecer a ideia de adotar o amor como um verbo, tal adoção não é comum. A cultura em que vivemos não está caracterizada por este estilo de vida, não aceita o amor como um verbo, não está acostumada a ideia de que o amor é uma premeditação em fazer o bem ao próximo.

A sociedade atual é definida pela distorção multifacetada à Regra de Ouro:

• faça aos outros o mesmo que eles fazem a você;
• faça o bem aos outros apenas se eles merecerem que seja feito;
• faça o bem aos outros com o objetivo de que façam igual a você;
• faça o bem aos outros apenas quando isso não exigir muito de você.

Assim são as regras não declaradas de muitos relacionamentos. Para eles, a teoria que deve ser posta em prática ao relacionamento sadio é "eu farei minha parte contanto que você faça a sua." Os resultados são relações frágeis construídas em acordos condicionais que deixam ambas as partes focadas no comportamento da pessoa com quem convive.

Este comportamento é um recurso para aparecer no círculo social de acordo com o mito da "pessoa aceitável" (politicamente correta). O círculo social alimenta a expectativa de que a "pessoa aceitável" tenha este modo de agir, considerado o jeito ideal de ser. Em relacionamentos em que as duas partes esperam que o comportamento do outro seja o meio de sustentar a relação, a decepção é fatal.

Com o desapontamento vem a culpa. Some a essa situação cultural a dor causada pelo conflito. Ao fazer fazer esta observação, você perceberá a razão de tanta gente, fracassadas em seus relacionamentos, concluírem que estavam enganadas quanto a "pessoa certa para casar". Elas, ao estabelecerem sua relação matrimonial, não se esforçaram para manter em nível de bem-estar o contato com a pessoa escolhida quando esta agiu não correspondendo suas expectativas ligadas ao sentimento de paixão, e quando decepcionadas passaram a buscar outro alguém para novo relacionamento.

Há uma maneira excelente de se viver, é desejar e colocar o amor como verbo.

Ninguém neste mundo será capaz de proferir uma determinação melhor do esta: "Um novo mandamento vos dou..." (João 13.34 a). Referindo-me a este texto bíblico:  o termo original em que foi traduzido ao idioma português a palavra "novo" tem o sentido de "desconhecido" e "acima da média". O que faz o mandamento de Jesus "acima da mediocridade" é a inclusão do amor como uma decisão de agir fazendo o bem. Jesus usou o vocábulo "amai", que é o verbo na forma imperativa. 

Encontramos em João 13.14, parte b, as seguintes palavras de Jesus: "Como eu vos amei, assim também vos amareis uns aos outros". Parafraseando: "façam o bem aos outros como eu faço". Imagine Cristo como conselheiro matrimonial, conversando com um casal em conflito: "Não discutam mais um com o outro, retornem ao lar de vocês e se esforcem para fazer o bem um ao outro".

O exemplo de Jesus em suas relações interpessoais mostrou uma dinâmica nova e bastante melhorada para a boa convivência de casais e para quaisquer outras modalidades de relacionamentos entre indivíduos, pois seu modelo comportamental era a expressão do amor completo. Se eu te amo do mesmo modo que você me ama, o meu amor por você é um amor condicional, forçado a monitorar suas ações de bem-querer a minha pessoa para que eu responda na mesma proporcionalidade.

Jesus jamais ordenou aos seus seguidores que fizessem o bem apenas para as pessoas que sentissem afinidade. Ele ordenou que fizéssemos o bem a todos, indistintamente. Em apenas uma só declaração, desmantelou o conceito comum dos sentimentos de paixão e da reciprocidade quanto ao ato de realizar o bem. Apresentou o firme alicerce do que viria a ser conhecido como casamento cristão e o estilo da autêntica vida cristã em comunidade.

E.A.G.

Fonte: Focus on the Family - Making Love A Verb - www . focusonthefamily . com / marriage / daily - living / making - love - a - verb

Nenhum comentário:

As 7 postagens mais acessadas na semana

As 7 postagens mais acessadas nos últimos 30 dias

As 7 postagens mais populares (geral - desde 12 de junho de 2007)

▲ Clique na imagem para retornar ao topo do blog.

Bola colorida na areia da praia. By Eliseu Antonio Gomes

Bola colorida na areia da praia. By Eliseu Antonio Gomes
Cidade Ocean - Praia Grande - São Paulo/SP - Brasil.