Research | Pesquisar artigos de Belverede

Select the language

domingo, 30 de outubro de 2016

A decisão de lavar as mãos


Por Luiz Dirceu dos Anjos

"Vendo Pilatos que nada conseguia, antes, pelo contrário, aumentava o tumulto, mandando vir água, lavou as mãos perante o povo, dizendo: Estou inocente do sangue deste [justo]; fique o caso convosco!" - Mateus 27.24.

Desde que Pilatos consagrou o gesto simbólico de lavar as mãos como forma de se isentar de sua responsabilidade na morte do Senhor Jesus, em todo o mundo, pessoas ligadas ou não ao poder, têm repetido, cada uma à sua maneira, o mesmo gesto.

Na verdade, o hábito de eximir-se de uma responsabilidade que nos pertence não começou com Pilatos. Vem de bem mais longe. Adão foi o pioneiro dessa arte. Ele, como líder que era sobre sua esposa, não poderia ter concordado com ela na desobediência a Deus. Mas, não só o fez como também quis culpar a Deus por seu erro; que ousadia! "A mulher que me deste como companheira..." (Gênesis 3.12).

Nossa atitude não é nem um pouco diferente. A todo momento estamos procurando uma boa desculpa para não assumirmos a responsabilidade que nos cabe. 

1. Quantos pais lavam as mãos quanto à educação dos filhos! Quando, ao final, veem-nos envolvidos com todo tipo de problemas  como roubo, drogas ou prostituição, esquecem-se de que abdicaram de educá-los e passam a culpar o sistema, as outras pessoas, todo mundo, menos eles próprios. 

2. Pastores lavam as mãos quando o pastoreio se torna difícil e não aceitam serem responsabilizados quando os membros de sua igreja se desviam ou definham espiritualmente. 

3. Os líderes políticos lavam as mãos diante de corrupção comprovada, caracterizando assim flagrante impunidade, enquanto a população padece pela falta de melhor recurso para a saúde, segurança, educação, aposentadoria...

Um famoso evangelista escreveu uma frase impressionante. Era mais ou menos assim: "Somos livres para fazer o que queremos, porém, responsáveis por tudo que fazemos." Está na hora de assumirmos o nosso papel e nossas responsabilidades no reino de Deus, seja na área pastoral, de missões urbanas ou transculturais, de contribuição, literatura, ou qualquer outra área em que o Senhor nos tenha colocado.

Não é possível continuar a ver a fome, a miséria, a depravação, a corrupção, o domínio dos vícios, da prostituição, do pecado enfim, e fazer vista grossa, lavar as mãos e dormir tranquilos.

São numerosas as alternativas que temos ao nosso dispor para mostrar ao mundo o amor de Deus pelo pecador e resgatar aqueles que estão caminhando para o inferno. Estejamos todos conscientes de nosso papel específico como servos de Cristo, e não desejemos ficar aquém dele. Não queiramos nada menos do que Deus nos incumbiu de fazer.

Lave as mãos por uma questão de limpeza e higiene, mas nunca para fugir de suas responsabilidades de cidadão do céu e filho de Deus.

Mensagem da Cruz, nº 116, dezembro 1997/janeiro/fevereiro 1998, página 2, palavra ao leitor, MG (Editora Betânia).

Nenhum comentário:

As 7 postagens mais acessadas na semana

As 7 postagens mais acessadas nos últimos 30 dias

As 7 postagens mais populares (geral - desde 12 de junho de 2007)

▲ Clique na imagem para retornar ao topo do blog.

Bola colorida na areia da praia. By Eliseu Antonio Gomes

Bola colorida na areia da praia. By Eliseu Antonio Gomes
Cidade Ocean - Praia Grande - São Paulo/SP - Brasil.