Research | Pesquisar artigos de Belverede

Select the language

quinta-feira, 11 de agosto de 2016

O Evangelho no mundo acadêmico e político

Por Eliseu Antonio Gomes

Por muitos séculos, no Ocidente, as igrejas, as escolas, as artes, e os livros afirmaram que Deus era o único responsável pela criação do homem e de todo o Universo. Contudo, na década de 1860, Charles Darwin, com a teoria da seleção natural e da evolução das espécies, confrontou essa assertiva bíblica (Gênesis 1-2; Efésios 3.9; Apocalipse 4.11). Desde então, muitos outros pesquisadores passaram a defender a ideia de que, para obtermos explicações objetivas a respeito de fenômenos naturais, seria necessário abandonar paulatinamente as respostas da religião e adentrar um campo pouco explorado: o da ciência.

Nenhum ser humano existe sem algum tipo de fé. Todos nós adquirimos a maior parte de nosso conhecimento por meio da fé, ou seja, por crermos no que outras pessoas nos dizem: pais, amigos, escritores, professores. De modo geral, o cristão acredita em diversas coisas, como, por exemplo, na meteorologia, nas notícias dos jornais ou no caráter de determinada pessoa, mas não necessariamente está disposto a viver em funções de tais crenças, tampouco cogita a ideia de morrer por elas. Em um meio diferente, a fé religiosa tanto pode levar alguém a morrer em sua defesa, como pode levar esse alguém a vivê-la a cada instante (Filipenses 1.21). Em síntese, a fé religiosa transcende ao ato da simples crença.

Peter Kreeft e Ronald Tacelli afirmam que é possível classificar hierarquicamente pelo menos quatro dimensões da fé religiosa:

• Fé Emocional (Isaías 26.3; Salmos 3.5)
Está relacionada à sensação de confiança em uma pessoa. É influenciada pela emoção, inclui esperança (mais forte que o simples desejo) e a paz (muito mais intensa do que a simples tranquilidade no íntimo).
• Fé intelectual / racional (Hebreus 3.17, 18; Jó 19.25)
Mais intensa que a Fé Emocional, por ser estável e imutável, a mente humana crê, mesmo que de alguma maneira esteja abalada. Fazendo uso da razão, e tomando apenas relatos da História, é possível afirmar que Jesus realmente existiu, que nasceu em Belém e que exerceu grande influência em Israel. Todavia, não é possível compreender, apenas por meio da razão, que esse Homem foi enviado ao mundo para morrer em nosso lugar, porque Deus nos amou intensamente (João 3.16).
Aprouve a Deus salvar os crentes pela loucura da pregação (1 Coríntios 1.21). 
• Fé Volitiva (Josué 24.15)
Diz respeito ao compromisso, ao desejo, a decisão de obedecer à vontade de Deus.
• Fé no íntimo (Mateus 22.37)
Tem origem no que as Escrituras chamam de coração, ou seja, no centro absoluto da alma.
Ensinos acadêmicos da pós-modernidade

A palavra "academia provém do vocábulo grego "akadémeia" que, por sua vez, lembra a escola de filosofia que Platão fundou em Atena, em 387 a.C., junto a um jardim dedicado a Academo, uma das muitas divindades da Grécia. Naquele local, o pensador grego reunia os pupilos para ensiná-los a pensar de maneira metódica e produtiva.

No século 15, Pompônio Leto fundou a Academia Romana, que, além da filosofia, dedicava-se ao estudo das ciências, das artes, da arqueologia e da gramática. Sua palavra era suficiente para esclarecer dúvidas, fundamentar certezas e iluminar os que iam e vinham em busca do verdadeiro saber. Hoje as academias são mais específicas. Enquanto uma se dedica à História, outra, às Artes, e ainda outras às Letras, à Filosofia. E todas consagram-se à preservação de uma determina área do conhecimento humano.

A academia pós-moderna é um edifício majestoso e bonito, mas construído a partir da incerteza. Desorientada e, meio a tantas monografias e teses, ninguém, ali, logra afirmar alguma coisa. Ela abre a boca às perguntas, mas fecha os ouvidos às respostas. Seus membros abominam fechar questões mais comezinhas e tolas. Altivos e arrogantes, alegam que ninguém pode ter certeza de nada. Tal alegação, porém, é autodestrutiva, pois, se ninguém pode ter certeza de nada, como eles podem ter certeza de que a incerteza é tudo?

Embora a academia pós-moderna tenha assumido um papel referencial na definição do conhecimento humano, infelizmente, ela nenhum valor dá à ética e à moral. Eis porque o nosso Brasil encontra-se numa situação tão caótica. Apesar disso, a tarefa do cristão não é destruí-la, mas usá-la como instrumento à expansão do Reino de Deus.

Quando nos refugiamos no Evangelho de Cristo, colocamo-nos a trilhar o caminho da fé. Vendo já o invisível, ela gera convicções e demonstra cabalmente, que existe, sim, verdades absolutas. Eis porque há um grande abismo entre a incerteza acadêmica e a certeza evangélica. Tão largo e profundo é esse abismo que só pode ser transposto pela cruz do Cordeiro de Deus.

Daniel, o acadêmico e político por excelência

Após a destruição de Nínive, sete anos antes, o Império Babilônico começou a crescer rapidamente e neste crescimento rápido não dispunha de número suficiente de babilônios cultos para a cúpula governamental. Por volta de 606 a.C., Nabucodonosor  sitiou Jerusalém, levou cativo à Babilônia a elite da sociedade judaica, jovens de boa aparência e de bom nível cultural a fim de ensinar-lhes a cultura da Caldeia. Entre os prisioneiros, achavam-se os jovens Daniel, Hananias, Misael e Azarias, notáveis por sua educação, cultura e distinção pessoal - pelo que se depreende do texto bíblico, já tinham cursado a academia de Jerusalém, onde haviam sido instruídos na Palavra de Deus. Em Babilônia, Daniel e seus companheiros foram reeducados no idioma e cultura dos caldeus (Daniel 1.4, 6). O testemunho deles não ficou restrito à conduta pessoal exemplar, destacaram-se ainda nas atividades acadêmicas, ao término do curso e foram aprovados com louvor máximo, segundo o registro encontrado em Daniel 1.17-20.

Daniel e seus três companheiros foram inseridos na elite cultural e científica de Babilônia. E Daniel tornou-se um oficial do alto escalão nos governos dos impérios babilônicos e medo-persa, além de atuar como profeta. Em seu exílio, que durou mais de 70 anos, Daniel viveu em plena fidelidade a Deus.

A vida de Daniel e seus amigos serve de exemplo aos acadêmicos e políticos cristãos que lutam por levar a supremacia de Deus às mais altas esferas do conhecimento e do poder, pois, longe sa presença de seus pais para orientá-los nas suas decisões, ao estarem a serviço de um governante que desconhecia por completo a soberania divina, jamais renunciaram o seu temor ao Senhor.

Eles tiveram uma vida pública, política e acadêmica de sucesso, exaltando e glorificando o nome do Senhor, não se deixarem contaminar pela cultura babilônica, e assim influenciaram a classe política do Império. Os universitários da atualidade precisam seguir o exemplo desses hebreus.

Que os universitários cristãos iniciem o seu testemunho público por meio de uma vida santa e irrepreensível, a evangelizar seus colegas e mestres, evidenciando atitudes cristãs em todas as instâncias do campus. O universitário evangélico não deve se entregar às filosofias mundanas, ao ativismo inconsequente e anticristão, ao sexo fora do casamento e às drogas. Que o jovem cristão evangelize também com suas notas e conquistas acadêmicas. Nas monografias e teses, seja verdadeiro, redija com excelência cada trabalho; pesquise com esmero; evite o plágio e não abandone sua fé. Sua oração deve permear todas as suas atividades acadêmicas.

Muito pode realizar um acadêmico nas mãos de Deus. Por meio de seu trabalho sincero, levará o testemunho de Jesus Cristo aos escalões mais altos da sociedade e do governo. Afinal, somos instados pelo Senhor a proclamar o Evangelho a todas as criaturas, inclusive aos ricos e poderosos. Assim sendo, que os pais instruam seus filhos e netos a servirem a Cristo no campus universitário. O desafio não é pequeno, mas os resultados hão de ser grandes e compensadores ao Reino de Deus. Que eles demonstrem aos sábios deste mundo que somente a mensagem da cruz é capaz de redimir o indivíduo quanto a sociedade.

Conclusão

Na universidade, diante do politicamente correto, o cristão não precisa ter medo de optar pela vontade de Deus. Deve evitar o jogo dos professores que, aprisionados pelas políticas partidárias de esquerda e ateus, posicionam-se contra Deus e a sua Palavra. A eloquência de um testemunho não se encontra na força ou na beleza de uma construção sintática bem elaborada; acha-se na formosura de um viver que, mesmo emudecido, fala a convence pela santíssima fé ressaltada em obras boas e meritórias.

Cabe aos líderes evangélicos preparar aqueles que entram em cursos universitários. Do universo acadêmico saem os cientistas, educadores, formadores de opinião e boa parte dos governantes e legisladores.

À semelhança de Daniel e seus companheiros, que desenvolveram uma vida testemunhal e carreira universitária, o cristão deve fazer uma grande diferença no mundo acadêmico e na esfera política. O Senhor Jesus espera a presença de crentes em todas as camadas sociais, evangelizando as pessoas que ainda não o reconhecem como Salvador e Senhor.

E.A.G.

Complicação
Lições Bíblicas - Professor; O Desafio da Evangelização: obedecendo ao ide do Senhor Jesus de levar as Boas-Novas a toda criatura - Professor - Claudionor de Andrade, páginas 49-52; 3º trimestre de 2016, Bangu, Rio de Janeiro - RJ (CPAD). 
Lições da Palavra de Deus - Professor; Os Desafios da Igreja no Século 21; Geziel Gomes, página 68, 70-72, ano 12, nº 47; Rio de Janeiro / RJ, (Central Gospel).                                                                                                    
O Desafio da Evangelização - Obedecendo ao ide do Senhor Jesus de levar as Boas-Novas a toda criatura; Claudionor Gonçalves; páginas 79-80, 83, 85-88; edição 2016; Bangu, Rio de Janeiro - RJ (CPAD). 
Quem é quem na Bíblia Sagrada - A história de Todas as Personagens da Bíblia; editado por Paul Gardner; página 123; 1ª impressão 2005 - 19ª reimpressão 2015; São Paulo (Editora Vida). 

Nenhum comentário:

As 7 postagens mais acessadas na semana

As 7 postagens mais acessadas nos últimos 30 dias

As 7 postagens mais populares (geral - desde 12 de junho de 2007)

▲ Clique na imagem para retornar ao topo do blog.

Bola colorida na areia da praia. By Eliseu Antonio Gomes

Bola colorida na areia da praia. By Eliseu Antonio Gomes
Cidade Ocean - Praia Grande - São Paulo/SP - Brasil.