Research | Pesquisar artigos de Belverede

Select the language

sábado, 23 de julho de 2016

O trabalho e atributo do ganhador de almas

EBD - terceiro trimestre de 2016 - CPAD. O Desafio da evangelizacão. Obedecendo ao ide do Senhor de levar as Boas Novas a toda criatura. Comentarista: Claudionor de Andrade. Lição 4: O trabalho e atributo do granhador de almas.
Por Eliseu Antonio Gomes

A palavra "evangelista" provém do vocábulo grego "euaggelistes", e significa aquele que traz boas-novas.  O termo era usado no período da Grécia Clássica, para designar a pessoa incumbida de comunicar uma notícia agradável. A partir da fundação da Igreja de Cristo, no Pentecostes, a palavra passou a designar aquele que proclama o Evangelho. O evangelista é chamado e vocacionado para ganhar almas.

A palavra "evangelista" é composta por dois vocábulos gregos: "eu" (bom); e, "ággelos" (anjo ou mensageiro). A etimologia do termo leva-nos a concluir que o evangelista é o "anjo / mensageiro do bem". Eis o porque no Apocalipse, os responsáveis pela igreja na Ásia Menor foram assim nomeados pelo Senhor.

Os atributos do evangelista, são:
• amor às almas;
• ser chamado por Deus;
• conhecimento da Palavra de Deus;
• fé;
• espiritualidade plena;
• disponibilidade;
• perseverança.
No Antigo Testamento, o ministério que se aproxima ao do evangelista neotestamentário é o de Profeta. A palavra hebraica que aparece em Isaías 40.9 e 52.7 traz a ideia de "mensageiro" e "pregador". O ministério profético neotestamentário tinha o objetivo de convencer o rei e o povo de seus pecados, arrependerem-se, e voltar a andar segundo a vontade de Deus, tal qual a objetivo da evangelização nos dias atuais.

O trabalho de evangelista é um precioso dom de Cristo à Igreja, é a capacitação espiritual dada aos obreiros, a vocação dada por Deus através do Espírito Santo, e confiado à Igreja por Cristo, visando à proclamação extraordinária das Boas-Novas da salvação. Sem o ministério da proclamação, o Evangelho teria morrido em Jerusalém.

O dom de evangelista é um dom ministerial, outorgado à Igreja pelo Espírito Santo. Na Carta aos Efésios, capítulo 4, versículo 11, o apóstolo Paulo apresenta o dom de evangelista como sendo o segundo dom ministerial em importância. Os que recebem este dom são impulsionados pelo Espírito Santo a proclamar a mensagem do Evangelho, que reúne em si a oferta e o poder da salvação (Romanos 1.16). Entretanto, todo crente tem como tarefa suprema evangelizar e ganhar almas para Cristo.

Por intermédio de obreiros como Filipe, a mensagem da cruz ultrapassou a fronteira da Judeia. Em Atos 8, encontramos o relato da atuação de Filipe em Cesareia, Gaza, Azoto e Samaria. E de Samaria, as Boas-Novas não demoraram a alcançar os confins da Terra. Filipe claramente retrata o papel do bom evangelista. O livro de Atos nos conta que ele, junto com Estevão, foi um dos sete diáconos mais importantes nomeados originalmente para cuidar das viúvas (6.1-6); era morador de Cesareia, era pai de quatro filhas virgens que profetizavam na Igreja Primitiva (Atos 21.8-9). Durante a perseguição promovida por Saulo de Tarso, foi forçado a mudar-se com a família para Samaria (8.5). E, através de Filipe toda a Samaria foi evangelizada (8.4-7). O livro de Atos também narra que Filipe, guiado pelo anjo do Senhor, foi ao caminho de Gaza e Jerusalém e ali encontrou o eunuco e mordomo-mor da rainha dos etíopes, Candance; o etíope lia a Escritura no livro de Isaías, mas não entendia a leitura; Filipe, percebendo a inabilidade do etíope, passou a explicar o texto sagrado, e assim aquele homem teve um encontro com Cristo (8.26-40).

O Arauto do Reino de Deus, o portador das Boas-Novas, vivendo neste mundo em que a sociedade está dominada pelas ideias e cosmovisões que afrontam o propósito do Altíssimo para a humanidade, ama o pecador e não economiza esforços para alcançá-la em todas as esferas da sua existência. Amar: esta é a palavra-chave do autêntico evangelista de Cristo!

O ministério evangelístico não se limita a uma escolha pessoal; firma-se em uma intimação do próprio Cristo. Devemos evangelizar não porque seja agradável, fácil, ou porque podemos ter sucesso, mas porque Jesus nos chamou.

O evangelista consciente de seu ministério não se limita a evangelizar baseado na itinerância. O deslocamento do evangelista contemporâneo se dá no sentido de encontrar não-crentes, os que não conhecem o Evangelho. Ele vai de pessoa a pessoa, casa a casa, rua a rua, comunidade em comunidade. Ele vai a lugares que ninguém vai, e apresenta o plano da salvação em lugares onde Cristo nunca foi anunciado. Além disso, realiza a apologia da fé cristã e integra o novo-convertido ao meio social da congregação.

E.A.G.

Compilações:
Ensinador Cristão, página 38; ano 17, nº 67, julho-setembro de 2016, Bangu, Rio de Janeiro - RJ (CPAD).
Lições Bíblicas - O Desafio da Evangelização: obedecendo ao ide do Senhor Jesus de levar as Boas-Novas a toda criatura - Professor - Claudionor de Andrade, páginas 27-29, 31; 3º trimestre de 2016, Bangu, Rio de Janeiro - RJ (CPAD). 
O Desafio da Evangelização - Obedecendo ao ide do Senhor Jesus de levar as Boas-Novas a toda criatura; Claudionor Gonçalves; páginas 39 e 40; 1ª edição 2016; Bangu, Rio de Janeiro - RJ (CPAD).

Nenhum comentário:

As 7 postagens mais acessadas na semana

As 7 postagens mais acessadas nos últimos 30 dias

As 7 postagens mais populares (geral - desde 12 de junho de 2007)

▲ Clique na imagem para retornar ao topo do blog.

Bola colorida na areia da praia. By Eliseu Antonio Gomes

Bola colorida na areia da praia. By Eliseu Antonio Gomes
Cidade Ocean - Praia Grande - São Paulo/SP - Brasil.