Research | Pesquisar artigos de Belverede

Select the language

terça-feira, 12 de abril de 2016

Justificação, somente pela fé em Jesus Cristo


EBD Lições Bíblicas Adultos Maravilhosa Graçaa o evangelho de Jesus Cristo revelado na carta aos Romanos José Gonçalves CPAD lição 3 Justificação somente pela fé em Jesus Cristo
Por Eliseu Antonio Gomes 

"Tendo sido, pois, justificados pela fé, temos paz com Deus, por nosso Senhor Jesus Cristo; pelo qual também temos entrada pela fé a esta graça, na qual estamos firmes, e nos gloriamos na esperança da glória de Deus" - Romanos 5.1-2.

Romanos parte do princípio da universalidade do pecado. Todos, gentios, que possuíam a revelação natural, bem como os judeus, que receberam a revelação especial da lei, estavam debaixo do pecado. É a graça, e somente a graça, que opera por meio da fé, que os resgatará. Deus proveu a salvação para todos pela graça e não pelos nossos méritos, cabe ao pecador responder positivamente ou negativamente a essa graça.

A experiência de Martinho Lutero

Martinho Lutero, enquanto professor de Teologia na Universidade de Wittemberg, lecionou a Carta aos Romanos de novembro de 1515 a setembro de 1516. À proporção que se aprofundava na epístola, apreciava cada vez mais a doutrina bíblica da justificação pela fé. Segundo Lutero, ele "ansiava por compreender a Epístola de Paulo aos Romanos", mas o tema da "justiça de Deus" o incomodava. O reformador considerava a doutrina da justiça divina como a punição de Deus sobre o injusto. Até que, depois de muito refletir sobre o assunto, entendeu tratar-se da "justiça pela qual, mediante a graça e a misericórdia, Deus nos justifica pela fé". Desde então, afirmou Lutero, "senti-me renascer e atravessar os portais abertos do paraíso. Toda a Escritura ganhou novo significado e, ao passo que antes a justiça de Deus me enchia de ódio, agora se tornava indizivelmente bela e me enchia de amor. Este texto veio a ser uma porta para o céu".

O efeito imediato da justificação é a reconciliação com Deus

O ser humano quando vive em pecado é inimigo de Deus, somente quando é justificado pela fé em Jesus Cristo, é reconciliado. A justificação pela fé é o começo de uma nova vida, trazendo paz, graça, glória e absolvição da ira futura (Romanos 5.10). Através da morte de Cristo, o qual suportou o castigo que nos estava reservado, recebemos a bênção da redenção dos pecados, cuja pena é a morte - física e espiritual (Isaías 53.5, 6; 1 Pedro 2.24; Gênesis 2.16-17; Romanos 5.12-14; 6.23). Assim que está justificado, o cristão entra no processo de transformação de acordo com a imagem de Jesus Cristo. O agente dessa transformação é o Espírito Santo.

A justificação do pecador, testificada pela lei e pelos profetas, mediante o sacrifício vicário de Cristo, pode ser percebida por meio de várias profecias no Antigo Testamento (Isaías 53.11; 45.22-25; 61.10; Jeremias 23.6; 33.16; Salmo 85.10; Gálatas 3.7).

A expressão " justiça de Deus" na Carta aos Romanos (1.17; 3.21-22) e em outras passagens, refere-se ao tipo de justiça que o Senhor aceita para que o homem tenha comunhão com Ele. Essa justiça resulta da nossa fé em Cristo segundo o evangelho (1 Coríntios 1.30; 2 Coríntios 5.21; Filipenses 3.9).

O alcance da justificação divina

Assim como o pecado tornou-se universal, a justificação destina-se a todos quantos queiram ser salvos (Tito 2.11). A expressão "para que todo aquele que nele crê não pereça" (João 3.16) abrange a todos indistintamente. Todos os que se arrependem de seus pecados e creem em Jesus como Salvador não perecerão, mas terão a vida eterna. E é tudo pela graça concedida por Cristo e outorgada por Deus (Romanos 5.20). Esta "multiforme graça" alcança de igual modo todas as pessoas de todas as raças, culturas, níveis sociais, idades e circunstâncias (João 6.7). Ninguém é bom o suficiente para se salvar, como também não é tão mau que não possa ser salvo por Jesus.

Conclusão

Para descrever a ação de Deus ao justificar-nos, os termos empregados pelo Antigo Testamento (em hebraico "tsaddiq": Êxodo 23.7; Deuteronômio 25.1; 1 Reis 8.32; Provérbios 17.15) e pelo Novo Testamento (em grego "dikaio": Mateus 12.37; Romanos 3.20; 8.33-34) sugerem um contexto judicial e forense. Não devemos considerar uma ficção jurídica, como se estivéssemos justos sem, contudo, sê-lo. Por estamos em Jesus (Efésios 1.4, 7, 11), Ele tornou-se a nossa justiça (1 Coríntios 1.30). Deus credita ou contabiliza (grego: logizomai) sua justiça em nossa favor. Ela é imputada a nós.

Da mesma maneira que a regeneração leva a efeito uma mudança em nossa natureza, a justificação modifica a nossa situação diante de Deus. A condição de justificado é mais do que de perdoado. O perdão remove a condenação do pecado; a justificação nos declara justos, como se nunca houvéssemos pecado contra Deus. Aos olhos de Deus, os atos de pecados já não existem mais, pois "quanto o oriente está longe do ocidente, tanto tem ele afastado de nós as nossas transgressões" (Salmo 103.12).

E.A.G.

Compilações:
Ensinador Cristão, ano 17, nº 66, página 26, abril a junho de 2016, Rio de Janeiro (CPAD).
Lições Bíblicas - Mestre, 2º trimestre de 1998; Romanos, o Evangelho da Justiça de Deus; comentarista: Esequias Soares; lição 6: Privilégios dos justificados pela fé; páginas 30 - 38; Rio de Janeiro (CPAD).
Lições Bíblicas - Mestre, 1º trimestre de 2006; Eliezer Lira; Salvação e Justificação - Os pilares da vida cristã, páginas 25-32, Rio de Janeiro (CPAD).

Nenhum comentário:

As 7 postagens mais acessadas na semana

As 7 postagens mais acessadas nos últimos 30 dias

As 7 postagens mais populares (geral - desde 12 de junho de 2007)

▲ Clique na imagem para retornar ao topo do blog.

Bola colorida na areia da praia. By Eliseu Antonio Gomes

Bola colorida na areia da praia. By Eliseu Antonio Gomes
Cidade Ocean - Praia Grande - São Paulo/SP - Brasil.