Research | Pesquisar artigos de Belverede

Select the language

domingo, 13 de dezembro de 2015

Mateus, o Evangelho do reino de Deus

Autoria e data

Segundo a tradição (Papias de Hierápolis, 155 d.C, o autor do livro é Mateus (em hebraico, homem fiel), também chamado pelo nome Levi (Mateus 9.9, 10; Marcos 2.13-15; Lucas 5.27-29). Ignácio (115 d.C.) reconhecia esse Evangelho como de autoria de Mateus.

Como escritor, Mateus oferece um estilo metódico. Apresenta uma alternância surpreendente de grandes blocos de discursos voltados para o ensino e seções narrativas. Ao final de cada seção há um modo elaborado com o propósito de unir o material narrativo com a seção de ensinos formando uma sequência natural (conferência: Mateus 7.28; 11.1-7).

Quando foi chamado entre os doze apóstolos, Mateus era publicano, ou cobrador de impostos, provavelmente sua função era receber direitos alfandegários perto do mar da Galileia.

A data do Evangelho de Mateus deve ser posterior da de Marcos, sendo o mais tardar em 68. d.C. As expressões "até ao dia de hoje"(27.28; 28.15) indicam um período de tempo substancial entre os eventos no livro e a ocasião em que foram escritos.

Propósito

O Evangelho de Mateus, segundo informação de Papias, adaptava-se, e ainda hoje de adapta, para convencer os judeus sinceros que Jesus de Nazaré é o Messias prometido no Antigo Testamento.

Mateus é um judeu escrevendo para judeus. O apóstolo é reconhecido como um habilidoso editor que esforçou-se para dispor o material narrativo disponível em uma forma mais conveniente para o uso litúrgico da comunidade cristã. Também, fez registros com objetivo apologético, visando municiar os cristãos com citações das Escrituras que os ajudassem a fazer frente às críticas contra o cristianismo.

O autor escreve sob um ponto de vista definido: ele pretende mostrar que os eventos principais na vida de Jesus aconteceram  em cumprimento às profecias do Antigo Testamento. Assim, introduz citações diretas do texto hebraico por meio da fórmula "para que se cumprisse". A expressão parece ter feito parte de uma coleção prévia e ilustra a forte convicção dos cristãos sobre o elo íntimo existente entre o cristianismo e o Antigo Testamento.

Características

O Evangelho de Mateus foi o mais usado nas primeiras gerações de cristãos, conforme o demonstram citações encontradas em escritores cristãos primitivos. A obra tem exercido grande apelo ao longo da História Cristã, e uma das razões para isso é a narrativa do Sermão do Monte.

Alguns autores descrevem o Evangelho de Mateus como uma biografia teológica. Também, é observada a aplicação para fins litúrgicos, que pode ser verificada a partir de uma análise do seu propósito e estrutura.

O esboço do livro:

A ordem da matéria desse evangelho não é cronológica. Os assuntos são apresentados em grupos: discursos (Sermão do Monte. capítulos 5, 6 e 7); os milagres (capítulos 8 e 9); as parábolas (capítulo 13); a denúncia dos fariseus (capítulo 23); a profecia da destruição de Jerusalém e o fim do mundo (capítulos 24 e 25).

I - O primeiro período em duas partes (capítulos 1 e 2):
a. o nascimento, a infância e a juventude de Jesus;
b. o silêncio biográfico.

II - O segundo período (capítulos 3 e 4), aproximadamente de seis meses, entre 27 e 29 d.C., abrange o auge do ministério de João Batista e sua pregação; assinala o batismo e a tentação de Jesus; o começo do ministério de Jesus em várias partes da Palestina; a chamada dos primeiros discípulos.

III - O terceiro período (capítulos 5 ao 18), aproximadamente em 27-29 d.C., tempo do ministério de Jesus na Galiléia, inclui excursões dentro de territórios circunvizinhos, assinala o Sermão do Monte, milagres, parábolas, a confissão de Pedro, a transfiguração.

IV - O quarto período (capítulo 19 ao 20), de seis meses, aproximadamente em 29 d.C. narra sobre o ministério de Jesus em várias partes da Terra Santa, o Mestre enfatizando na sua pregação, sua morte e ressurreição e que a sua crucificação estava próxima.

V - O quinto período (capítulos 21 ao 28), relata a semana da paixão, ressurreição, as aparições e a ascenção de Jesus, salientando-se a sua entrada triunfal em Jerusalém, várias parábolas, seu discurso contra os escribas e fariseus, seu sermão profético, a última páscoa, a ceia do Senhor Jesus no jardim do Getsêmane, a traição, Jesus perante as autoridades do sinédrio e do governo, a crucificação, Jesus no túmulo, a ressurreição, as aparições.

O Sermão no Jardim das Oliveiras (24.1 - 25.46) predisse a destruição de Jerusalém em 70 d.C.

Conclusão

O Evangelho termina com uma instrução e desafio para ir ao mundo e fazer discípulos; o evangelho não é apenas para os judeus, mas para todos os povos. Mas esta instrução não é a última. A declaração final é a tranquilizadora "eis que estou convosco todos os dias, até a consumação dos séculos" (28.20).

E.A.G.

Toda a Bíblia em um ano: Mateus a Filipenses, volume 3, Darci Dusilek, páginas 12-14, 9ª edição, 2013, Rio de Janeiro (Horizontal Editora).
Bíblia Sagrada com dicionário e concordância - gigante; apêndice: Conciso Dicionário Bíblico (Ilustrado), páginas 299, 300; 2ª edição, 2013, Santo André/SP (Geográfica Editora).

Nenhum comentário:

As 7 postagens mais acessadas na semana

As 7 postagens mais acessadas nos últimos 30 dias

As 7 postagens mais populares (geral - desde 12 de junho de 2007)

▲ Clique na imagem para retornar ao topo do blog.

Bola colorida na areia da praia. By Eliseu Antonio Gomes

Bola colorida na areia da praia. By Eliseu Antonio Gomes
Cidade Ocean - Praia Grande - São Paulo/SP - Brasil.