Research | Pesquisar artigos de Belverede

Select the language

domingo, 22 de março de 2015

O Evangelho Segundo Lucas

Por Eliseu Antonio Gomes

Autoria

O autor do terceiro Evangelho era claramente um escritor cuidadoso e um homem de cultura, usualmente concorda-se que deve ser identificado também como o autor de Atos, pois o prefácio de Lucas (1.1-4) é muito parecido com o de Atos 1.1, as duas obras são endereçados para Teófilo, o estilo e vocabulário favorecem a unidade de autoria, e o segundo prefácio refere-se a um livro anterior. 

A tradição concorda com o prefácio, que nos mostra que o autor não era testemunha ocular das coisas que registra, não era um dos primeiros seguidores de Jesus. e nesta posição ele fez uma pesquisa apurada de todos os acontecimentos do Mestre.

Não está grafado o nome do autor no terceiro Evangelho, porém, uma tradição antiga confere a autoria a Lucas, o médico amado, baseada nas referências de Colossenses 4.14; 2 Timóteo 4.11; e Filemon 24. Lucas não era, pelo que saibamos, um cristão de tanto destaque na igreja primitiva. O fato de um homem que não era apóstolo, sem posição de destaque que se conheça, ser universalmente considerado como tendo sido o autor, deve receber a merecida consideração.

O Fragmento Muratoriano, uma lista dos livros aceitos como parte do Novo Testamento, afirma que Lucas era gentio, nativo de Antioquia, escreveu seu Evangelho em Acaia, morreu aos 84 anos solteiro e sem filhos.

Data

A data do Evangelho de Lucas é motivo de debate entre os acadêmicos, e a questão está relacionada à sua autoria. A data mais tardia possível para a autoria do Evangelho é aproximadamente 80 d.C., uma vez que há evidências do seu uso a partir de 95, e que o livro de Ato utiliza as cartas de Paulo. Por outro lado, provavelmente o Evangelho não foi escrito antes do final dos anos 50, visto não ter sido escrito muito tempo antes do livro de Atos  (Atos 1.1), e 62 é a data do último evento registrado em Atos (a prisão domiciliar de Paulo em Roma).

Conteúdo

Lucas inicia seu Evangelho com uma declaração especial: ele mesmo havia se informado minuciosamente de tudo sobre a vida de Jesus desde o princípio. A genealogia de Cristo é rastreada desde Davi e Abraão até Adão, nosso antepassado comum, apresentando-o deste modo, como alguém da nossa raça. A obra não é uma repetição monótona de datas e ações, exibe uma fervorosa sensibilidade quanto aos detalhes pessoais íntimos, retrata Jesus como o Homem Perfeito e de grande empatia.

Seu relato é um dos mais completos e ricos em detalhes a respeito do nascimento e infância de Jesus, atrai o leitor para dentro dos eventos que ele descreve. A escrita é vívida. Narra de forma inigualável a vida do Filho de Deus, apresenta a Jesus como o Filho do Homem, o Homem Perfeito que veio salvar a todos, judeus e gentios.

Comparações com os Evangelhos de Mateus e Marcos

Quando se faz um paralelo entre Lucas e os demais Evangelhos Sinóticos observa-se a peculiaridade do vocabulário médico empregado por Lucas. Ao comparar, por exemplo, Lucas 4.38 com Mateus 8.14 e Marcos 1.30, observamos que Lucas enfatiza a natureza ou grau da febre da sogra de Pedro; ao analisar Lucas 5.12 com Mateus 8.2 e Mateus 1.40, vemos que o escritor anotou "cheio de lepra" e não apenas "um leproso"; ao confrontar Lucas 8.43 com Marcos 5.26. Somente Lucas observou que o episódio da cura do homem da mão mirrada era a mão direita que estava seca (6.6; Mateus 12.10; Marcos 3.1); e quanto a orelha decepada de Malco, foi quem assinalou que o corte ocorreu do lado direito (22.50; Mateus 26.50; Marcos 14.47).

Finalidade

1. Lucas narra a história, mas não tão-somente a história como se entende hoje em seu sentido secular e positivo, que se prende à narrativa da perspectiva humana, conta a ação de Deus entre os homens e como Ele demonstra sua soberania entre eles;
2. Escreve para esclarecer que o cristianismo tem vínculos com o judaísmo, a fé cristã possui raízes judaicas;
3. Esclarece que o cristianismo não é uma religião que veio a existir para competir com o império romano;
4. O endereçamento do Evangelho a Teófilo pressupõe que o autor tinha o objetivo de circular o livro entre pessoas cultas.

Conclusão

Sabemos que o autor do terceiro Evangelho obteve as informações sobre a vida e o ministério de Jesus entrevistando testemunhas oculares, ministros e apóstolos do Senhor e pesquisando escritos sobre Jesus. Coube a Lucas colocar a história em ordem histórica e cronológica. Assim, temos o tratado extraordinário sobre o Salvador,

Enfim, sabemos que pessoas inspiradas pelo Espírito Santo escreveram os livros da Bíblia Sagrada, e que através da instrumentalização que Deus fez de Lucas foi possível chegar até nós informações relevantes sobre os passos, pormenorizadamente.

E.A.G.

Compilação:
Bíblia de Estudo Defesa da Fé, página 1588, edição 2010, Rio de Janeiro (CPAD)
Lucas, Introdução e Comentário, Leon L. Morris, página 13, 14, reimpressão 2011, São Paulo, (Vida Nova).
Lucas - O Evangelho de Jesus, o Homem Perfeito, José Gonçalves, página 14, 16, 1ª edição 2015, Rio de Janeiro (CPAD).

Nenhum comentário:

As 7 postagens mais acessadas na semana

As 7 postagens mais acessadas nos últimos 30 dias

As 7 postagens mais populares (geral - desde 12 de junho de 2007)

▲ Clique na imagem para retornar ao topo do blog.

Bola colorida na areia da praia. By Eliseu Antonio Gomes

Bola colorida na areia da praia. By Eliseu Antonio Gomes
Cidade Ocean - Praia Grande - São Paulo/SP - Brasil.