Research | Pesquisar artigos de Belverede

Select the language

domingo, 28 de dezembro de 2014

O impacto da cefaléia

Dor que se manifesta em qualquer parte do segmento encefálico, a cefaléia tem enorme importância nos serviços de saúde e nos investimentos em pesquisas farmacológicas, além de causar grande impacto sobre a qualidade de vida, graças a sua altíssima prevalência.

Segundo a Classificação da Sociedade Internacional de Cefaléia, existem 13 grupos, 56 subgrupos e cerca de 156 tipos de cefaléia. Dentre eles, a enxaqueca, ou migrânea, é a mais importante  cefaléia primária e a mais incapacitante. Atinge 18% das mulheres e 6% dos homens em todo o mundo. O predomínio do sexo feminino aumenta a partir da adolescência, alcançando uma relação de cerca de três pacientes mulheres para cada  com cefaléia entre a terceira e quinta décadas de vida, diferença que diminui um pouco depois dessa faixa etária, mas nunca é eliminada.

A cefaléia é uma condição biológica cerebral, provavelmente uma disfunção da transmissão neurovascular aminérgica e serotoninérgica, geneticamente determinada, que sofre influência de numerosos fatores ambientais. O cérebro da pessoa predisposta a sofrer migrânea exibe sinais de hiperescitabilidade cortical, particularmente no lobo occipital, o que afasta interpretações exclusivamente psicológicas para as queixas.

As crises recorrentes repercutem em absenteísmo, baixo rendimento nos estudos e no trabalho e comprometimento da vida social dos pacientes. Estudos realizados na Escócia apontaram uma perda de dois a oito dias letivos por ano entre as crianças com migrânea. Estudos europeus e brasileiros mostram que os migranosos perdem em média de um a quatro dias por ano de serviço devido às crises. 

Na prática clínica do neurologista, a cefaléia é uma das queixas mais frequentes. Mas um grande contingente de pacientes não procura o especialista da área em questão: os adultos levam suas queixas ao clínico geral, a criança ao pediatra, o idoso ao geriatra e a mulher ao ginecologista. 

Abusos de analgésicos

O hábito de consumir analgésicos sem prescrição ou acompanhamento médico é corriqueiro no Brasil. Quando não é o próprio paciente com cefaléia, ou com outras dores, que repete o uso de um determinado analgésico já experimentado, são os balconistas de farmácias, amigos ou vizinhos que recomendam drogas nas quais confiam. Tentar ajudar uma pessoa a livrar-se da dor, sem apoio médico, pode resultar em formas arriscadas de solidariedade, já que os analgésicos não são tão inofensivos quanto supõem os pacientes. Segundo o alerta do Dr. Getúlio Daré Rabello, responsável pelo Ambulatório de Cefaléia do HC-FMUSP, o uso regular e frequente de analgésicos transforma, ao longo do tempo, a dor que não era constante em sintoma que se manifesta todos os dias.

No início, o paciente não valoriza dor e acaba resolvendo por si mesmo, tomando analgésicos. Não sabe, não tem consciência e nem é alertado que pode sofrer efeitos adversos. Pacientes com dores, ao tentar se automedicar sem combater as causas da dor e sem orientação para o tratamento preventivo, geralmente relatam que seus sintomas evoluíram gradualmente para uma piora, em função da medicação abusiva.

"É construído um círculo vicioso bem conhecido no quadro da automedicação. Ocorre o seguinte: primeiro a dor, depois o uso de analgésico e em seguida a melhora. Depois novamente a dor, mais analgésico e assim por diante", explica o Dr. Abouch Valenty Krymchantowski, diretor do Centro de Avaliação e Tratamento da Dor de Cabeça do Rio de Janeiro.

Esse fenômeno poderia ser resolvido com educação e esclarecimento da população e com o hábito de consultar o médico antes de medicar-se.

Queixas e riscos

Algumas queixas são sugestivas de que algum excesso no uso de analgésicos pode estar ocorrendo. Dores associadas a muita irritabilidade e dores aos despertar podem começar a aparecer quando o paciente desenvolve dependência de um determinado analgésico. É o caso da típica enxaqueca de final de semana, que geralmente melhora com um simples analgésico ou com a ingestão de substâncias que contenham cafeína. Esse tipo de cefaléia é induzido pela retirada de substâncias usadas frequentemente. Durante a semana a pessoa toma seu remédio ou sua dose diária de cafeína pela manhã e se habitua. No final de semana, quando pode dormir até mais tarde, por exemplo, o analgésico é esquecido, e a dor se manifesta.

Os riscos associados aos consumo indiscriminado de analgésicos vão de uma reação alérgica, que em casos graves pode resultar em asfixia mecânica e morte, até nefropatias secundárias, depressão e idiossincrasias incomuns, que resultam em reações inesperadas e que, não sendo diagnosticadas em tempo, também levam ao óbito, informa o Dr. Rabello.

Tratamento

Por serem, em grande parte dos casos, doenças bioquímicas do cérebro, transmitidas  geneticamente, as enxaquecas não podem ser totalmente curadas. Porém, tratamentos corretos e eficientes podem reduzir a incidência, a intensidade e a duração das crises. Se o paciente tem crises de enxaqueca mais de duas vezes por mês, deve ser aconselhado a fazer um tratamento preventivo.

O tratamento das cefaléias primárias (que pode ser abortivo ou profilático) divide-se em farmacológico e não-farmacológico. O tratamento sem o uso de drogas é composto por recomendações de repouso em quarto escuro e relaxamento, Evitar ao máximo a manifestação das crises por meio de terapias menos agressivas é a melhor maneira de garantir, no momento de um tratamento farmacológico necessário, que o paciente tenha boas respostas às substâncias empregadas. 

E.A.G.

Artigo publicado em Belverede de maneira resumida e adaptada.
Fonte: Médico Repórter - edição especial de maio de 2000, revista patrocinada por Merck Sharp & Dohme (Editora Lopso).

Nenhum comentário:

As 7 postagens mais acessadas na semana

As 7 postagens mais acessadas nos últimos 30 dias

As 7 postagens mais populares (geral - desde 12 de junho de 2007)

▲ Clique na imagem para retornar ao topo do blog.

Bola colorida na areia da praia. By Eliseu Antonio Gomes

Bola colorida na areia da praia. By Eliseu Antonio Gomes
Cidade Ocean - Praia Grande - São Paulo/SP - Brasil.