Research | Pesquisar artigos de Belverede

Select the language

domingo, 6 de julho de 2014

O Bom Samaritano e a vida eterna

Por Eliseu Antonio Gomes

A parábola do Bom Samaritano, registrada em Lucas 10.25-35, é muito conhecida. Todos sabem que um homem samaritano socorreu um estranho. Mas o que podemos aprender com esta parábola, e que relação isso pode ter com a vida eterna?

Primeiro, vamos observar as partes contextuais, começando em Lucas 10.25-28. Um doutor da lei se aproximou de Jesus para provocá-lo, perguntou o que ele precisava fazer para herdar a vida eterna. Jesus, então perguntou-lhe o que estava escrito na Lei. A resposta: "Amarás ao Senhor teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todas as tuas forças, e de todo o teu entendimento, e ao teu próximo como a ti mesmo". E Jesus em seguida explicou "Respondeste bem; faze isso, e viverás".

No  versículo 29, tentando justificar a si mesmo, o doutor da lei perguntou: "quem é o meu próximo?" A partir desta pergunta, Jesus passou a narrar a parábola do Bom Samaritano.

A religiosidade carrega a indiferença

Um viajante, provavelmente de origem judaica, foi vítima de roubo e espancamento. Os ladrões fugiram do local do crime e ele ficou caído no chão, muito ferido, à beira da morte. Naquela rua, em profunda necessidade de socorro, ele foi visto ferido por um sacerdote e um levita, que se mostraram indiferentes, deliberadamente eles passaram  pelo homem morimbundo do outro lado da estrada, evitando a solicitação de ajuda, e seguiram seus destinos - provavelmente, indo em direção ao templo, ou retornando do templo para suas casas. Ambos eram religiosos e deveriam estar dispostos a ajudá-lo, mas se abstiveram de fazer o bem (Lucas 10.30-32).

Na continuação da parábola, um samaritano viu o homem que estava morrendo, caído na estrada, era um desconhecido para ele, mas mesmo assim de imediato resolveu socorrê-lo, interrompendo os afazeres do seu dia para ajudá-lo. Os atos que se seguiram foram baseados na compaixão: tratou as feridas daquele necessitado, colocou-o no lombo de seu animal e dirigiu-se caminhando até uma estalagem. Isto é, o samaritano cedeu sua montaria com disposição de ir à pé para beneficiar o viajante necessitado. (Lucas 10.33-34).

É interessante notar nesta situação que os judeus desprezavam os samaritanos, e exatamente um samaritano foi compassivo. Pense bem sobre isso: o socorro que o viajante ferido recebeu foi oferecido por alguém que era considerado desprezível por todos os israelitas.  Ao prestar assistência, ele deve ter perdido pelo menos um compromisso; ele fez alguma espécie de sacrifício por amor a quem não conhecia.

Jesus ensinou nesta parábola, com ênfase, que o nosso próximo é qualquer pessoa. Portanto, devemos tratar o outro como desejamos ser tratados, se agimos assim receberemos a vida eterna.

O exemplo e ordem de Cristo

A narrativa dos Evangelhos está repleta de eventos em que Cristo age movido por compaixão. Alguns milagres ocorreram devido a compaixão que havia em seu coração: a multiplicação dos pães; a ressurreição do filho de uma viúva, libertação de pessoas endemoninhadas, etc. Com certeza ocorreram inumeráveis ações compassivas por parte de Cristo que não foram registradas, pois o evangelista declarou que seria impossível relatar em livro tudo o que aconteceu (João 21.25).

Jesus ensinou que para ser filho do Pai Celestial é preciso dar a quem nos pede, não ignorar quem nos pede emprestado, amar nossos inimigos, bendizer nossos maldizentes, orar por quem nos trata mal e nos persegue (Mateus 5.42, 44).

Movidos de compaixão

O sentimento de dó é espontâneo. Ninguém planeja quando irá senti-lo, simplesmente acontece em nós. Mas o apóstolo Pedro escreveu o seguinte: "E, finalmente, sede todos de um mesmo sentimento, compassivos, amando os irmãos, entranhavelmente misericordiosos e afáveis" - 1 Pedro 3.8.

Deus mandou os israelitas amarem os estranhos: "Como um natural entre vós será o estrangeiro que peregrina convosco; amá-lo-ás como a ti mesmo, pois estrangeiros fostes na terra do Egito. Eu sou o Senhor vosso Deus" - Levítico 19.34.

Jesus disse em Lucas 6.35-36: "Amai, pois, a vossos inimigos, e fazei bem, e emprestai, sem nada esperardes, e será grande o vosso galardão, e sereis filhos do Altíssimo; porque ele é benigno até para com os ingratos e maus. Sede, pois, misericordiosos, como também vosso Pai é misericordioso". E, em Mateus 5.16: "Assim resplandeça a vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e glorifiquem a vosso Pai, que está nos céus".

É fácil ajudar um amigo, quanto ao estranho é comum haver hesitação, quase sempre temos pouca vontade de dispor o nosso tempo e usar o nosso dinheiro com quem não conhecemos. Precisamos ir além do sentimento natural e agir pela fé em favor de desconhecidos e de quem não age conosco amigavelmente.

Como devemos nos relacionar com quem está em necessidade?

"Quem, pois, tiver bens do mundo, e, vendo o seu irmão necessitado, lhe cerrar as suas entranhas, como estará nele o amor de Deus? Meus filhinhos, não amemos de palavra, nem de língua, mas por obra e em verdade" - 1 João 3:17-18.

"Meus irmãos, que aproveita se alguém disser que tem fé, e não tiver as obras? Porventura a fé pode salvá-lo? E, se o irmão ou a irmã estiverem nus, e tiverem falta de mantimento quotidiano, E algum de vós lhes disser: Ide em paz, aquentai-vos, e fartai-vos; e não lhes derdes as coisas necessárias para o corpo, que proveito virá daí?" - Tiago 2.14-16.

Nos grandes centros das metrópoles, sempre é preciso agir com cautela, pois grassa a criminalidade e a violência, mas jamais o perigo deverá ser uma desculpa para não socorrer aqueles que precisam da nossa ajuda. Na atualidade, a agenda sempre está cheia de compromissos, porém, esta situação não poderá ser a razão que nos fará  não ajudar o necessitado. É claro que nada disso significa que o cristão deixará de usar o bom senso e preservar-se.

Bons, sim... Bobos, não!

Nos anos da década de setenta, na minha minha ingenuidade de adolescente, durante meu expediente em um estabelecimento comercial, uma jovem me abordou com uma criança no colo e pediu dinheiro para comprar remédios ao bebê. De pronto, atendi e lhe dei alguns trocados. Passados trinta e poucos minutos, pude sair do meu posto para quinze minutos de descanso. Então fui à lanchonete que estava do outro lado do quarteirão, e me surpreendi reencontrando a pedinte tomando cerveja, sozinha, sem a criança. Descobri que aquela pessoa era uma exploradora.

Devemos ter cuidado com o quê e quem ajudar. Há pessoas que fingem ser necessitadas, pobres, são pedintes porque querem dinheiro sem precisar trabalhar, gastam o que ganham com álcool, drogas e coisas supérfluas.

Note as lições contidas na parábola do Bom Samaritano:

a. O Bom Samaritano encontrou o homem gravemente ferido. A pessoa necessitada estava totalmente impossibilitada de ajudar-se a si mesma. Tal exemplo nos faz entender que muitas pessoas pedem ajuda mas não estão em real situação de desespero, pois recusam-se a empreender os esforços necessários para mudar o péssimo estado de suas vidas. Preferem pedir esmolas porque são preguiçosas.
b. O Samaritano era uma pessoa forte, pegou o homem desacordado no colo e o colocou em seu animal. O cristão que se dispõe a socorrer quem está necessitado precisa observar sua condição, deve fazer apenas o que estiver em seu alcance, não convém tirar o pouco que tem e ficar sem nada. Se fosse um alguém fraco, certamente pediria auxílio de outra pessoa para carregar o homem desfalecido. A ajuda a ser oferecida não deve ir além das possibilidades que temos, não é correto dar aquilo que nos fará falta depois. Ame o próximo como ama a você mesmo.

Conclusão

Através da parábola do Bom Samaritano, podemos refletir o que há em nós de Bom Samaritano, extrair deste texto bíblico a análise de o quanto as atitudes do Bom Samaritano se encaixam em nosso modo de viver.

A parábola do Bom Samaritano fala sobre o estilo de vida ideal ao cristão. Precisamos amar todas as pessoas com quem entramos em contato, amigos e estranhos, tratá-los da maneira que desejamos receber tratamento. Para isso, às vezes é preciso lançar mão de nosso tempo e dinheiro. É preciso praticar o bem todos os dias.

O cristão como luz do mundo, não pode se recusar prestar socorro, pois através da ajuda providencial aos necessitados as pessoas em volta observam como nos comportamos e convém glorificar a Deus por intermédio de boas obras.

"E não nos cansemos de fazer bem, porque a seu tempo ceifaremos, se não houvermos desfalecido. Então, enquanto temos tempo, façamos bem a todos, mas principalmente aos domésticos da fé" - Gálatas 6.9-10.

Deus promete que não esquecerá o bem que oferecemos aos outros (Hebreus 6.10). 
______ 

Fonte: Jornal United News, Janeiro 2006. Texto adaptado de http://www.sporeas.gr/?p=3728

Um comentário:

suely ceruci disse...

gostei muito da postagem!..ela nos ensina e nos faz refletir sobre a bondade e o amor para com nosso próximo!...

"Se alguém disser: Amo a Deus, mas odeia seu irmão, é mentiroso. Porque aquele que não ama seu irmão, a quem vê, é 'incapaz de amar a Deus, a quem não vê.
lJoão 4:20

As 7 postagens mais acessadas na semana

As 7 postagens mais acessadas nos últimos 30 dias

As 7 postagens mais populares (geral - desde 12 de junho de 2007)

▲ Clique na imagem para retornar ao topo do blog.

Bola colorida na areia da praia. By Eliseu Antonio Gomes

Bola colorida na areia da praia. By Eliseu Antonio Gomes
Cidade Ocean - Praia Grande - São Paulo/SP - Brasil.