Research | Pesquisar artigos de Belverede

Select the language

sexta-feira, 23 de maio de 2014

A surpresa da morte realça o brilho da vida

Por Cícero Manoel Bezerra

"Deixem que eu seja sepultado em algum lugar quieto; onde folhas caiam, e os pássaros brinquem enquanto o orvalho brilha à luz do Sol" - C. H. Spurgeon.

A beleza da vida

A adolescência é uma fase da vida que dificilmente esquecemos. Nesse período desenvolvemos amizades, criamos valores. Aprontamos muito; aventuras, adrenalina, fantasias, sonhos, imaginações sem fim, noites sem dormir, refrigerante, televisão, filmes, brigas com irmãos, paixões, namoros (que só existem em nossa imaginação). Enfim, tudo o que faz parte das janelas da vida. É um tempo que fazemos coisas das quais jamais nos esqueceremos. Aprontamos "poucas e boas" nessa fase. (Nossos pais que o digam!)

Dor e sofrimento

Mas não foi bem isso o que aconteceu com Rebeca, uma "guria" que, na adolescência, teve de passar o que a maioria de nós jamais poderia imaginar.

Num período de aproximadamente cinquenta dias, Rebeca se deparou com uma tragédia inigualável para uma garota de pouco mais de dezessete anos. Dores foram surgindo em seu corpo, dando início a uma  luta sem precedentes, na tentativa de descobrir o que estava se passando. Teve que viajar para uma outra cidade, e começar a familiarizar-se com o ambiente hospitalar, o cheiro do éter, horários, a impaciência por parte de alguns médicos, consultas com especialistas, exames e mais exames, e os imprevistos. Mas também pôde contar com a ajuda de irmãos e conhecidos da comunidade, que se mobilizaram na tentativa de ajudar a solucionar o problema.

Quando finalmente chegou-se a um diagnóstico, a doença já havia se enraizado em seu organismo - um câncer fatal. Seus órgãos internos estavam totalmente tomados. Em questão de dias esse mal horrendo ceifou a vida da jovem Rebeca.

A diferença que a família faz

Vamos analisar um pouco a vida de Rebeca. Ela foi adotada por uma família de irmãos em Cristo, que se dispuseram a amá-la como a uma filha, dando-lhe tudo o que podiam para que se sentisse aceita e amada. Toninho, o pai, sempre preocupado em lhe proporcionar uma boa educação, e sempre zeloso pelo seu bem estar. Solange, a mãe, sempre carinhosa, atenciosa, conselheira, e amiga acima de tudo. Na maioria das vezes uma mãe adotiva é mãe duas vezes: por escolha e pelo apego natural, comum a todas as mães.

Nesse episódio de dor que essa família se viu envolvida, cabe salientar alguns pontos. A atitude que tiveram serviu de testemunho para toda a comunidade, e muitos se chegaram a Cristo. Por intermédio dessa triste eventualidade, pessoas no hospital foram impactadas; o colégio onde Rebeca estudava se mobilizou totalmente para o funeral. As pessoas estavam estarrecidas com a morte trágica e prematura daquela estudante.

A morte nos assusta, confronta, nos leva a questionamentos. Por incrível que pareça, ela nos faz pensar sobre a vida e nos estimula a refletir a respeito do fato de que todos, um dia, teremos de enfrentá-la.

O ser humano tenta fugir da morte, mas não há escapatória. Iremos nos deparar com ela de um jeito ou de outro. Nessas horas, as pessoas passam a pensar mais um pouco em seus ideais e valores. A sociedade moderna tenta por diversos meios ignorar a morte. Atividades sem fim, fortes emoções, uso de drogas, etc, são as alternativas atuais para vencer o impacto da morte.

Como no caso de Rebeca, de repente e de uma forma assustadora, nos deparamos com o que vamos passar um dia e isso nos leva a refletir, a considerar a respeito de nossas escolhas. O cidadão moderno não leva em conta os valores espirituais, age e reage de acordo com aquilo que vê, sendo que todos os dias, um dia, prestaremos contas diante de Deus por todas as nossas escolhas. Nossas decisões não fogem à regra da lei da causa e efeito. Diante do que aconteceu com essa menina, muitos que estavam afastados do Senhor consertaram sua vida com Deus.

A presença real do Senhor

Em todo o tempo Deus esteve com a família. Sobre a situação, o pai de Rebeca disse: "Foi uma atuação milagrosa de Deus em nosso favor." Não se pode imaginar o conforto de Deus numa situação assim. Nesses momentos o que conta é a nossa confiança na imensa graça do Senhor, em seu conforto inexplicável, e na sua presença forte e significativa. São situações que jamais imaginamos passar.

Por mais que nos esforcemos, não podemos medir o que essa família passou. Podemos sim, testemunhar que Deus esteve sempre com eles. Podemos também tirar lições da conduta que tiveram perante tamanha dor, da luta na tentativa de solucionar as questões e encontrar respostas. Somente Deus poderia ter dado tamanha assistência.

Somos um corpo

Em momentos como esse vale destacar o amor e o cuidado dos irmãos, todos tentando ajudar. Pessoas com as quais nunca haviam se relacionado, de repente e prontamente, se colocaram à disposição para servir e para cooperar de alguma forma. É em circunstâncias assim que percebemos que somos um corpo: uma palavra amiga, um gesto solidário, e mesmo aquela presença silenciosa de alguém que gostaria muito de ajudar, mas não sabe como. Tudo isso é muito significativo. A presença da igreja, o apoio da comunidade, dos parentes, nos faz sentir que amamos e somos amados.

Rebeca agora está nos braços de Deus, debaixo dos cuidados do Senhor. Quando ainda estava consciente, havia demonstrado que realmente entregara a vida a Jesus. Uma detalhe marcante de seu testemunho foi que, já com o organismo todo tomado pela doença, mas ainda consciente, ela fazia sinais com os dedos como se ainda estivesse tocando órgão eletrônico, instrumento que ela gostava de tocar, e com o qual também louvava a Deus.

Os pais Toninho e Solange, pela graça de Deus têm suportado a dor. Não tem sido fácil: momentos de saudade, lembranças inesquecíveis, o perfume que usava, as roupas, a comida que mais gostava, tudo que fazia parte da convivência com Rebeca... precisam encarar de outra forma. Agora ela está com Deus!

A Ele seja a glória!

Mensagem da Cruz, nº 117, página 16, abril-junho de 2002 (Editora Betânia).

__________

Blog Belverede

"Preciosa é à vista do Senhor a morte dos seus santos" - Salmos 116.15.

A esperança do cristão é viver a eternidade com Deus. Deus não considera momento de baixo valor o falecimento de um justo. A morte de seus seguidores é um cuidado para o Senhor, que sente a dor e a tristeza do luto das famílias, atribui extremo valor à alma de qualquer de seus servos fiéis. Ele exerce o máximo zelo por todos os envolvidos na separação de um ente querido. Para nós, a despedida é uma tragédia, mas para Ele é uma promoção para a glória eterna, e se alegra ao receber quem O ama no Céu, que é lugar de paz para todo o sempre (João 14; Filipenses 1.21).

Nenhum comentário:

As 7 postagens mais acessadas na semana

As 7 postagens mais acessadas nos últimos 30 dias

As 7 postagens mais populares (geral - desde 12 de junho de 2007)

▲ Clique na imagem para retornar ao topo do blog.

Bola colorida na areia da praia. By Eliseu Antonio Gomes

Bola colorida na areia da praia. By Eliseu Antonio Gomes
Cidade Ocean - Praia Grande - São Paulo/SP - Brasil.