Research | Pesquisar artigos de Belverede

Select the language

sexta-feira, 28 de fevereiro de 2014

Um lugar de adoração no deserto

Por Eliseu Antonio Gomes

Em Êxodo 25.1-7, encontramos os preceitos para o culto dos israelitas, instruções para a construção do tabernáculo, um templo portátil de lona. O vocábulo "tabernáculo" é derivado de um radical hebraico que significa assentar-se, habitar, morar. tenda. 

Vemos em Êxodo 25 que o Senhor orienta os judeus para que o adorassem dia após dia, com a finalidade de que as verdades eternas entrassem na mente deles. Manda trazer ofertas para o tabernáculo, pois as ofertas são partes vitais da adoração. Os israelitas deveriam ofertar movidos através de coração voluntário e não por pressão. Deveriam contribuir entregando ouro, prata e bronze; estofo azul, púrpura e carmesim; linho fino; pêlos de cabra; peles de carneiro tingidas de vermelho; madeira de acácia; azeite; pedras de ônix e de engaste; e especiarias, para realizar unção e serem usadas em incensário aromático. O resultado da contribuição ultrapassou o limite necessário (Êxodo 36.5-7).

A planta do tabernáculo foi idealizada por Deus e entregue a Moisés, que seguiu à risca o projeto.

O santuário era dividido em três partes: o átrio; o lugar santo; e o lugar santo dos santos, ou santíssimo.

O átrio era um pátio descoberto, cercado de alpendres. Continha uma única entrada, para que os israelitas soubessem que a adoração deveria ser sempre separada do mundo. No espaço havia o altar de holocaustos, feito de madeira, e uma pia de bronze para o asseio do sacerdote (Êxodo 38.9-19; Salmo 65.4).

O átrio dava acesso ao lugar santo, onde estava o castiçal de ouro e uma mesa com os pães da propiciação e o altar do incenso. No local santo havia a passagem ao compartimento santo dos santos, lugar em que permanecia a arca da aliança entre duas estátuas de querubins com asas abertas, e que era permitida a presença apenas do sumo sacerdote um vez ao ano, no dia da expiação, data em que era aspergido o sangue do sacrifício sobre a tampa, que era o propiciatório da arca (Êxodo 25.31-40; Levíticos 16.14; 15; 17.11).

O tabernáculo possuía um significado espiritual para a Igreja. Era um santuário, o local onde Deus se encontrava com o seu povo e prefigurava a perfeita aproximação de Deus com a humanidade pelo sangue de Jesus.  Ali, era o local onde o Senhor concedia o perdão dos pecados aos israelitas mediante sacrifício vicário, tipificava o perfeito sacrifício  de Cristo na cruz pelos pecados da raça humana (.Êxodo 25.8;  29.45; Números 5.3; Ezequiel 43.7,9; João 1.14; Hebreus 8.1-2; 9.11-14; 10.19-20). 

Era chamado de tabernáculo do testemunho, porque estavam guardados nele a arca da aliança, o baú, que armazenava os dez mandamentos que o povo havia aceitado, lembrando aos judeus que eles deveriam manter o relacionamento da Aliança com Deus, ajudando-os a não esquecerem que precisavam viver em santidade. Além dos mandamentos, encontrava-se no interior da arca um vaso de maná e a vara florescida de Arão (Êxodo 16.22, 33, 34; Números 17.10; Hebreus 9.4).

No tabernáculo, estava a glória do Senhor dia e noite. Quando a glória do Senhor ia adiante, Israel tinha que ir junto. Assim Deus guiou os israelitas enquanto caminharam pelo deserto (Êxodo 40.36; Números 9.15, 16).

Os objetos visíveis no tabernáculo são símbolos para nos ensinar a ser o santuário de Deus, a sinalização para adorá-lo em espírito e em verdade, como Cristo nos ensinou. Jesus é o verdadeiro tabernáculo que o Senhor fez, Ele cumpriu tudo o que o tabernáculo no deserto simbolizava (Hebreus 8.2; 9.11).

Deus quer habitar entre nós, para que Ele seja o nosso Deus e para que nós sejamos o seu povo. Por "habitar" compreendamos que o propósito real de qualquer habitação é a comunhão.

E.A.G.

Compilações em:
A Bíblia Anotada e Expandida, Charles C. Ryrie, página 84, edição 2007, São Paulo (Editora Mundo Cristão).
A Bíblia Explicada, S.E. McNair, edição 1985, página 45, Rio de Janeiro (CPAD).
Bíblia de Estudo Pentecostal, páginas 156, 157, edição 1996, Rio de Janeiro (CPAD).
Bíblia Shedd; páginas 111, 112; edição 1998; São Paulo  (Edições Vida Nova).
Ensinador Cristão, 1º trimestre de 2014, página 40, Rio de Janeiro (CPAD).

2 comentários:

suely ceruci disse...

Aula bíblica..muito boa!
Esclarecedora...Devemos conhecer as Escrituras,para que ninguém nos engane!...
parabéns pelo excelente estudo!
Suely

Unknown disse...

Deus abençoe por esse estudo ,muito bom mesmo!

As 7 postagens mais acessadas na semana

As 7 postagens mais acessadas nos últimos 30 dias

As 7 postagens mais populares (geral - desde 12 de junho de 2007)

▲ Clique na imagem para retornar ao topo do blog.

Bola colorida na areia da praia. By Eliseu Antonio Gomes

Bola colorida na areia da praia. By Eliseu Antonio Gomes
Cidade Ocean - Praia Grande - São Paulo/SP - Brasil.