Research | Pesquisar artigos de Belverede

Select the language

domingo, 28 de julho de 2013

Oscar Schmidt ajoelha-se aos pés do papa

Alceu Figueiredo

Cristãos de várias confissões ficaram entristecidos quando viram pela televisão, o grande atleta e campeão; o ex-jogador da seleção brasileira de basquete, Oscar Schmidt, ajoelhar-se diante do papa de Roma. No encontro, tirou o chapéu que usava e ficou de joelhos e, aos pés do pontífice, recebeu uma bênção especial, com direito a gesto de arremesso e bom humor do papa. 

Em seguida, muito emocionado, o ex-atleta disse: “Se não curar agora não vai curar nunca mais. A maior bênção que você pode ter é a bênção do Papa", disse, chorando. 

Até entendemos o nosso campeão, pois se acha em tratamento de um câncer agressivo e, portanto, vulnerável às emoções; também é direito seu adorar como, e quem quiser. Provavelmente não deve ter lido a Bíblia como regra de fé. Aliás, não vi o próprio papa portar uma Bíblia ou ler a mesma nenhuma vez; esporadicamente citava alguns textos.

O que questionamos é o “humilde Francisco” não agir como Pedro, o grande apóstolo da circuncisão que, quando enviado a casa do capitão da corte italiana, o gentio Cornélio, e este percebendo que Pedro fora enviado de maneira especial, tocado por Deus numa divina revelação que lhe mostrava os gentios incluídos no plano de salvação; emocionado, humildemente se ajoelhou diante do apóstolo.

Mas o apóstolo Pedro, cheio do Espírito Santo, disse: “Levante-se! Eu não sou um deus! (Bíblia Viva)”; ou, na tradução católica (Edições Paulinas): “Levanta-te, que eu também sou homem”; ou, na tradução italiana de Giovanni Diodati: “Levati, io ancora son uomo” (Atos 10:26). Qualquer pessoa de mente ainda não cauterizada, que consegue raciocinar por si mesma, sabe que o ato de ajoelhar-se é um ato de adoração; e Jesus disse: “É somente ao Senhor teu Deus que tens de adorar” (Mt 4:10).

Tanto é um ato de adoração, que nem mesmo um anjo de Deus que trazia profundas revelações sobre as últimas coisas, aceitou o ajoelhar-se diante dele. João, na ilha de Patmos, sob forte emoção das visões, ajoelhou-se diante do anjo que lhe falava, mas este disse: “Não faças isso! Eu sou um servo, como tu e teus irmãos, possuidores do testemunho de Jesus. Adora a Deus” - (Bíblia católica, Editora Ave Maria - Apocalipse 19:10; 22:9).

Esse costume condenável de ajoelhar-se diante do papa, como se fosse Deus, teve início no ano 709, e foi uma copia dos imperadores pagãos. Relatos mais antigos mostram que ajoelhar e “beijar” objetos sagrados, como paredes de templos vem de Khajuraho, da Índia, e remota ao ano 2500 a.C.

Diz-se que na Suméria, antiga Mesopotâmia, as pessoas costumavam enviar beijos aos deuses, costume comum entre gregos e romanos também; mas foram os romanos que difundiram a prática, e os imperadores permitiam que os nobres mais influentes beijassem os seus lábios, e os menos importantes às mãos. Os escravos podiam beijar apenas os pés.

Havia ainda três tipos de beijos: O basium, entre conhecidos; o osculum, entre amigos; e o suavium, o beijo dos amantes; foi em razão disso que o apóstolo recomendou aos novos convertidos que saudavam com o “osculum”, que este “ósculo”, agora, deveria ser santo” (Rm 16:16).

É calar ou falar; agradar aos homens ou a Deus. A caridade nos manda falar, com bondade e mansidão. Maria, a escrava [serva] do Senhor [no Magnificat, Lc 1:46-55]; nos forneceu o exemplo de que ao escravo não compete escolher, mas obedecer.

Fonte: Linha do tempo Facebook, postagem cujo título é Um Pouco de Luz (28/07/13).

Nenhum comentário:

As 7 postagens mais acessadas na semana

As 7 postagens mais acessadas nos últimos 30 dias

As 7 postagens mais populares (geral - desde 12 de junho de 2007)

▲ Clique na imagem para retornar ao topo do blog.

Bola colorida na areia da praia. By Eliseu Antonio Gomes

Bola colorida na areia da praia. By Eliseu Antonio Gomes
Cidade Ocean - Praia Grande - São Paulo/SP - Brasil.