Research | Pesquisar artigos de Belverede

Select the language

domingo, 13 de fevereiro de 2011

Fruto do Espírito - amor

Por John W. Ritenbaugh

"O que o mundo precisa agora é de amor, doce amor". Essas são as palavras iniciais de uma música de anos atrás. Ela expressa o desejo que praticamente todos têm. Mas o que é amor? A julgar pelo entendimento comum de "amor", o mundo não precisa de mais do mesmo! Se o que está acontecendo no mundo é uma evidência, é muito claro que o mundo só tem noções vagas do que é o amor. Se não sabe, não tem condições de realizá-lo.

O amor é um termo banalizado. Devido a nossa experiência, todos temos diferentes idéias sobre o assunto. A noção mais prevalecente no mundo ocidental é que o amor é um ambiente aconchegante, sentimento às avessas, uma emoção que começa na boca do estômago ou um formigamento subindo e descendo a espinha. Pensamos nisso como um ingênuo senso de respeito, um forte desejo de estar com alguém ou ser satisfeito por alguém ou algo.

Alguns têm equacionado com cuidado, descrevendo-o como sentimento benévolo ou nada mais do que pura emoção. Na ocasião, usamos o termo muito casual e vagamente. As pessoas expressam seu "amor" para a liturgia de uma determinada igreja. Alguns vão dizer que "amam" sorvete, cerveja, pizza, o estilo da arquitetura da casa, determinada cor, automóveis, a garota que é modelo de passarela, a equipe de futebol. As pessoas dizem que amam um número infinito de coisas. O que algumas pessoas chamam de "amor" alguns teólogos poderiam chamar de luxúria desenfreada.

Estas declarações levam às situações de vexames quando compreendemos o que é o amor bíblico. "Amor" na boca do povo passou apenas a descrever uma opinião de preferência. A preferência não é amor. Usar o termo assim desta forma desvaloriza-o.

A Suprema Importância do Amor

Em 1 Coríntios 13, a Bíblia revela a suprema importância do amor à vida. Paulo compara diretamente o valor do amor, da fé, da esperança, da profecia, do sacrifício, do conhecimento e o dom de línguas e indiretamente com todos os outros dons mencionados no capítulo 12.. Ele em nada denigre a utilidade dos outros dons para a vida e ao propósito de Deus, mas nenhum se compara em importância ao amor.

Os cristãos da cidade de Corinto tiveram grande prazer em seus dons, assim como nós, mas um dom tem importância relativa, embora importante seu uso é temporal. Ou seja, há momentos em que um presente não tem qualquer utilidade. Mas o amor nunca acabará, será sempre usado.

De fato, o recebimento dos dons de Deus quando não são acompanhados e usados com amor têm o potencial de danificar o seu recebimento. Os dons de Deus são poderes conferidos para melhorar a capacidade de uma pessoa para servir a Deus na igreja. No entanto, todos nós já ouvimos o clichê, "o poder corrompe, e o poder absoluto corrompe absolutamente". Se os dons não são recebidos e utilizados com amor, eles vão desempenhar um papel na corrupção do destinatário, assim como corromperam os membros da igreja em Corinto. O amor é o atributo de Deus que nos permite receber e utilizar seus dons sem corrupção.

A Bíblia diz em 1 Coríntios 8.1: "O conhecimento incha, mas o amor edifica".  "Incha", quando em oposição a "edifica", implica demolição, destruição. Paulo está dizendo que o orgulho tem o poder de corromper o portador do conhecimento. Esta declaração é parte do prólogo do grande capítulo sobre o amor, escrito porque os crentes de Corinto haviam permitido que houvesse ênfase à deriva em áreas erradas.  Mesmo como um dom de Deus, o conhecimento tem o potencial de danificar o seu destinatário, se não for acompanhada pelo amor.

Portanto, Paulo começa o capítulo 13, contrastando amor com outros dons de Deus. Ele faz isso para enfatizar a importância do amor, integridade, permanência e supremacia sobre todas as outras qualidades que consideramos importantes para a vida e / ou o propósito de Deus.

A necessidade de amor nunca se esgota, nunca se torna obsoleto. Deus quer usá-lo em qualquer ocasião.

Paulo também nos exorta ao instruir-nos "para as coisas de menino" (v. 11), bem como a sua referência a um espelho (versículo 12) que o amor é algo que cresce dentro. Deve ser aperfeiçoado. O que temos agora é parcial. Portanto, Deus não dá o amor a nós em uma enorme parcela a ser utilizado até ficarmos sem ele. Nesse sentido, devemos sempre nos vermos como imaturos. Mas a hora vem, quando o amor vai ser perfeito, e teremos em abundância como Deus. Entretanto, enquanto estamos na carne, estamos a perseguir o amor (1 Coríntios 14.1).

Isso indica que o amor bíblico não é algo que temos naturalmente. É verdade que algumas formas dessa qualidade que chamamos de amor vêm espontaneamente, isto é, eles surgem por natureza. Mas isso não é assim com o amor de Deus, que surge em nós através da ação sobrenatural de Deus, pelo Espírito (Romanos 5.5).

Amor da dívida, e Motivação

Em Romanos 13.8-10 Paulo injeta amor no âmbito do direito, mostrando que é a soma de todas as funções:

A ninguém fiqueis devendo coisa alguma, exceto amar uns aos outros, porque quem ama aos outros cumpriu a lei. Para os mandamentos, "Não cometerás adultério", "Não furtarás", "Não levantarás falso testemunho", "Não cobiçarás", e se há qualquer outro mandamento, está tudo resumido nesta palavra, isto é, "Amarás o teu próximo como a ti mesmo". O amor não faz mal ao próximo, por isso o amor é o cumprimento da lei.

Ele não diz que o amor acaba a necessidade de lei, mas que cumpre ou executa, realiza a lei.

Em relação aos homens, não devemos estar em dívida. Ele não está dizendo que um cristão não pode dever dinheiro a ninguém, mas que existe uma dívida que temos com cada pessoa que devemos nos esforçar para pagar todos os dias. Essa dívida é de amor, pagou por manter a lei de Deus , e a isso Paulo ilustra, citando vários itens dos Dez Mandamentos!  Inerente a esta dívida é que não importa o quanto pagamos em cada dia, ao acordar no dia seguinte, a dívida é restaurada, e nós devemos, tanto como nós fizemos no dia anterior!

Isso configura um paradoxo interessante, pois todos nós devemos mais do que podemos sempre esperar para pagar. O paradoxo, porém, é mais aparente do que real, porque não é isso que Paulo está ensinando. Ele está ensinando que o amor deve ser a força motriz, a motivação , de tudo que fazemos. Isso aponta uma fraqueza da lei sobre a justiça. A Lei, de si e por si, não prevê a motivação certa para uma mantê-lo.

Observe Romanos 13.3. "Porque os magistrados não são terror para as boas obras, mas para o mal. Você quer ter medo da autoridade? Faze o bem e terás louvor do mesmo". As leis são indicativos e têm penas.  Governantes usam leis como regras aos cidadãos, mas isso não impede as pessoas de quebrá-las, em muitos casos com a impunidade, especialmente quando é percebido que nenhum representante do governo está observando-os. O poder do governo está em grande medida de coerção, ou seja, restrição ou retenção forçada, seja física ou moral. Em outras palavras, é o governo pela força.

Por exemplo, existem muitas pessoas em flagrante desobediência ao limite de velocidade nas estradas e rodovias. O limite de velocidade é esquecido quando a polícia está fora de vista. A lei está nos livros, é bem visível e é conhecida, mas falta motivação para muitos motoristas obedecê-la..

Mas o amor para com Deus, o amor de Deus, pode nos motivar a fazer o que a lei diz que devemos fazer, mas não pode nos forçar a fazer. Podemos concluir que Paulo afirma que se exercita o amor de Deus ao pagar a dívida para com o homem, quem age assim guarda os mandamentos.

Nós também poderíamos concluir que Paulo diz que se não se quebrar os mandamentos, ele está agindo por amor. Este é o mais fraco dos dois. Dentro deste contexto, então, a cada fase, cada faceta de nossa responsabilidade para com Deus e o homem.

Se realmente amamos uma pessoa, não prejudicamos ela. O amor sufoca qualquer pensamento que leva ao adultério, homicídio, roubo ou qualquer forma de cobiça, porque o amor não pode prejudicar. Desde que o amor não pode quebrar as leis destinadas a proteger o outro, é supremo em fornecer o tipo certo de persuasão.

O amor como um elo

Em Colossenses 3:12-14 Paulo mostra um outro aspecto de suprema importância do amor à vida da comunidade: "Portanto, como eleitos de Deus, santos e amados, de misericórdias, bondade, humildade, mansidão, longanimidade; suportando uns aos outros, e perdoando-vos mutuamente, se alguém tiver queixa contra outro; assim como Cristo vos perdoou , então você também deve fazer. Mas, acima de todas essas coisas sobre o amor, que é o vínculo da perfeição".

Paulo coloca o amor "acima de tudo", mostrando que o amor é o epítome das virtudes. Aqui, a sua importância como "o elo", algo que se liga ou mantém as coisas, como uma congregação, juntos.

Eventualmente, os grupos tendem a fazer parte. Eles não permanecem unidos pela magia. Geralmente, um grupo mantém sua unidade através de uma causa comum. Como cada pessoa contribui para atingir um objetivo comum, a unidade é geralmente atingida.  No entanto, mesmo que os indivíduos façam esforços para atingir a causa, as fricções surgem de uma infinidade de razões. O amor é a suprema qualidade que permite que os membros do grupo vivam a unidade. Isto acontece porque algumas pessoas recusam-se a agir com amor.

Curiosamente, qualidades que normalmente pensamos como sendo unidade, coragem, determinação e agressividade estão ausentes desta lista em Colossenses 3. Embora não sejam inerentemente mau, eles tocam diretamente o ego humano, freqüentemente resultando em individualismo crasso.

Porque ela tende a produzir uma divisão, o individualismo não é o que Paulo está apontando neste caso. Sem o controle espiritual forte, esses traços tendem a descer para a competitividade, à raiva, à ira, à malícia, à dissimulação, às acusações, às calúnias, ao palavreado de baixo calão. Estes, por sua vez, são nada mais do que vergonha egoísta, características que empurram às divisões, aos partidarismos.

Cada virtude que Paulo lista é realmente uma expressão do amor, são características que tornam possível viver em uma comunidade. Não há nada de fraco: é preciso uma pessoa forte para resistir o que vem naturalmente e fazer o que Deus ordena ao invés de ir junto com anseios de nossos sentimentos carnais. No enfoque de Paulo, o amor é apresentado como atributo de Deus, o destacamos aqui para mostrar que ele não está limitado às descrições humanas.

Deus, o Homem e o Amor

Alguns consideram 1 João 4.7-12 como a declaração mais sublime da Bíblia a respeito da natureza de Deus: "Amados, amemo-nos uns aos outros, porque o amor vem de Deus, e todo aquele que ama é nascido de Deus e conhece a Deus. Aquele que não ama não conhece Deus, porque Deus é amor. Deste modo, o amor de Deus se manifestou em relação a nós, que Deus enviou o seu Filho unigênito ao mundo, para que pudéssemos viver por meio dele. Nisto consiste o amor: não fomos nós que amamos a Deus, mas que Ele nos amou e enviou o Seu Filho para propiciação pelos nossos pecados .Amados, se Deus assim nos amou, também nós devemos amar uns aos outros. Ninguém jamais viu a Deus a qualquer momento. Se nos amarmos mutuamente, Deus permanece em nós e o Seu amor foi aperfeiçoado em nós".

Se vamos ser como Ele, esses versículos são importantes para nós porque nos dizem muito sobre ele e as nossas responsabilidades. Primeiro, o amor vem de Deus, Ele é sua fonte. Este amor que os apóstolos citam vem de Deus, não faz parte da natureza do homem. É o amor ágape. O amor humano sem Deus está no seu estágio mais intenso, é um mero reflexo pálido e vago do que Deus é.

Em seguida, João diz: "Deus é amor".  Sublime declaração, mas alguns têm entendido mal, porque apesar dela ser descritiva não é detalhada. Deus não é apenas uma abstração, como o amor. Deus é um ser vivo, dinâmico e poderoso, cuja personalidade tem várias facetas. Ele não pode ser embalado, acondicionado e apresentado como sendo meramente um atributo.

A afirmação de João diz textualmente: "Deus é amor". Os gregos usaram uma forma enfática de escrever, e aqui a ênfase está na palavra "Deus". A sintaxe significa que as duas palavras "Deus" e "amor" não são intercambiáveis. "Amor" descreve a natureza de Deus. Uma paráfrase boa é: "Deus, em Sua natureza é amor". Deus é um Deus de amor!

Isso não significa que amar é uma das atividades de Deus, mas que toda a atividade de Deus é amar. Se Ele cria, Ele cria no amor. Se Ele reina, Ele reina no amor. Se julga, julga em amor. Ele faz tudo manifestando a Sua natureza. Deus e Sua natureza se manifesta por aquilo que Ele faz. Pelo amor Deus é revelado e conhecido.

A própria existência de vida em outros além de si mesmo é um ato de amor. Seu amor é revelado em Sua providência e cuidado da criação. Uma vez que não são robôs, o livre-arbítrio-moral é um ato de Seu amor. Deus, por um ato deliberado de auto-limitação, dotou-nos a responder com a mente e emoção. O amor de Deus é a explicação para a redenção e a esperança da vida eterna. Por amor, Deus nos deu algo para viver. A vida não é só uma questão de passar os ritmos. Nós não vivemos nossas vidas em vão.

Deus fez o homem à Sua imagem e semelhança. Mas a Bíblia diz: "Deus é Espírito" e "Deus é amor". O homem, porém, é carne, e a Bíblia nos descreve como carnais, egoístas e enganosos. Na realidade prática, isso significa que o homem não pode ser o que ele pretende ser até que ele ame como Deus ama. Só amando é que o homem passa a ser a imagem de Deus, porque ele passa a ter a mesma natureza de Deus. Assim, para alcançar seu potencial, a pessoa precisa de amor, mas deve amar com o amor de Deus.

João 13.35 acrescenta: "Com isso todos saberão que sois meus discípulos, se tiverdes amor uns pelos outros". Assim como Deus é revelado pelo que Ele faz, também são os Seus filhos. Nosso amor por Deus não tornou isso possível, mas o Seu amor por nós, como 1 João 4.19 diz: "Nós amamos porque Ele nos amou primeiro. Assim, o nosso amor por Ele é uma resposta ao Seu amor por nós. Uma vez que Deus mostra seu amor por nós, chamando-nos a Ele, cabe a nós fazer atos de amor para com os outros para imitá-lo.

O.ato de amor de Deus ao dar Seu Filho define a exigência final do verdadeiro amor, a doação de seus bens mais queridos em sacrifício por outro. Podemos entender, então, que o amor divino terá sempre o sacrifício envolvido em doação. O sacrifício é a essência vital de amor.

O amor de Deus tem origem em si mesmo, foi manifestado em Seu Filho e é perfeito em Seu povo. O amor de Deus é perfeito em nós quando o praticamos entre nós. Isto explica em parte a intensa preocupação do apóstolo João sobre a irmandade. Praticar o amor não é uma opção aos crentes, é uma saída fundamental para a manifestação do perfeito caráter de Deus entre os santos.

Como podemos ter esse amor?

Deveria ser óbvio que nós não temos o amor de Deus por natureza, nem é auto-gerado. Romanos 5.5 confirma esse entendimento: "Ora, a esperança não decepciona, porque o amor de Deus foi derramado em nossos corações pelo Santo Espírito que nos foi dado". Nós recebemos o amor divino de sua fonte, Deus, por meio de Seu Espírito.

Só conhecendo a Deus é que podemos ter esse amor, e só amando podemos conhecê-Lo! Isto pode soar como uma situação cíclica, mas os dois andam juntos. Só aprendendo a amar a Deus podemos conhecer Sua natureza, isto é, como Ele é. Nós não podemos ter esse amor sem primeiro conhecê-Lo. Na comunhão com Ele, passamos a conhecê-Lo e receber o Seu amor, e no uso de seu amor, tornamo-nos semelhantes a Ele e demonstramos conhecê-Lo realmente. Só podemos realmente conhecer a Deus, experimentando o uso de Seu amor.

Tudo isso é possível porque Deus, em Seu amor, inicia um relacionamento conosco, nos concede o arrependimento, nos dá o Seu Espírito e, em seguida, por causa do Seu amor, assume a liderança na manutenção do relacionamento. É por isso que Paulo diz em Romanos 5.10 que "seremos salvos pela sua vida". Jesus levou em Seus ombros o fardo de nossa salvação. Como é consolador!

Onde está o amor?

1 João 5.1-3 é útil na definição do amor de Deus de uma forma prática: "que crê que Jesus é o Cristo é nascido de Deus e todo aquele que ama Aquele que gerou ama também aquele que é nascido dele. Por isso sabemos que amamos os filhos de Deus, quando amamos a Deus e guardamos os seus mandamentos. Pois este é o amor de Deus, que guardemos os Seus mandamentos. E os seus mandamentos não são penosos".

Deus quer o amor dEle e que o amor do homem sejam partes inseparáveis da mesma experiência. João explica isso dizendo que, se o amor do Pai está em nós, nós também amamos a criança. O amor do Pai que gerou as crianças, então devemos amar os filhos, caso contrário, não temos o amor de Deus. Em 1 João 4:20 , ele amplifica o seguinte: "Se alguém diz, 'Eu amo Deus' e odeia a seu irmão, é mentiroso, pois quem não ama seu irmão a quem vê, como pode amar a Deus quem não viu?"

1 João 5.3 é a base da definição bíblica do amor. Os mandamentos esclarecem quais os elementos básicos devem definir nossas ações. É o amor. Isto significa que a obediência a Deus é a prova de amor. A obediência é uma ação que se submete a uma ordem de Deus, um princípio divino revelado em Sua Palavra e / ou um exemplo de Deus.

Em certo sentido, este é o lugar onde o amor divino começa em um ser humano. Na obediência aos mandamentos de Deus está o amor, porque Deus é amor. Porque a Sua natureza é amor, é impossível para Ele o pecado. Assim, Ele nos dá os comandos no amor, e eles vão produzir resultados corretos e bons. Qualquer comando de Deus reflete o que ele mesmo faria se estivesse na mesma situação.

Jesus diz em João 14.15 : "Se me amais, guardai os meus mandamentos". Guardar os mandamentos é como se exprime o amor. Ele acrescenta, em João 15.10. "Se guardardes os meus mandamentos, permanecereis no meu amor, assim como tenho guardado os mandamentos de meu Pai e permaneço no Seu amor."

Uma pessoa pode ter um pensamento de fazer o bem ou abster-se do mal. Ele pode ter um sentimento de piedade, compaixão ou misericórdia. Pode sentir repulsa em fazer uma ação má. Mas nenhum desses comportamentos se tornou amor até o pensamento ou sentimento motivador que fez a pessoa agir. No sentido bíblico, o amor é uma ação.

O amor não tem ainda um outro aspecto, no entanto. Nós podemos mostrar o amor friamente, relutantemente, em "obediência obediente." Podemos também mostrá-lo com entusiasmo, alegria sincera ou devoção afetuosa, em gratidão. Qual é mais atraente para Deus ou o homem como um testemunho?

Independentemente da atitude, é muito melhor do que não obedecer a todos (Mateus 21.28-31). Se não podemos ir além de fazer o que é direito, os próprios sentimentos nunca serão formados. Experiência é o maior responsável pela atitude de formação e emoção. Nós nunca manifestaremos emoções de forma adequada sem primeiro executar as ações corretas com o espírito certo, o Espírito Santo de Deus.

Para conhecer a Deus

1 João 2.3-6 nos ajuda a entender como podemos ter a atitude certa e emoção em nossa obediência:

"Agora, por isso nós sabemos que nós conhecemos: se guardamos os seus mandamentos. Aquele que diz: 'Eu o conheço', e não guarda os seus mandamentos é mentiroso e a verdade não está nele. Mas quem guarda a sua palavra, verdadeiramente o amor de Deus é aperfeiçoado nele. Por isso sabemos que estamos nele. Aquele que diz que permanece nele, esse deve também andar como Ele andou".

Nós conhecemos a Deus através do mesmo processo geral que podemos conhecer outros seres humanos por companheirismo ou experimentar a vida com eles.

Cerca de 500 anos antes de Cristo, os filósofos gregos acreditavam que poderiam vir a conhecer Deus através do raciocínio intelectual e argumento. Essa ideia tinha uma premissa simples: que o homem é curioso! Eles argumentaram que é da natureza do homem fazer perguntas. Uma vez que Deus fez o homem assim, se os homens pensassem e fizessem as perguntas certas eles teriam capacidade para induzir Deus a se revelar. Tal processo não poderia mudar a natureza do homem.

Para os filósofos gregos, a religião tornou-se algo semelhante a matemática superior. Foi como uma atividade mental intensa, gerando satisfação intelectual, mas nenhuma ação moral. Sócrates e Platão, por exemplo, não viam nada de errado com a homossexualidade. Os deuses da mitologia grega também refletem essa imoralidade, tinham as mesmas fraquezas de seres humanos.

Centenas de anos mais tarde, pesquisando a natureza de Deus, os gregos investigaram as religiões de ocultismo. Encontraram a cena da paixão, que sempre teve o mesmo tema geral: um deus que viveu, sofreu terrivelmente e teve morte injusta e após isso retornou à vida. Antes de receber autorização para entrar no jogo, enfrentou o início de um longo curso de instrução e disciplina ascética. Como ele avançou na religião, foi gradualmente transformado em um estado de intensa expectativa.

Então, na hora certa, seus instrutores o levaram para o jogo de paixão, onde orquestrou o ambiente para aumentar a experiência emocional: iluminação, astúcia, a música sensual, incenso aromático e liturgia edificante. Por causa do desenvolvimento da história, o início tornou-se emocionalmente muito envolvente até que ele se identificou com o que acreditava, e compartilhou o sofrimento de Deus e a vitória da imortalidade.

Mas este exercício de pesquisa não fez os gregos conhecerem realmente Deus. Tal resultado de pesquisa não altera a natureza do homem, mas a paixão pelo jogo, além de ser cheia de mentiras! O resultado não era o verdadeiro saber, mas apenas o sentir. Agia como uma droga religiosa, cujos efeitos foram de curta duração Foi uma experiência anormal, algo como uma reunião pentecostal moderna onde os fiéis oram para baixo, o "espírito" a falar em línguas. Tais atividades são escape das realidades da vida cotidiana.

Deus revela a Si mesmo!

Contraste estes métodos com a forma grega da Bíblia de conhecer a Deus. O conhecimento de Deus vem, mas nunca por especulação ou sentimentalismo, vem direta de Deus por auto-revelação. Em outras palavras, o próprio Deus inicia o nosso conhecimento sobre Ele, começando a nossa relação, chamando-nos por Seu Espírito (João 6.44).

O que Deus revela é igualmente importante. Ele se revela como um santo, pelo processo de amar e dar a Si com o propósito tão impressionante que nossas mentes não podem compreender todas as suas implicações, embora possamos apreciá-la. Ele mostra que, se realmente desejamos fazer parte de Seu propósito de incrível criatividade, a nossa aliança com Ele nos obriga a ser tão santo, amoroso e generoso como Ele é!

Deus orienta e capacita-nos nesta grande peregrinação pelo Espírito Santo. Pela obediência, nós conhecemos a Deus. É como andar em seus sapatos, como se fossem o nosso meio de transporte. A obediência é o caminho onde começamos essa experiência de conhecimento, seguindo os mandamentos dEle, crescemos na vida divina, atendemos à chamada da "vida eterna", segundo as Escrituras.

Em seu uso bíblico, a palavra "conhecer" implica intimidade. A partir de exemplos bíblicos, esta implicação pode significar até mesmo a intimidade sexual. Isso é realmente conhecer alguém de perto, especialmente considerando o tempo que há em uma relação com Deus. Quando aplicamos isso em nosso relacionamento com Deus, a dimensão sexual desaparece, e a intimidade se torna uma profunda e permanente reverência, devoção e lealdade.

As pessoas podem pensar de Deus como nada mais do que um exercício intelectual. Elas podem dizer: "Eu conheço Deus", ou acreditam em uma "primeira causa" ou o Criador, sem ter qualquer escrúpulo moral. Eles vão à igreja no domingo e vivem o resto da semana, assim como todos os seus vizinhos e colegas de trabalho que jamais participaram de um culto.

As pessoas podem ser emocionais, dizendo que Deus está com eles e que eles são preenchidos com o "espírito", mas não conseguem ver a Deus em termos de mandamentos. Eles vêem Deus como algo morno e sem folga, uma figura de um avô que corre em sua ajuda para afastar os seus problemas, mas não vejo como ainda propositalmente criando.

Inequivocamente e sem compromisso, Jesus, Paulo e João mostram que a única maneira que nós podemos mostrar que conhece a Deus, que Ele está em nós e nós o amamos é se fomos regenerados pelo Espírito Santo e obedecê-lo.

Qual é o padrão?

Podemos abordar esta questão de várias maneiras, mas na comparação entre algumas escrituras, a resposta se torna claro quando vemos um padrão de desenvolvimento. Jesus declara o grande segundo mandamento, "Amarás o teu próximo como a ti mesmo" (Mateus 22:39). Por si só, isso estabelece um padrão muito elevado, porque nós nos amamos muito. Vamos sacrificar muito para agradar a nós mesmos.

Ele levanta a um entalhe ou dois, quando Ele diz em Mateus 5:44 : "Mas eu vos digo, amai os vossos inimigos, bendizei os que vos maldizem, fazei bem aos que vos odeiam e orai por aqueles que maldosamente usá-lo e vos perseguem". Este é um grande desafio, confirmando que o amor de Deus certamente não é natural para nós.

Nosso Salvador também diz em João 15:13 , "o amor Ninguém tem maior do que este: de dar alguém a sua vida pelos seus amigos".  Paulo chama este padrão se ainda mais, reiterando próprio exemplo: "Jesus, em Romanos 5:7-8: "Porque dificilmente um homem justo, alguém morreria, ainda talvez por um homem bondoso alguém ouse morrer. Mas Deus prova o seu próprio amor para conosco, em que, quando éramos ainda pecadores, Cristo morreu por nós"

Ele acrescenta em Efésios 5.25 que devemos amar "como também Cristo amou a igreja ea si mesmo se entregou por ela".


Estamos lidando com um amor de força e determinação altaneiro como aquela com que vai se sacrificar por um longo tempo até mesmo para seus inimigos. E se isso não for suficiente, ele vai, finalmente, dar-se totalmente com a morte de seu bem-estar antes de ser retribuído!

Será que algum dia viver de acordo com isso? É possível, mas somente porque Deus nos fez participantes da natureza divina. Nós agora temos o mesmo Espírito em nós que habilitado e com poderes de Jesus. Peter writes: Pedro escreve:  "Graça e paz vos sejam multiplicadas no pleno conhecimento de Deus e de Jesus nosso Senhor, como o seu divino poder nos deu todas as coisas que dizem respeito à vida e à piedade, pelo conhecimento daquele que nos chamou por sua glória e virtude, pelo qual ter sido dado a nós promete muito grande e precioso, que por elas vos torneis co-participantes da natureza divina, havendo escapado da corrupção que há no mundo pela concupiscência". (2ª Pedro 1.2-4 ).

Amor, amor divino, é o fruto, o produto de que o Espírito, que agora circula em nossas vidas. Esse Espírito nos guia e nos conduz à verdade. Resta a nossa responsabilidade, no entanto, optar por seguir a sua orientação, para obedecer as verdades do grande Deus que é a criação de sua imagem em nós. Obediência aos Seus mandamentos é piedoso amor, o fruto do Seu Espírito que nos dá força, a virtude suprema do Criador Todo-Poderoso.

Fonte: Church of the Great God

Nenhum comentário:

As 7 postagens mais acessadas na semana

As 7 postagens mais acessadas nos últimos 30 dias

As 7 postagens mais populares (geral - desde 12 de junho de 2007)

▲ Clique na imagem para retornar ao topo do blog.

Bola colorida na areia da praia. By Eliseu Antonio Gomes

Bola colorida na areia da praia. By Eliseu Antonio Gomes
Cidade Ocean - Praia Grande - São Paulo/SP - Brasil.