Research | Pesquisar artigos de Belverede

Select the language

quarta-feira, 21 de julho de 2010

Isaías 46.10 dá base aos calvinistas para refutar o livre-arbítrio?


“Que anuncio o fim desde o princípio, e desde a antiguidade as coisas que ainda não sucederam; que digo: O meu conselho será firme, e farei toda a minha vontade" – Isaías 46.10.

Esta epígrafe não vai contra a soberania de Deus, como alguns demonstram entender. Aliás, o versículo endossa exatamente o contrário. É o que procuraremos mostrar mais abaixo, pontuando dentro do capítulo 46 do livro de Isaías.

Antes, é preciso deixar claro que levamos em alta consideração o fato de o Criador ser soberano, que a todos nós como criaturas Ele dispensa aos seres humanos duas situações. Estamos debaixo da vontade e da permissão dEle. Dentro da soberania divina, Deus.

Sob a vontade divina, não temos condições de deixar de responder pelas consequências de nossas escolhas. Ao fazer uso do livre-arbítrio são geradas consequências espirituais. É a lei da semeadura, colhemos o que plantamos! O resultado final de tudo é o céu ou o inferno. Estes dois destinos é a estipulação da vontade absoluta de Deus para toda a humanidade, não há como ir para outro lugar diferente destes, ou é um ou é outro.

Sob a permissão divina, nós vivemos fazendo escolhas dentro da condição de liberdade concedida por Ele. Somos livres para escolher fazer o bem ou o mal, e Deus sabe o que escolheremos amanhã, daqui um ano... Ele nos deixa seguir a direção que queremos ir. Essa situação não significa que Ele determinou que assim acontecesse conosco (não é a vontade absoluta dEle, é a nossa vontade em ação).

Entendemos que o livre-arbítrio não toca na autoridade do Criador, pois a liberdade de escolha que todo ser humano tem foi criada liberalmente por Ele. Deus quis nos dar o direito de escolhas. A liberdade de iniciativas que temos é a vontade dEle para nós!

Se o ser humano opta por não fazer o bem, a não adorar a Deus, e rouba, assalta, mata, estupra, mente, dissimula, trai, e comete outros pecados, faz tudo isso debaixo da permissão divina. A soberania dEle continua intacta, porque Ele concedeu liberdade de escolhas para todos. Mas, que fique claro que a vontade dEle não é que pequemos, quer que O amemos acima de tudo e todos e ao semelhante como a nós mesmos.

Nos treze versículos do capítulo 46, do livro de Isaías, duas vezes há um pedido de Deus ao homem: ouve-me! (versos 3 e 12) Isto denota que o ser humano tem liberdade para não ouvi-lo. O capítulo 46 trata do caso de judeus que ESCOLHERAM fazer ídolos ao invés de adorar ao Senhor, e Ele apela para que se convertam desse grande erro. Caso passem a ouvir, serão abençoados.

E.A.G.

2 comentários:

José Hilton disse...

Paz seja contigo,Irmão Eliseu

Só para reforçar: o ensino bíblico sobre liberdade humana x soberania divina é bem ilustrado por duas máximas:

1 - Quem é de Deus ouve a Palavra de Deus.

2 - "... se vós permanecerdes na minha palavra e minha palavra permanecer em vós verdadeiramente sereis meus discípulos".

Quem rejeita o faz por não ser do rebanho e não o contrário. A característica distintiva entre ovelhas e bodes, trigo e joio, é a obediência à Palavra.

Muitos em Israel rejeitaram a Aliança mas uns poucos outros permaneceram fiéis. Observo que muitas vezes a Escritura parece dirigir-se a dois rebanhos. Quando Josué exortou o povo a fazer uma escolha o verdadeiro Israel o seguiu em sua decisão de servir a Deus.

Jesus afirmou também ser dEle a iniciativa de escolher os discípulos e também que ninguém se chegaria a Ele se o Pai não lhe enviasse.

Não creio ser o Reino de Deus um clube em que entramos por iniciativa própria, na base de "aceitar ou não a Cristo". Imagino que em sua casa só entra quem você convida ou autoriza. Imagine nas mansões celestiais.

Quanto à liberdade de escolha voltemos às ilustrações do reino vegetal. O que define o tipo de árvore é o fruto gerado. O escritor de Hebreus assim coloca: De vós amados,esperamos coisas melhores,coisas pertinentes à salvação(Hb 6.9). Imagine se um não-salvo tem os frutos do Espírito Santo! Certamente que não.
Concluindo, agimos de acordo com nossa natureza. Salvos têm os frutos da salvação; os não-salvos simplesmente agem conforme a natureza decaída humana. Como é um tema há muito polêmico, entenderei se o irmãos não publicar este comentário. Aguardo sua réplica em jh.canuto@uol.com.br.Deus te abençoe.

Eliseu Antonio Gomes disse...

José Hilton.

Obrigado por sua participação neste tópico.

Abraço.

As 7 postagens mais acessadas na semana

As 7 postagens mais acessadas nos últimos 30 dias

As 7 postagens mais populares (geral - desde 12 de junho de 2007)

▲ Clique na imagem para retornar ao topo do blog.

Bola colorida na areia da praia. By Eliseu Antonio Gomes

Bola colorida na areia da praia. By Eliseu Antonio Gomes
Cidade Ocean - Praia Grande - São Paulo/SP - Brasil.